A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


09/01/2015 14:57

‘Fixar no retrovisor ou limpar o para-brisa?’

Manoel Afonso

A PERGUNTA que ouvi de um admirador de André - que votou em Reinaldo: “ Não seria melhor o governador olhar menos no retrovisor e focar mais na limpeza do para-brisa para enxergar melhor o caminho e assim desviar dos obstáculos?”

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

O PERFIL deste eleitor que se manifestou é de quem votou em Nelsinho no 1º turno e depois fez a opção pelo candidato vencedor. E se você olhar no percentual de votos deste contingente que decidiu as eleições, concluirá de que é gente demais.

RUPTURA Já falamos de que ela é natural. Reinaldo é novo, quer ocupar o espaço e sedimentar liderança a exemplo de Pedro, Wilson, Zeca e André. Mas essa construção exige habilidade para agregar de vez boa parte do eleitor de Nelsinho e Cia.

CONVENHAMOS... O eleitor tem reações incríveis, às vezes coerentes, às vezes até contraditórias nas situações que se apresentam. Reinaldo precisa caprichar na leitura do imaginário do eleitor sob pena de recolocar (e saiu?) André no cenário eleitoral.

A DESCONSTRUÇÃO dos adversários deve ser feita muito mais pelas novas ações gerenciais do que pelas críticas repetitivas que acabam cansando o eleitor. Esse, tem seu lado pragmático e percepção, cobra atitudes e resultados de quem é governo.

O AQUÁRIO precisa sair do ‘cardápio crítico’. Não se discute mais se era prioridade. A opinião pública – lembrando a Rodoviária de Pedrossian – é pela sua conclusão, independentemente do resultado de auditorias e outros procedimentos legais.

O TEMPO dirá se o aquário é ou não um abacaxi fruto do estilo visionário de André. Claro que alguns pegam carona nas críticas para ganharem espaço na mídia, visando a promoção pessoal ou mesmo para compensar seus recalques pessoais.

INSISTO na previsão otimista de que Reinaldo fará um bom governo. Aliás é preciso ressaltar que hoje Mato Grosso do Sul é muito melhor do que o Estado que André herdou. Os números são infinitamente superiores, contra eles não há argumentos.

‘CHURUMELAS’ Sempre presentes no início das gestões. Pedro, Wilson, Marcelo, Zeca e André passaram pelo ‘muro das lamentações’ e não se podia esperar – pelas circunstâncias – que Reinaldo tivesse postura diferente. Não pode é exagerar.

SEGURANÇA Reinaldo acerta em cheio quanto a fronteira. Mas FHC, Lula e Dilma ignoraram a questão, como seus antecessores após a redemocratização do país. Nossa bancada federal, infelizmente, não teve peso para sensibilizar o Governo Federal.

E AGORA? Nossos parlamentares federais vão bater doído cobrando a implantação de ações rigorosas e permanentes na fronteira ou continuarão preferindo as reivindicações que tenham as empreiteiras como coadjuvantes? Esse é o xis da questão.

FINANÇAS O êxito de André começou na competência da maquina arrecadadora tida até como ‘terror fiscal’. Mas sabiamente Reinaldo apostou na continuidade da mesma política e na manutenção dos principais nomes que comandam esse setor.

MARCIO MONTEIRO Ex-prefeito, experiente, sabe que faça chuva, faça sol o Estado terá que pagar funcionários e seus encargos da administração, inclusive a dívida amarga junto a União. Sem espaço para proselitismo. É arrecadar, e ponto final!

ANO NOVO começou com retração econômica que atingiu o interior e a capital. Os prefeitos apavorados com a queda da arrecadação. Vão ter que mostrar competência. Como se diz por aí: moleza mesmo neste país é só administrar a Petrobrás.

COICIDÊNCIA? Só foi tomar Azambuja tomar posse e tivemos manifestações que interditaram rodovias inclusive. Mas a escolha de Kátia Abreu como ministra deverá continuar sendo o estopim na questão indígena e para os ‘sem terra’. Aguarde.

VACINADO Reinaldo acompanha essas duas questões no Estado há anos. Sabe que além da questão social, há o interesse de alguns políticos pelo acirramento de posições. E eu pergunto: quando o Governo vai indenizar o Ricardo Bacha e outros?

EM AÇÃO As relações entre o Parque dos Poderes e os vereadores da capital devem se estreitar . Reinaldo sabe, sua reeleição passa também pela vitória de sua candidata Rose em 2016 e os vereadores simpáticos à causa já tem direito a tratamento vip.

DUAS FRENTES Além de corresponder como administrador, Reinaldo terá que zelar do quadro eleitoral. Fortalecer o PSDB sem inchá-lo, atrair bons aliados e eleger os prefeitos das cidades mais populosas são os principais desafios políticos.

BELEZA Se Zeca promete atuação contundente na Câmara, em defesa dos índios e dos ‘sem terra’, seu sobrinho Vander fará o ‘meio de campo’ entre o Parque dos Poderes e o Planalto. Cada qual na sua especialidade pela sobrevivência política.

LAMENTO O ex-deputado Valdomiro Gonçalves – que submete-se a tratamento de um câncer – recupera-se da cirurgia do fêmur fraturado numa queda. Solidariedade não tem faltado neste momento delicado do estimado cidadão. E a vida vencerá!

CAPITAL O prefeito Olarte vem demonstrando boa capacidade de articulação política no enfrentamento dos problemas que herdou. Hábil – diz só focado na administração – aprovada gradativamente pela população nas pesquisas. A tendência é de melhora.

DOURADOS Terá atenção especial de Reinaldo. Tanto é que no primeiro dia útil de sua administração recebeu o prefeito Murilo. Curiosamente na mesma semana foi a vez do ex-prefeito Braz Mello, hoje ligado ao deputado Geraldo Resende. Entendi.

‘JE SUIS CHARLIE’

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



O cidadão comum se baseia no pragmatismo para analisar e também para julgar os atos dos gestores públicos, e não poderia ser diferente. Não há possibilidade de um novo gestor do estado deixar de criticar alguns atos do seu antecessor, afinal de contas, não se trata de uma sucessão de Sumo-Pontífices. As pessoas mais experientes, ou seja, aqueles que já superaram a casa dos sessenta e que portanto tiveram a oportunidades de contemplar inúmeras sessões de posse, entendem perfeitamente o ritual. Todo o governo tem a cara e a marca do governante, e, ao que parece, a população tem gostado da postura do governador Reinaldo, calmo, sereno, porém firme, não deixando transparecer quaisquer indício de personalidade ditatorial. Tem demonstrado disposição para trabalhar, ocupando espaços. Bene.
 
benedito rodrigues da costa em 10/01/2015 08:26:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions