A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


16/01/2015 09:49

‘Governar é deixar marcas’

Manoel Afonso

A MARCA Nem todos que passam pelo poder conseguem deixar suas pegadas. Como o país é novo, paira a ideia de que a boa avaliação do administrador público depende mais da capacidade de construir obras físicas do que realizar ações abstratas.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

INJUSTO ATÉ, mas é assim que o brasileiro julga. Pragmático, quer asfalto, pontes, rodovias, prédios confortáveis, enfim tudo que possa ser visto e usufruído. Daí que os administradores construtores são referências em matéria de competência.

O DESAFIO que ouço sempre nas conversas políticas: excluindo as obras edificadas por Pedrossian e Puccinelli, quais seriam as restantes com a mesma importância e envergadura na capital e no Estado? Ambos se enquadram no perfil já citado.

FUTURO Nelsinho, Marcos e Fábio caminharão juntos ou cada qual cuidará de seu projeto no mesmo partido ou em siglas diferentes? Há mais suposições do que certezas levando-se em conta as possíveis alterações na lei que permitam novos partidos.

O EX-PREFEITO Nelsinho sabe da inconveniência de participar diretamente do pleito de 2016. Tem evitado falar sobre isso, mesmo porque estamos em plena fase de transição e um quadro partidário local sujeito as influências de Brasília.

O DEPUTADO Marquinhos pode deixar o PMDB; espera um novo partido que atenda as formalidades da legislação. Quer a prefeitura e nas pesquisas de consumo interno seria – hoje - o melhor nome para se contrapor a Rose Modesto.

FABIO TRAD Não vejo espaço para ele no quadro atual. Seu projeto é independente dos planos de Marquinhos. A advocacia é a melhor trincheira aguardando outra chance. Se sai, fica ou reconcilia com os dirigentes do PMDB só o tempo pode dizer.

MANDETTA Os indicativos são fortes: mergulhou no ninho tucano e se afasta estrategicamente dos seus primos e padrinhos políticos da família Trad. O deputado quer ocupar espaço na eleição da capital e também sonha com o Senado.

A PROPÓSITO Analisando o quadro percebe-se; o nível do Senado vai piorar. Tem gente incapaz de redigir um requerimento. Sorte da Simone. Aliás, o Ronaldo Caiado será grande nome da oposição, muito mais contundente do que Aécio.

SEM ILUSÕES O modelo brasileiro é incomparável: nem bem curamos a ressaca da última eleição e já temos outra chegando. Portanto, é inadmissível que um povo que tanto respira eleições não aprenda a escolher melhor seus representantes.

‘FAZ PARTE’ Antes o Diário Oficial era impresso, o universo político menor. Havia acompanhamento mais próximo das demissões e nomeações no início dos governos. Hoje é digital, nem todos se voltam para a ‘operação’ ora em andamento.

A RENOVAÇÃO de ideias é ótima, mas nem sempre ela é proporcional ao rodízio incrível no assento de muitas cadeiras de cargos de confiança. A escolha passa também pela gratidão de apoio, vínculos políticos e projetos futuros. Sabe como é...

AZAMBUJA está gostando do glamour do poder, não podia ser diferente. Quer disputar a reeleição e já cuida das eleições prefeiturais. Sabe, seu maior adversário é André e já começou a depredar sua imagem em ações e palavras na mídia.

‘PERA LÁ’...; Uma terceira via pode ganhar força, dependendo das circunstâncias e da administração de Azambuja. Lembro por exemplo que Zeca do PT tem sido muito competente politicamente antes mesmo de assumir o mandato na Câmara.

DUAS TACADAS Ao questionar a condição de ‘ficha limpa’ de Nelson Cintra para ocupar cargo no Governo e proibindo o PT de se unir ao PSDB, DEM e PPS na eleição da mesa Assembleia, Zeca mostra força, criando problemas para Reinaldo.

A PERGUNTA: André conseguirá se submergir por quanto tempo? Quem deixa o poder deve se acostumar ao anonimato, evitando polêmicas na mídia por falta de espaço compatível. Como eu sempre digo: o problema não é o poder. É depois dele!

BOLA DE CRISTAL Ninguém tem, inclusive Reinaldo. Equívocos e erros acontecem. Como medir a alma e o caráter de cada um dos escolhidos para esse ou aquele cargo? Tem gente com estampa, mas que não se coaduna com a administração pública.

É PRECISO – primeiro – se conscientizar de que o cargo é temporário, indicação de quem foi escolhido pelo povo. Portanto, precisa sim, tratar bem as pessoas, que na verdade de alguma forma colaboram com impostos que pagam seu salário.

BUROCRACIA é mais que o simples conjunto de regras no serviço público; é uma forma habitual de maquiar a arrogância, intimidando e afastando as pessoas. O Hélio Beltrão, de saudosa memória, bem que tentou, mas não acabou com essa praga.

SINAIS O deputado Geraldo Resende vira prefeito de Dourados? Controvertido, seu adversário maior é ele próprio. A nomeação de seu escudeiro Flávio Brito no Governo antecipa o apoio de Azambuja? Não garante, mas pode ser um bom começo.

DOURADOS é aquilo que já sabemos: um deserto de lideranças políticas compatíveis com o potencial da cidade e suas necessidades. Ela chegou ao patamar atual muito mais pelo mérito da iniciativa privada do que pela ação das forças políticas.

RAMÃO CABREIRA Mais um locutor que morre sonhando com o bom futebol. Seu coração não resistiu a tanto esforço para transformar desalento em alegria em nossos campos. Merece ser homenageado pelos poderes públicos. Vou cobrar!

“A gente só diz sim ou não no casamento, e às vezes erra”. ( Itamar Franco)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



Governar simplesmente para deixar a marca de quem governa, não representa anseio popular que pode ter outras prioridades, como por exemplo, um serviço público na área da saúde com qualidade, descentralizando o atendimento, note-se que 37 anos após a criação do estado, a vida do cidadão vem sendo empurrada com a barriga pelos políticos. Pedro Pedrossian foi excessão, e soube explorar com inteligência as obras por ele idealizadas, ainda de quebra, deixou a sua marca em dois estados. Ele anteviu o crescimento de Campo Grande, quando projetou o Parque dos Poderes, a meu ver, sua obra maior, concentrando os órgãos da administração pública estadual no mesmo conglomerado. Dificilmente surgirá outro governante com o mesmo carisma, até porque, os tempos são outros. Bene.
 
benedito rodrigues da costa em 17/01/2015 08:45:09
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions