A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


15/02/2013 15:27

Fim da picada

Manoel Afonso

O Governo quer facilitar a ‘importação’ de médicos para interiorizar a medicina. Ora! Temos médicos em número suficiente, falta sim estruturar os hospitais com pessoal, aparelhos e remuneração compatíveis às necessidades locais.

NO BRASIL
adota-se de medidas que causem impacto na mídia em situações de emergência. Venham de onde vierem, os médicos estrangeiros não farão milagres e desanimados, logo acabarão se mudando para as grandes cidades.

OS PREFEITOS
sabem: a alternativa não é viável. Afinal, qual o nível de formação dos médicos importados? E mais ambulâncias só para despejar doentes nas capitais é medida paliativa. É preciso sim dar assistência de verdade à saúde.

ROTINA
Os políticos deixam seus Estados rumo à São Paulo em casos de doença. Sarney por exemplo, não usa a medicina de São Luiz nem para unha encravada. Se eles fogem da medicina local, o que sobra para os pobres mortais?

QUESTIONÁVEL
Querem cobrar os gastos realizados nas novas eleições de quem teria dado causa. Pode ser exemplar, mas a medida não está prevista em lei. Trata-se apenas de ato administrativo (convênio) firmado entre TSE e AGU.
A MEDIDA acabará decidida pelo STF, pois é passível de discussão. O artigo 22-I da Constituição inclui também as questões eleitorais no rol da competência exclusiva da União. Teremos assim mais uma batalha se arrastando anos a fio.

E MAIS
... No mérito sobre os atos do candidato impugnado vai se discutir também a existência ou não de dolo. Às vezes devido a falta de um carimbo ou uma formalidade qualquer, as contas do candidato são reprovadas. Muito complicado.

TERCEIRA VIA’ Ganha força; Eduardo Campos ameaça a aliança PT-PMDB em 2014. Lula acha que contorna o problema dando-lhe um cargo de ministro, mas ele quer solidificar sua imagem nacionalmente pensando no pleito de 2.018.

DÚVIDAS
Trocar Temer por Eduardo Campos seria a saída? Impossível. O PMDB está enraizado no poder comandando as duas casas legislativas. A governabilidade passa pelo partido de Sarney e Cia. Neste ônibus os lugares estão ocupados.

DESCONFORTO
Gustavo Freire, atual Secretario da Receita de Campo Grande, no rol dos acusados do MPF pela suposta pratica de irregularidades (propinas) na liberação de mercadorias em Corumbá. Aliás, a imprensa tem falado sobre o caso.

PREOCUPA?
Por dois aspectos: a gravidade da denúncia e a postura do acusado, cuja defesa tem sido feita pelo prefeito Bernal. Essas questões são pessoais, intransferíveis, exigem indignação nas manifestações de quem é acusado. Ou não?

ABRINDO ASAS
Sem quadro, Bernal sucumbiu a ‘disponibilidade’ tucana? Os sinais apontam nesta direção. Mais um degrau do projeto de juntar Delcídio e Azambuja para 2014. Mas os tucanos teriam autonomia ou seriam meros ‘badecos’?

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

O ENTRAVE tem sido exatamente esse nas conversas iniciais entre prefeito e tucanos. Segundo gente mais próxima, Bernal centraliza tudo por se sentir inseguro nas decisões e isso estaria gerando entraves em vários setores da administração.

AZAMBUJA No fundo ele confia na inércia nacional e desunião do PSDB para 2014. Sem candidato competitivo ao Planalto, o quadro será de ‘salve-se quem puder’, e a liberação será geral nos Estados. Anote aí: quem viver, verá.

EXPECTATIVA André pode ter conciliado os afagos aos netos com os contactos políticos nestas férias. Sua postura ‘light’ diz um pouco disso. Ele sabe: as eleições estão aí, monopolizam mais a opinião pública do que a Copa do Mundo.

FATOR ZECA A sucessão passará também pela Câmara da capital. Se o vereador Zeca bater seu bumbo em defesa da união PT-PMDB, inviabiliza o acerto Delcídio-Azambuja. Quem diria! Política tem disso: o impossível mora ao lado.

DAGOBERTO
Não quer o PDT fora da sucessão. O pedido por maiores espaços na administração estadual mostra isso. Mesmo sem mandato ele continua ativo, viaja pelo interior, telefona e não perde o contacto com a direção nacional.

NELSINHO
Tem sido visto no Mercadão, nos rachas do Rádio Clube e conversando na rua. Não há notícias de incursões pelo interior em busca de apoio a sua candidatura. Não é refém da lei da fidelidade partidária. Pode trocar de partido.

LAMENTÁVEL Alckmin vetou o projeto que regulava propaganda de alimentos que provocam doenças e obesidade infantil. Assim os outros Estados perderam a força de tomar iniciativas contra a indústria do envenenamento saboroso.

NA CAPITAL de MS foi dado o passo inicial regulamentando a venda de produtos pelas cantinas escolares. Mas a realidade exige medidas mais ousadas para inibir hábitos alimentares nocivos incentivados pela intensa propaganda enganosa.

EXEMPLO
Uma garrafa de bebida láctea contém 165 g de açúcar, o mesmo conteúdo de um copo americano de açúcar. Um saco (300 g) de sucrilhos contém 120 g de açúcar, ou seja 40% de açúcar. Cada brasileiro consome 4 kg de açúcar por mês.

LIMITE
Outros países já tem leis protegendo a saúde do seu povo, mesmo contra os interesses das indústrias. Aqui tudo é devagar. A Vigilância Sanitária não acompanha os bons exemplos, a classe política se cala, não enxerga e não ouve.

“Hitler foi eleito pela maioria alemã. A maioria pode errar”. ( Eduardo Suplicy)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



Caro Marco Aurélio, pra mim o povo alemão errou sim, porque não só comprou a ideia infeliz do megalômano Hitler de que a culpa das mazelas alemãs eram todas dos judeus, como fora conivente com a matança de inocentes. De toda forma, o sentido do seu comentário vale pra nossa realidade atual, não pra alemã daquele momento.
 
Camila Maia em 21/02/2013 22:03:51
Caro Manoel, mas uma vez seus comentários quanto ao PT estão fora da verdade. O Zeca já disse que é improvável e impossível aliança entre PT-PMDB aqui no Estado. Apesar do governador parecer estar com muita vontade de sair na chapa do Delcídio e garantir uma vaga no senado.
 
Fred Campos em 19/02/2013 08:40:35
Prefeitos eleitos e a mesma lengalenga de sempre: encontrei os cofres vazios, folhas de pagamento em atrazo, fornecedores idem... Peraí, terminadas as eleições, já se inicia as conversasões para as próximas candidaturas; como é que cidadões se propõem a administrar um municipio sem conhecer a realidade da situação? Ou são kamikazes ou adoram o suspense de uma caixa preta. As Camaras Municipais não existem para fiscalizar as administrações? Isto sem contar com o Tribunal de Contas. Por tudo isso, chego a conclusão de que os melhores fiscais seriam os funcionários públiocos efetivos.
 
benedito rodrigues da costa em 17/02/2013 09:49:33
Marcos da Silva, quem errou não foi o povo alemão. Quem errou foi Hitler. A gente vota no candidato que vende uma boa ideia. Se depois de eleito ele trair o povo e o povo novamente o reeleger, aí sim, o povo erra. É o caso dos renans e sarneys da vida.
 
Marco Aurélio Gonçalves Chaves em 16/02/2013 17:29:34
Medicos estrangeiros para o interior? Não vai funcionar. Os do primeiro mundo dificilmente vão querer se sujeitar a um processo de revalidação de um diploma que demora anos, e não vão conseguir se comunicar com os pacientes. Não é Europa, onde todos (os pacientes) falam ingles. E medicos de paises menos desenvolvidos do que Brasil? Ai sim tem a questão do valor do diploma, alem da comuniçaõ, e de não ser muito etico tirar medicos de paises que também precisam (e muito) dos seus medicos. E estrangeiros gostam de ter um aeroporto por perto, para de vez en quanto conseguir visitar os parentes la fora. No interior fica como? Realmente, o problema é remuneração. O governo deveria aumentar os salarios no interior para atrair medicos Brasileiros para o interior. É a solução que mais faz sentido.
 
Marcos da Silva em 15/02/2013 17:16:50
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions