A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


29/06/2012 10:35

Amplavisão

Manoel Afonso

O EMBATE eleitoral bem perto. Dependendo dos locais/personagens envolvidos a polarização deixa o campo das ideias e chega a pessoalidade e ao ódio. Cruz credo! Os lembretes abaixo visam exatamente apaziguar os ânimos.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

DICAS de Ulysses Guimarães aos políticos: Seja paciente; não faça inimigo (ele guarda o ódio na geladeira): modere o seu linguajar; não revele seus segredos: ( amigo hoje, inimigo amanhã); aprenda a escutar (fale menos); postura correta.

IMPACIÊNCIA: É uma das faces da estupidez. O caminho é longo, perseverante, difícil. Não pode haver afoiteza. Quem labuta na vida política precisa saber que não se pode ganhar notoriedade da noite para o dia. Calma!

AMIGOS: Se você não puder fazer amigos, não faça inimigos pessoais. Quanto aos adversários ferrenhos, é do jogo. Como dizia caudilho Juan Peron: “Em política fale muito sobre coisas, pouco sobre pessoas e nunca sobre você”.

LINGUAJAR: No dia a dia da política é preciso se policiar, cuidar da língua. Evite palavras irretratáveis. Quem fala esquece as expressões usadas, não avalia os estragos, mas quem ouve grava tudo na memória. E não esquece...

CONFIDÊNCIAS: Um perigo! Por conta de situações (alianças) de aparências sólidas ou definitivas, é normal que se faça confissões pessoais ou familiares. Mas elas podem virar munição após o rompimento destas relações políticas.

‘ESCUTATÓRIA’ : Paciência para ouvir todo o tipo de pessoas é fundamental na arte da política, mesmos aquelas inconvenientes ou que se acham os reinventores da roda. Muitos venceram graças a essa rara qualidade de postura.

POSTURA: Só o esforço e a perseverança constroem a carreira. O desempenho de um político não é restrito à tribuna/comissões. A arte de improvisar é não improvisar. No discurso, o bom orador precisa saber falar também pelos silêncios.

GETÚLIO VARGAS Olho clínico para analisar os parceiros de ocasião, não escondia o que pensava deles: “Conheço bem esses que se sentam à nossa mesa e fazem de conta que não querem comer. São justamente os de maior apetite”

A FRASE do livro “Getúlio (1882-1930), do jornalista Lira Neto retrata o ambiente natural nos bastidores políticos às vésperas das convenções. Mas ‘compartilhar’ a gestão com aliados, sem desfigurá-la, tem sido o grande desafio.

MEMÓRIA Para os mineiros ‘dividir o queijo’ não é bom, mas é possível. Tancredo por exemplo, acomodou todos os aliados em seu eclético ministério, que viria garantir depois a governabilidade inicial do Governo Sarney. Lembra?

ALIANÇAS As vantagem pretendidas podem ser bem maiores do que os ganhos reais que elas trazem nas urnas. Nesta reta final contra o relógio, aumenta a ambição das lideranças envolvidas. Aí contam a habilidade e a coragem.

O VOTO de ocasião dispensa coerência política e princípios doutrinários. É levado ao sabor das conveniências. O caso Lula/Maluf é apenas mais um, comparável à cachaça: boa no gole inicial; embriagante/problemática ao final da garrafa.

A COERÊNCIA foi esquecida nos livros. Não tem condão mercantilista; contraria o ‘aperto de mão sob olhares hipócritas’. Visa apenas o bem comum, como se fosse uma arte de tornar possível o necessário, sem ceder no essencial.

PREPARE-SE: Até o último dia do envio da documentação dos partidos à Justiça Eleitoral veremos situações ‘interessantes’. Mas nem por isso as eleições perdem esse clima envolvente como às vésperas de decisão no futebol.

A PROMESSA de diálogo/independência do PSD ficou no papel. Sergio M. Alves, ex-presidente da Comissão Provisória do PSD de Paranaíba, critica Antonio João pela dissolução da mesma para apoiar Alfredo Bernardo, do PT.

ANDRÉ. Sua percepção política lembra o ‘Ronaldo’ em campo. Sabe fazer a leitura correta do ‘jogo político’, detecta as deficiências dos adversários e se coloca no local exato e na hora certa para fazer o arremate final.

É RARIDADE encontrar no bom administrador público uma boa capacidade de visão e articulação política. André consegue conciliar essas duas qualidades como mostra sua trajetória e o quadro eleitoral reinante hoje aqui no Estado.

PEDROSSIAN por exemplo, um desastre politicamente. Demorava para decidir e quando fazia, desagradava os companheiros. Zeca: pecou nas duas frentes, não sabendo inclusive garantir seu futuro político. Regrediu; perdido na estrada.

MARKETING ? Vander foi à convenção do PT trajando ‘blazer’. Aliás, poucos com camiseta vermelha. Estratégia para atrair novos eleitores? A militância não era nem sombra da época das ‘vacas magras’. Envelheceu, ‘se ajeitou.’

A CRISE no PT local é gritante; ninguém se entende. Reflexo do que ocorre em nível nacional? A união Zeca/Delcídio lembra casamento com prazo certo de duração. Quem diria! O pessoal dispensando a candidatura de vice prefeito da capital.

A PRUDÊNCIA recomenda que se espere o último ato deste período eleitoral para uma análise das forças concorrentes em Campo Grande. É muito boa essa efervescência nos bastidores, onde cada qual faz seu jogo. Faz parte da democracia.

“Não se faz política sem vítimas”. (Tancredo Neves)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



Gostei do enfoque dado ao paragráfo referente a "linguajar". Argumentação boa!. Serve ao nosso governador, pois ele não tem "papa na lingua". Sabe que fica feio. Tamanha autoridade, usando palavras para denegrir a imagem do outro. Essa postura o colocou em evidência nacionalmente. Pode ser comparado ao Ronaldo, mas um dia a casa cai. Reafirmo que vergonha e aprovo a opinião do sr. Enio.
 
Maria Urber em 03/07/2012 01:24:09
A ganância pelo poder, impressiona. Gente envolvida na operação VINTÉM, desencadeada pela honrada POLÍCIA FEDERAL, não se intimida. O dinâmismo (Argumento técnico usado pelos políticos para substituir a palavra mentira), tem se constituído em ferramenta imprescindível usada pela ausência da verdade que reveste determinado recém político. Vergonha!!!
 
Enio Alves Gomes em 01/07/2012 01:20:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions