A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


11/03/2016 11:25

Eleições, Dilma e Lula no cardápio

Manoel Afonso

BEM PENSADO O deputado Marcio Fernandes deu meia volta no projeto de tentar a Prefeitura da Capital. Aos 37 anos de idade, quer aproveitar o terceiro mandato para se aprimorar politicamente. Concluiu: ousadia não pode ser confundida com precipitação.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

EM ALTA Marcio mostrou prestígio na sua filiação ao PMDB atraindo as lideranças do PSDB, PSB, PRTB, PT do B, PSC, PTB e PR, 12 vereadores da capital, prefeitos e lideranças interioranas. Foi o ato de filiação que agregou o maior número de lideranças.

REFLEXOS A decisão de Marcio já produz efeitos no projeto do PMDB, com as opções de André e Marun. A outra alternativa seria uma composição com o PTB de Nelsinho Trad, esquecendo os velhos atritos que motivaram sua saída do PMDB.

APOSTAS Elas existem na defesa da tese de que a candidatura de Nelsinho atenderia não só o projeto do PMDB como também os anseios do PSDB. Quem olhar para 2018 vai entender as chances da composição destas duas maiores forças no Estado.

PSD-CACIFE: 58 vereadores, os vices prefeitos de Anaurilândia e de Corumbá, os prefeitos de Bandeirantes e Naviraí, além do deputado Marquinhos Trad. Na capital são apenas dois os vereadores: Chiquinho Teles (3.729 votos) e Coringa ( 3.127 votos).

O PILAR de sustentação do partido é o deputado Marquinhos que construiu a trajetória política baseada na capital, onde nas eleições de 2014 obteve 35.007 votos ( 8,20% dos votos válidos), sendo o mais votado, seguido por Rinaldo com 17.587 votos.

TRAJETÓRIA Iniciada para a vereança da capital de 2004 com 11.045 votos, (o mais votado). Em 2006 elegeu-se deputado estadual com 35.777 votos (5º lugar) e reeleito com a maior votação em 2010 com 56.827 votos. Em 2014 obteve 47.015 votos.

CENÁRIO É nebuloso pelo fim da aliança PMDB-PSDB, enfraquecimento do PT, pela falta de apoio político ao atual prefeito Bernal e pelo desgaste da classe política devido aos escândalos que sacudiram a capital nos últimos tempos. Tudo isso conta!

DESAFIOS de Marquinhos: Aproveitar a baixa rejeição das pesquisas para crescer no eleitorado; chegar aos 2º turno sem atritar com adversários para tê-los como aliados na fase final e montar um arco de alianças com candidatos competitivos a vereança.

E MAIS... Terá que conquistar o eleitor das classes A e B – onde tem restrições, usando de interlocutores (Nelsinho?) que navegam bem por lá. Portanto, agregar será a palavra de ordem de Marquinhos, desarmando-se e repensando alguns conceitos e posturas.

O PARTIDO Seria ele o menos importante, apenas o instrumento para viabilizar uma candidatura? “É relativo!”; na expressão de Justo Veríssimo. Partido com raízes sólidas ajuda. E neste item, Marquinhos estaria em desvantagem em relação aos concorrentes.

‘DELÍRIO’ Apesar da lei sobre o financiamento de campanhas, não se pode ser tão ingênuo imaginando uma campanha baseada no gogó e sola de sapato. Cada postulante, a seu modo, viabilizará o caixa para uma campanha complicada sob todos os aspectos.

NELSINHO Não foi para o PTB para fazer turismo. É a melhor referência administrativa para se contrapor a Bernal. Ele tem menos resistências partidárias que o irmão. As filiações ao PTB dos vereadores Edyl, Saci e Chocolate são sintomáticas.

ROSE Não pode ser comparada à ex-senadora Marisa, mas foi importante na vitória tucana na capital. Isso conta! Mas Reinaldo agirá com a razão ou coração levando-se em conta também os cargos disponíveis no pleito de 2018? A decisão ocorrerá neste dia 25.

AYACHE Cauteloso, sabe; não é hora de avançar o sinal. É novo, vai muito bem à frente da Cassems e aumentará o seu crédito para 2018. Até lá se livra do estigma de ex-petista conquistando eleitores de novas tendências. Tem futuro político sim senhor!

MAIS UM... Sempre achei que o prefeito Paulo Duarte, de Corumbá, - a exemplo de Ayache - não levava jeito próprio de um petista. Paulinho é político leve, articulado, sem aquele ranço que estamos acostumados a ver no PT, que está descendo a ladeira.

TARDE DEMAIS! O deputado Felipe Orro não ouviu as lições de seu pai? Acreditou piamente em Dagoberto e deixou o PDT decepcionado. Ora! O deputado quer reinar só para negociar as vantagens do apoio do PDT no pleito da capital. É aquele velho filme.

C. KRAMER: “Não foi o PT que inventou a corrupção”. Também não foi o Senna que inventou o automóvel, não foi o Pelé que inventou o futebol, não foi Bach o inventor da música. “É perfeitamente possível ser o melhor naquilo que os outros inventaram”.

MARCO A. VILLA: “A presidente se sustenta no vazio e aprofunda o desastre econômico. Perdeu a capacidade de governar. Quanto mais cedo sair, melhor. Não há chance de que possa se recuperar. A agonia do PT não pode ser a agonia do Brasil.”

DEMÉTRIO MAGNOLI: “Num país sério, os pedalinhos, esses singelos presentes aos netinhos de Lula, poderiam ser ignorados por policiais, procuradores e juízes...Os pedalinhos não são patrimônios, mas indícios...;chegamos a um projeto internacional que associa poder e dinheiro: a geopolítica do lulismo.”

REINALDO AZEVEDO: “Não se enganem: esses gatos pingados que se dispõem a sair às ruas em defesa de Lula e do PT estão apenas defendendo um meio de vida. Eles conseguiram, afinal, se livrar de uma maldição bíblica, não é mesmo? Ganhar a vida sem trabalhar.”

SERGIO MORO: “Não vai se mudar o sistema e a cultura se formos esperar os governos e políticos; não precisamos deles para criar a iniciativa empresarial interna contra pagamento de propina e corrupção”. (trecho de sua palestra recente em Curitiba)

“Se as empresas não pagassem as propinas na Petrobras, os partidos políticos não iriam ver isso com bons olhos.” (Paulo Roberto Costa)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions