A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


26/06/2015 14:07

Eleições 2016: PT sem discurso e candidatos

Manoel Afonso

SIMONE O marido Eduardo Rocha confessando-me: não é contra a candidatura dela a prefeita da capital, mas que não tem o poder de convencê-la. E aí o deputado admitiu sorrindo: “somente o André poderá fazer com que ela aceite o desafio”.

‘WANTED’ Se as pesquisas do IPEMS mostram que a rejeição aos nomes de Giroto e Marum são bem maiores do que os índices de aceitação, o círculo vai se fechando para o PMDB encontrar outro candidato bom de votos que a disputa exige.

VONTADE de mais poder todos tem. Sergio Longen (FIEMS) é mais um a espera do cavalo arreado, que não aparece. Calmo e metódico, escapou da refrega em 2014 ao recusar o convite para disputar o senado pelo PT. Hoje ele paquera o PSDB.

EM BAIXA Se em 2008 o PT obteve 23,23% dos votos, em 2012 o petista Vander não passou de 6% para a prefeitura da capital. E para 2016 as previsões são sombrias diante do quadro local e dos desgastes do PT pelos escândalos que estão na mídia.

VEJAMOS Zeca, Pedro Kemp, Amarildo? O trio representa a estagnação quantitativa de candidatos hoje disponíveis. É como eu sempre questiono: qual liderança - de peso - o PT conseguiu atrair nos últimos 10 anos aqui no Estado? Só uma basta.

VANDER Avocou os méritos pela pluralidade de candidaturas contra Giroto, certo que o PT sairia no lucro na sucessão estadual dois anos depois. O que se viu foi o resultado adverso, com o eleitor separando os dois cenários e as duas eleições.

LEMBRANDO Casa eleição tem normas exclusivas, de acordo com o ambiente. No último pleito de Campo Grande por exemplo, os eleitores em sua maioria preferiram as caricaturas cruéis deles mesmos. Mas será que aprenderam a amarga lição?

‘VELHOS’ Se na definição de Lula o PT envelheceu, o mesmo raciocínio se aplica aos dirigentes locais. É notório o desinteresse em oxigenar o partido para não se perder as boquinhas do poder. Aliás, o ingresso de Delcídio não é digerido até hoje.

A PROPÓSITO Mentiu o Lula ao dizer que hoje o pessoal do PT só pensa em cargos. O nosso ‘Brahma’ esqueceu dos 25 mil ‘companheiros’ em cargos de confiança com altos salários, ‘petezando’ o Governo desde seu primeiro mandato?

LEMBRETE: Os candidatos a prefeito do PT no pleito de 2016 terão que reunir qualidades pessoais em torno de si que superem o desastre administrativo do Planalto. A velha tática de se apoiar ou ir no vácuo do PT não deve funcionar.

ALIANÇAS Serão problemas para o PT mesmo sendo um pleito municipal. Pesará contra elas o noticiário dos escândalos nacionais e que deve afugentar os dirigentes de outros partidos, temendo ser contaminados. “Diga-me com quem andas...”

MORALIDADE Será um dos ingredientes do cardápio eleitoral de 2016. É possível antever o nível dos debates. E indago: o PT vai repetir a pratica de eleições passadas quando trazia figurões nacionais - como Genoíno - para animar a campanha?

JUSTIÇA Decisões – como na ‘Lava Jato’ – devem ser cumpridas. O mesmo se aplica ao TJ-MS no caso da CPI- Energisa. Dos deputados que se manifestaram, só Barbosinha reconheceu: a propositura d’ação não teria preenchido os requisitos legais.

EVIDENTE: há o aspecto político e emocional presente ao caso. Mas a ótica de visão do judiciário se ateve apenas ao aspecto legal. É isso que às vezes a classe política não aceita quando não é atendida. Mas o Judiciário é independente. Ponto final.

ENCRUZILHADA O que decidirão os deputados que comandam essa CPI? Insistem através de recurso permitido ou adota-se outro remédio? Oportunidade de ouro para se aferir a maturidade política e o preparo de nossos legisladores. É esperar.

CRISE CRUEL Uma vendedora de salgadinhos que atendia os operários nas obras da construção civil da capital na região do Jardim Noroeste - faturando R$ 1.200,00 por mês – desistiu da atividade sob a alegação de que a sua freguesia acabou.

OS EFEITOS da crise: O pedreiro não trabalha, o dono do trator da limpeza do terreno não fatura, o serralheiro, o calheiro idem, a loja de materiais não vende. Esses elementos formam uma admirável cadeia que reflete no cenário econômico das cidades.

BANCOS Apesar da pressão contra os funcionários para atrair depósitos e emprestar a juros caros, só tem movimento até o dia 10 de cada mês. Agências enormes sob risco de fechar. Mas o que fazer com os prédios? Alugá-los para as igrejas? Talvez.

IGREJAS Também elas reclamam: a fatura do dízimo apresenta inadimplência e os fiéis resistem em levar o cartão aos cultos porque estão no vermelho. Outras entidades que vivem da contribuição mensal estão perdendo associados mês a mês.

AJUIZADO Para o vereador Edil Albuquerque – da capital – esse não é o momento para demagogia ou ações que atrapalhem a administração pública. Ex-bancário, tem a visão realista do quadro econômico social que tende a se agravar no 2º semestre.

OLARTE O prefeito da capital tem a capacidade incrível de enfrentar crises sem perder o senso otimista. E mais: tem a capacidade de agregar, o que faltou ao seu antecessor, que centralizou e estagnou a administração lamentavelmente.

JUVENAL NETO, presidente da Assomassul, alerta que as obras conveniadas com o Governo Federal estão paralisadas porque o Planalto não cumpre a sua parte, não libera o dinheiro. Desinformada, a população culpa os prefeitos injustamente.

“Estou saudando a mandioca. Uma das maiores conquistas do Brasil”. (Dilma)

Capital: Câmara sem clima para oposição ao prefeito
‘CRIME E CASTIGO’ O livro do russo Fiódor Dostoiévski é o mais lido na prisão que abriga o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), com benefício a remição ...
Terceira via – força poderosa ou mera coadjuvante?
PAULO SIUFI Articulado, o deputado estadual, do PMDB, dará tempero aos debates. E não perdeu tempo ao abordar com sutileza e precisão o episódio do j...
Decisão do TJ pode inviabilizar cinemas no Estado
‘PATINHAS’ Deputado federal Carlos Marun (PMDB) voltou à mídia ao gastar R$ 1.242,00 da Câmara Federal na sua festejada ida à Curitiba. Ora! Desgaste...
Prefeitos priorizam obras em prejuízo à educação
FARRA DO FIES Na revista Veja (edição 2514) extensa reportagem sobre o caso envolvendo jovens de Campo Grande (MS) beneficiárias do financiamento do ...



Olha. achamos o Mr. Óbvio. Vou tirar uma foto.
 
Cyro Escobar Ribeiro Neto em 02/07/2015 12:37:48
CANDIDATOS À PREFEITURA - É lugar comum os caciques políticos blindarem seus candidatos, construindo em seus entornos verdadeiras muralhas, impedindo com essa atitude, o surgimento de candidaturas novas, de novos nomes, capazes de mexer com a opinião pública. A comunidade necessita hoje de pessoas desvinculadas com os vícios e ranços da política; ocorre que, enquanto as pessoas de bem por razões que até entendemos se omitem nessa questão, existem por outro lado, aqueles que almejam o poder a qualquer custo com a finalidade de impor a vontade de um grupo em detrimento dos reais interesses da comunidade. Todos têm solução para os problemas da capital, porém, ao assumir o comando, começam a divulgar as carências de recursos para suas realizações. Daí, é esperar por mais quatro anos. Benê.
 
benedito rodrigues da costa em 27/06/2015 09:14:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions