A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


16/05/2014 14:23

‘Plano de governo ou marketing eleitoral?’

Manoel Afonso

BERNAL Politicamente sua volta não interessa a todos os ex-aliados. Os tucanos, por exemplo, tomaram outro rumo; as declarações de Azambuja mostraram isso. Rocha é o líder de Olarte na Câmara e Rose tem peso forte na Secretaria de Educação.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

O PROJETO tucano não depende de Bernal, muito pelo contrário. O então prefeito não convidou Azambuja para compartilhar da administração. A opinião pública já faz outra leitura do quadro da capital e de seu eventual peso na sucessão estadual.

RADIOGRAFIA Se a gestão de Bernal foi um desastre, a cidade respira aliviada nestes meses com Olarte, como mostram pesquisas. Aliás, o ex-prefeito não teve uma equipe compatível com o perfil da capital, o que ajudou a provocar o caos.

DÚVIDAS: Qual o percentual do eleitorado que hoje repetiria o voto em Bernal? O leque de alianças havido naquele 2º turno se repetiria? Votou-se nele pelo seu perfil, propostas ou simplesmente pelo súbito desejo de mudança?

BUMERANGUE Os ‘apaixonados’ do Bernal que se cuidem com o eventual efeito bumerangue nestas eleições. A leitura da opinião pública é dinâmica. Ter Bernal no palanque poderá ser inconveniente eleitoralmente. Recomendo essa análise.

‘INTERESSANTE’ Após apoiar Bernal, Athayde de Freitas não foi prestigiado, fez críticas pesadas – rompeu - e defende ardorosamente Azambuja. Mas na outra ponta, a vereadora Luiza Ribeiro, de seu partido, ainda defende o ex-prefeito.

DELCÍDIO Cautelosamente tem reconstruído seu discurso com relação a atuação de Bernal na prefeitura. De forma sutil estabeleceu o marco divisório entre o apoio dado na eleição e a sua não participação naquela gestão - para evitar respingos.

DIFERENTES Vereadores do PT e deputados tem procurado tirar proveito do fato e aí defendem a volta de Bernal. Claro, evidente! Cada qual com seus interesses eleitorais localizados por força da participação deles sob as mais diferentes formas.

ESPERANDO Alguns dirigentes partidários tem preferido não falar do assunto para evitar desgastes com possíveis contradições. A preocupação hoje é com a escolha de aliados, candidatos a vice governador, senador e suplente.

ENTRAVE O PR de Londres caminha em direção a Delcídio, mas um grande inconveniente resiste: os deputados petistas não querem a coligação na proporcional com medo de perder duas vagas na Assembleia Legislativa.

DESAFIOS Coligação é via de mão dupla: custos e benefícios. Quando se fala nesta ou naquela possibilidade de partidos caminharem juntos, não se pode desprezar vários aspectos que envolvem esse casamento. Nisso Londres é catedrático.

‘SAIA JUSTA’ O prefeito Douglas (PSDB) de Anastácio, presidente da Assomassul assumira a candidatura de Delcídio. Agora com Azambuja no páreo ele terá que rever conceitos e opiniões. Em política nem sempre o que parece é.

BOM ALUNO O médico Ricardo Ayashe (Cassems) assimilou rápido o jogo e já usa jargões conhecidos com a imprensa. Ao defender o PT - o pré-candidato ao senado - lembrou o ‘inconformismo da classe dominante’. Quem diria hein!

O QUADRO Até onde essa posição adotada pelo governador André vai influenciar no resultado das urnas? Melhor perguntando: quem acabará beneficiado? Aliás, será muito interessante ver André pedindo votos para sua fada madrinha Dilma.

NA CARONA Murilo aproveita como propaganda institucional a matéria da revista ‘Veja’ onde Dourados aparece como a 2ª melhor cidade do país para se trabalhar. Mas o desafio agora é transformar isso em dividendos eleitorais neste pleito.

ESTRATÉGIA O fator econômico nem sempre equivale a força política. Dourados é bem isso; partidos e lideranças dispersos ainda sob o efeito do episódio Artuzi. Mas Murilo costura essa inserção nas eleições estaduais através de seu PSB.

É POSSÍVEL que Azambuja, Delcídio e Nelsinho busquem o candidato a vice em Dourados. Não é garantia de vitória, mas passa imagem de candidatura abrangente, ligada a uma região populosa e economicamente muito ativa.

CRITÉRIOS Pelo visto eles mudaram na composição de chapas, principalmente de vice governador e suplente de senado: há tendência pelos nomes de evangélicos. Pera-lá: política e religião não se misturam ou eles nunca estiveram separados?

PROJETO Espera-se que os candidatos ao governo não atribuam aos marqueteiros seu plano de governo, que não deve e nem pode ser confundido com a mera publicidade do horário eleitoral. Não vale copiar propostas de candidatos de outros Estados.

MEMÓRIA Numa recente campanha o marqueteiro atendia a vários candidatos ao Governo. Por praticidade repassava aos Estados as mesmas vinhetas, bordões e listas de promessas previsíveis. Só trocava o nome dos candidatos e partidos.

DETALHES Proposta tem que ter identidade com o a realidade socioeconômica e muito a haver com o perfil do próprio candidato. Quem souber convencer de que tem o melhor produto a oferecer acabará levando a eleição. Escreva isso!

BOLSA FAMÍLIA Ouço opiniões diversas sobre seu peso eleitoral. Se a tese da gratidão e medo de perde-la vigorar, o PT reelege Dilma. Mas como fica o restante do universo do Brasil, que produz, paga impostos e sustenta esse Governo?

O melhor plano de governo é não atrapalhar quem produz”. (Barão de Mauá)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



Eu apostaria em Azambuja, já que Nelsinho não empolga (morno) e Delcídio é do PT (alto índice de rejeição após a administração de Zeca do PT).
O Bernal foi eleito pelo voto de protesto.
Pode ocorrer o mesmo com Azambuja.
O tempo vai dizer.
 
Juliano Maciel em 22/05/2014 09:43:50
Muito bom.
 
roberto wolf em 21/05/2014 10:27:23
Muito bom sem vai e vem, e mostra a estratégia de Azambuja, no rumo certo e saindo na frente com rapidez que o momento exige.
 
roberto wolf em 21/05/2014 10:26:40
PROJETOS - PLANOS DE GOVERNO - MARKETING - CANDIDATURAS - As reuniões tendem a acelerar o ritmo da campanha eleitoral, até porque as candidaturas ao cargo de governador já estão devidamente colocadas e conhecidas pela população, faltando apenas a definição dos vices que deverão ser definidas pelas legendas que deverão compor as respectivas coligações, assim como os nomes dos suplentes de senador. As propostas a serem apresentadas pelos candidatos, deverão conter de maneira clara e objetiva, seus projetos para o desenvolvimento do estado, levando-se em consideração o índice populacional e eleitoral de cada região, sem contudo descuidar dos eleitores da capital onde se concentra 1/3 dos eleitores do estado. A população tem consciência do peso que representa e passa a ser mais exigente.
 
benedito rodrigues da costa em 17/05/2014 09:11:21
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions