A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


23/10/2015 14:58

Cai máscara do Cimi na CPI

Manoel Afonso

GRAVE De um lado o povo ignora os reais interesses envolvendo a questão indígena no país. De outro, há uma grande estrutura logística de apoio internacional, representada por ONGs e fundações, dentre elas o CIMI ligado à Igreja Católica, via CNBB.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

O INÍCIO: Finda a 2ª. Guerra, oligarcas do Establishment anglo-americano, de olho na hegemonia econômica global, usaram o Conselho Mundial de Igrejas (Holanda) para invadir a soberania de países ‘em defesa dos recursos naturais da humanidade’.

A INGLATERRA ganhara a guerra, mas perdera seu vasto império; com os Estados Unidos planejou uma nova ‘ordem mundial’ através do CMI e CIA inclusive, através do ‘ecumenismo’ como um instrumento político de intervenção além fronteiras.

NO BRASIL o então Conselho Missionário Indigenista passou a ser influenciado pela Teoria da Libertação, rompendo com visão paroquial em 1974. Com a Constituição de 1988 radicalizou na defesa de sua visão sobre a demarcação das terras indígenas.

O CIMI é parte de enorme conjunto de ONGs indigenistas e ambientalistas de todo o mundo, recebendo dinheiro de famílias e fundações do Hemisfério Norte, interessados em manter intocáveis as nossas reservas numa política neo-colonianista.

NO BRASIL temos 793 mil kms quadrados (França e Inglaterra) para 240 mil índios. Como disse o jurista Clovis Ramalhete: “Por efeito da Constituição nossa Federação está esquartejada. Estados são mutilados por portaria. E o lavrador sem terra?”

O CENÁRIO atual em nosso Estado é fruto deste conjunto de distorções da lei e da má vontade do Governo Federal. Aliás, é injustificável o histerismo de alguns segmentos católicos locais quando se fala da participação do CIMI na questão indígena.

O MATERIAL exibido e as provas produzidas na audiência pública da CPI da AL. não deixam dúvidas. Os deputados Onevan de Matos e Paulo Correa estão convencidos da influência e manipulação de elementos do CIMI no episódio da ‘Buritis’.

A ESTRATÉGIA Na última sessão do Legislativo Estadual cartazes pediam o boicote mundial ao biodiesel, carne, álcool e soja produzidos aqui, sob o argumento de que são manchados de sangue indígena. Um tiro no pé da nossa economia agrícola.

OS PETISTAS precisam sair da ‘casinha de ingenuidade’ e admitir má vontade do Planalto. Aliás, nota 10 para o deputado Paulo Correa ao sugerir um fundo para comprar terras com o dinheiro da dívida que pagamos (R$100 milhões) mensais à União.

SABEDORIA Há que se tirar o chapéu para o deputado Zé Teixeira. Mesmo sofrendo com o desgastante episódio, mantém o equilíbrio. E mais: tem dado apoio à deputada Mara Caseiro, que conduz bem a CPI que apura as ações insufladoras do CIMI.

O LEITOR precisa entender: esse plano internacional usa os índios para dividir o país para enfraquecer nossa soberania. Lembro do projeto da construção da ‘grande nação guarani’, com terras do Brasil, Paraguai e Argentina. Quem viver, verá!

MEMÓRIA Poucos sabem: o último presidente da Assembleia Legislativa do Mato Grosso Uno foi Cleomenes N. da Rocha. Foi só por 30 dias, em substituição a Paulo Saldanha, que renunciou para assumir como deputado estadual no MS.

CAFÉ AMIGO Equilibrado e sem tentar reinventar a roda. Essa talvez seja a melhor definição para o secretário Carlos Alberto de Assis – após agradável papo na Secretaria da Administração. “Em primeiro lugar, o projeto do governo”, disse ele.

BARBARIDADE A notícia de que os prefeitos apoiam a volta da CPMF é mais uma prova de que eles não estão preocupados com o bolso do contribuinte. Olham apenas seus projetos pessoais, como a maioria dos ilustres ‘representantes do povo’.

SEM ILUSÕES O país parou. As obras abandonadas pelo poder público causam prejuízos. No MS há o caso emblemático da Petrobras em Três Lagoas. E pergunto: sediar as Olimpíadas era mesmo prioridade num país sem hospitais e segurança?

PLEASE É preciso avisar o deputado cabo Almi sobre as obrigações institucionais da União – em matéria de segurança nas regiões de fronteira. Aqui no MS é público que o Governo Federal é o grande ausente no combate ao crescente crime organizado.

O MINISTRO da Justiça adora ‘jogar para a torcida’, dizendo que o Governo não vai tolerar os desafios do crime organizado no Rio, devido as Olimpíadas. Mas sem investir em homens, armas e tecnologia em nossa fronteira, essa zorra continuará.

É MOLE? Em Cassilândia o ex-prefeito Jair adotou tática que deve ser copiada por outros pretendentes às eleições de 2016. Semanalmente na condição de visita almoça na casa de um eleitor. E também faz as vezes de anfitrião com idêntico objetivo.

A LUTA O ex-deputado Valdomiro Gonçalves passou em São Paulo por delicada, mas bem sucedida cirurgia a laser no combate a um câncer de garganta. Apesar dos meses de sofrimento, o amigo não perde o otimismo e seu sorriso simbolizando a fé.

O QUADRO nacional preocupa pela junção das crises política e econômica. Para o governo é fácil falar em CPMF e mais impostos. Mas Dilma fez o dever de casa? A gastança continua. O anúncio de cortes era fantasia petista para acalmar a torcida.

CAPITAL O povo optou por mudanças e o Bernal não sai do lugar; sem equipe e sem projeto de governo. Só falácia. É apenas a continuação de suas passagens pífias pela Câmara Municipal e Assembleia Legislativa. É mais um caso para Freud explicar.

“Ao contrário do que os brasileiros pensam, a Amazônia não é deles, mas de todos nós.” ( Al Gore – ex-vice presidente dos EUA)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



CPMF - Já comentamos em outra oportunidade, o projeto de recriação do famigerado imposto do cheque, onde a Câmara dos Deputados com 513 integrantes parece não atentar para a reprovação popular sobre o tema; é claro, meter a mão no bolso do contribuinte é muito cômodo, e, sabemos que não resolverá o rombo causado nas finanças do país. Suas Excelências (513) poderiam perfeitamente sugerir que o Ministro da Fazenda que faça gestões no sentido de cobrar os impostos atrasados dos grandes contribuintes, como por exemplo, os bancos que têm lucros astronômicos, por conta de juros escorchantes que têm causado desespero e empobrecimento a 60% da população brasileira hoje endividados e inadimplentes. Segundo divulgação da grande imprensa nacional, a dívida dos bancos com o fisco, é de 200bi. Bene.
 
benedito rodrigues da costa em 24/10/2015 08:45:45
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions