A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


04/11/2016 09:51

Assembleia Legislativa: quem acreditar é mulher do padre

Manoel Afonso

CANDIDATURAS A ousadia de Donald Trump leva-nos a refletir sobre a construção de candidaturas de um modo geral. Aproveitou-se da falta de bons líderes no seu partido e das dúvidas sobre a real competência da democrata Hillary Clinton.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

ESTEREÓTIPO É pessoal. Ao Trump falta habilidade política - a Hillary, personalidade, ao contrário da ex-primeira-ministra Margareth Thatcher, da Inglaterra. Imagem é fruto da reputação, do caráter e da trajetória. Mudar o personagem é arriscado.

A PROPÓSITO É possível que marqueteiros da candidata a prefeita Rose Modesto (PSDB) tenham convivido com esse dilema na campanha. Pelo sim pelo não, optaram em manter o visual dela (acabou desgastado) e o discurso que fadigou precocemente.

É DIFÍCIL achar um personagem sem estigma político/pessoal ao estilo de João Dória Jr., que vendeu a imagem light associada a competência empresarial. Aqui, o eixo da campanha tucana foi o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), que não era o candidato. Um equívoco sem tamanho.

SOZINHA Repetiu-se com Rose o ocorrido com o candidato Edson Giroto (PR) em 2012. Se no primeiro turno a votação não correspondeu ao bom tempo dela na TV, no segundo turno faltou trabalho efetivo dos políticos dos partidos coligados. Sumiram!

PREOCUPA? Evidente que sim. O desenho do cenário político para 2018 mudou com os resultados na capital e nas 5 principais cidades do Estado. O governador é inteligente o bastante para saber que precisará reagrupar forças e reformular conceitos e estratégias.

NA DERROTA os compromissos partidários acabam nas urnas. O outro dia é vida nova para os políticos em busca da sobrevivência. O PSDB, por exemplo, pensa em aproveitar o médico Ricardo Ayache para lançá-lo até como candidato ao Senado.

QUESTIONA-SE também sobre a postura do PMDB (André Puccinelli) e das relações de seus deputados com a administração estadual. Eles continuarão aliados independentemente das constantes e duras críticas feitas pelo governador Reinaldo ao seu antecessor?

ATENÇÃO Dentro do PMDB já começam a aparecer discordâncias e até mesmo críticas quanto a esse alinhamento de parlamentares junto a Administração Estadual. Cresce a tese de que essa postura acabaria fragilizando o partido, despersonalizando-o.

O CUSTO O PSDB fez bonito no interior, onde não tinha tradição. Tudo bem. Mas em cada cidade provocou o nascimento da oposição. Essa contabilidade precisa fazer parte da análise do desempenho partidário para projetar as eleições de 2018. Certo?

VEJA BEM Quem perdeu as eleições para o candidato tucano ou apoiado por ele, tentará naturalmente a revanche. Na pratica é assim que funciona a política. O político e o eleitor acabam associando o adversário local ao governador. Isso permanece imutável.

O MAPA eleitoral mudou, tem novos personagens. Na prefeitura da capital, Marcos Trad governará com forças que não tragam desgastes. Hábil, mexeu no tabuleiro com precisão desarmando o governador Reinaldo com elogios e a iniciativa do diálogo e parceira. Aí fez a diferença.

NELSINHO TRAD O ex-prefeito costurou certo no PTB e manteve-se ao largo do pleito. Politicamente não pode ser ignorado, apesar da judicialização de questões de sua administração. Presume-se que o prefeito da capital por duas vezes tenha saldo eleitoral.

ALCIDES BERNAL Qual o futuro do prefeito? Conservará o seu patrimônio eleitoral sem cargo eletivo? Tem estofo para interiorizar o PP? Abaixará a guarda para alianças de olho na Câmara ou Senado? Mas antes, a visita a um ‘divã de Freud’ far-lhe-ia bem.

‘SINTO MUITO’ Para a opinião pública, é simplesmente hilária a versão dada pelos deputados estaduais Paulo Corrêa (PR) e Felipe Orro (PSDB) sobre o episódio que flagrou o primeiro ensinando ao segundo a fraudar o ponto na Assembleia Legislativa. Como se dizia na infância: “o último que acreditar é mulher do padre”.

FRAUDES Incorporados ao cotidiano. Frauda-se passagens aéreas, merenda escolar, o placar do Senado Federal, as medições de obras públicas e por aí vai. Nelas, o cinismo, a audácia e a cara de pau estão fortemente interligados, com igual significado e valor.

ENFIM... Mais um escândalo de apuração duvidosa. O corporativismo na Assembleia Legislativa segue proporcionalmente os padrões do ‘glorioso’ Congresso Nacional. Os gastos e ganhos são representados por números e códigos de difícil acesso aos mortais. ‘Portal da Transparência’ - peça de ficção.

O LEITOR sabe das coisas. Tem sua própria leitura e interpretação do ocorrido. Pode até ser sacana, mas não é idiota ao lidar com tantas notícias ruins envolvendo os políticos de modo geral. O país está empesteado de ‘Calheiros, Pallocis e Cunhas’.

TERROR Pode não sobrar pedra sobre pedra com as anunciadas delações da Odebrecht. Não escaparia nenhuma figura dos principais partidos, inclusive o governador Geraldo Alckmin (PSDB) de São Paulo. A revista Veja mostrou isso.

PERDEDORES O PT foi o maior. Alex, candidato a prefeito da capital quebrou a cara usando o ex-presidente Lula. Já o PR do ex-deputado Londres Machado e do deputado Paulo Correia ‘com direito inclusive de pedir música no Fantástico’. Antes da derrota com Rose Modesto, aquela com Edson Giroto (2012) e depois com Delcídio Amaral (2014). Que fase interminável!

“Prerrogativa – Direito de um soberano de agir mal.” ( Ambrose Bierd)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



Toda vez que o cerco se fecha contra o PT, seus defensores tentam envolver a oposição nos escândalos. Por não ter como defender o PT, tentam parecer que todos são iguais. Não são. Alckmin não é citado, acusado nem investigado em nada.
 
Welbi Maia Brito em 04/11/2016 14:47:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions