A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


05/10/2012 10:15

Jus Sperniandi

Ampla Visão

‘JUS SPERNIANDI’ Diante das decisões do STF, os governistas insistem na teoria  da conspiração das elites, insinuando um conluio entre a oposição, imprensa e  judiciário.  Querem repetir aqui as regras da censura argentina e venezuelana.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

‘PERFIL ELEITORAL’ Valem hoje a visibilidade na mídia e o imediatismo. Não se leva em conta a trajetória, coerência e a própria história pessoal do candidato. Conta mais o discurso associado às imagens e o preparo de se esquivar.

CONIVÊNCIA Como pode um regime democrático conviver com a legislação eleitoral que já não atende aos reclamos compatíveis às necessidades atuais? Os governantes após a redemocratização não cuidaram disso, por medo e comodismo.

‘ENGRAÇADO’ A classe política, através do Congresso, e mesmo antes no período da Constituinte, priorizou assuntos irrelevantes. O mesmo ocorre até hoje nos Projetos de Emenda  a Constituição, buscando espécie de remédios imediatistas.

MEMÓRIA  Sarney sem clima/autoridade; Collor ignorou o diálogo com o Congresso e sucumbiu; Itamar priorizou a luta anti inflação. FHC foi a grande decepção e só mirou na reeleição. Lula governou com o Mensalão e ignorou as reformas.

O ELEITOR  Vem sendo insistentemente cobrado ao longo das eleições. Governo, partidos e instituições querem lhe dar através do exercício do voto, a responsabilidade para sanar todas as mazelas. É como se ele tivesse uma varinha mágica.

PERGUNTO: Mas os congressistas e os partidos políticos tem feito exatamente o que para aperfeiçoar o sistema eleitoral com a velha prometida reforma? Neste ponto, governistas e oposicionistas se confundem e convivem harmonicamente.

TRUNFO A instituição das tais Medidas Provisórias passou a ser considerada carta na manga do Governo. Aliás, ainda na oposição, os atuais governantes gritavam e protestavam quando FHC usava deste recurso para aprovar seus projetos.

MANOBRAS  Dirigentes partidários querem o mando, o passaporte das  vantagens. A questão do nível da representatividade da sigla, é irrelevante. Esses critérios inibem personagens ilustres, mas atraem figuras caricatas, despreparadas.

A MÍDIA  mostra candidatos ridículos/debochados em busca de um mandato. Caso os partidos se pautassem pela seriedade, adotariam outros critérios seletivos. Essa contaminação na base da ‘pirâmide’ é ruim, é muito próxima do eleitor.  

INSISTO:   É como exigir que o eleitor faça uma ‘vitamina’ dando-lhe frutas ruins. Nestas horas a democracia é mera ilusão.  Se os partidos  não priorizam bons nomes, o eleitor vota mais por indução, sem nenhuma ou pouca convicção. 

CAPITAL Nunca se viu campanha eleitoral tão pálida como essa. “Culpa das regras eleitorais” – diriam alguns. Calma lá! Não é bem assim. A responsabilidade maior deste quadro deve ser atribuída aos próprios candidatos e respectivos partidos.

MESMICE  Como empolgar se todos os postulantes batem naquelas teclas conhecidas, usando as velhas formulas? O último debate na TV mostrou isso. Continuação do morno horário eleitoral. A abordagem, repetitiva e direcionada.

O DEBATE  não proporcionou o fator convencimento ao eleitor. Ele teria aí a grande chance de analisar o preparo de cada um deles, comparando o conteúdo da exposição ao seu currículo como homem público. Conteúdo não é ‘oba oba midiática’.

 PESQUISAS  Mostram a polarização Bernal e Giroto. Até aqui Azambuja cresceu menos do que se projetou, enquanto  Vander tende a ‘nanicar de vez’. Os apoiamentos de Zeca, Delcídio, Lula e Dilma em nada valeram. Um desastre!

BLUMA Esperava mais dele. Egoista/vaidoso escondeu a companheira de chapa e fez ‘aquele’ discurso solo. Não explorou o rico filão do meio ambiente. Perdeu a chance de ser visto como candidato realmente alternativo. E vira Secretário?

SIDNEY-SUEL   Radicalismo utópico garantido pelos vencimentos pontuais que ambos recebem do poder público. Fora da realidade política e trazem  escondida a tatuagem do PT.  “Ides em paz e que o Senhor vos acompanhem”.

PROJEÇÕES  Dizem que  o segundo turno seria uma nova eleição. O retrovisor de  eleições em vários locais mostra a possibilidade de entendimentos, alianças e acordos entre derrotados e vencedores. É a famosa mesa de negociações.

CUIDADOS   Não deve faltar aos dirigentes partidários nestas costuras. Afinal o eleitor pode estar atento aos detalhes e se sentir no direito de votar segundo sua convicção pessoal, independentemente das tratativas de cúpulas/caciques.

BRASIL  Os cenários em várias capitais mostram que o fator Lula perdeu parte de sua luminosidade. Pode ser o início da exaustão  do PT -  envelhecido e desgastado pelo tempo e os escândalos na pauta de julgamentos do STF.

REFLEXOS  Não se pode generalizar as consequências deste pleito com as eleições de 2014. Em cada capital, em cada Estado uma realidade e projeções próprias. Mas em tese, prefeitos e vereadores, podem ser bons cabos eleitorais. Podem...

A SORTE está lançada. Perder ou ganhar! Mas o eleitor às vezes é guiado inconscientemente mais por sinais do que por propostas/ partidos. No fundo, entende que promessa é aceno de esperança. Foi assim com Collor...

“De uma vez por todas, é preciso que no Brasil, a lei valha para todos”. (R. Gurgel)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions