A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


28/03/2014 13:55

'Ratos, políticos & prisão"

Manoel Afonso

MUITO OU POUCO? A opinião pública tem parâmetros próprios de valores para aferir os casos ‘sub-judice’. Pesquisas mostram o descompasso entre o que pensa os cidadãos e a dosagem da pena contida nas respectivas sentenças judiciais.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

EXEMPLO é o processo envolvendo os Mensaleiros, onde vários fatores convergiram em benefícios aos ‘ilustres’ réus. Pairou no ar da sociedade o sentimento de indignação ao ‘se revelar’ o tempo irrisório de efetiva’ prisão fechada’ deles.

PRIVILÉGIOS Não faltam na lei. De portadores dos tais diplomas de curso superior a governantes e congressistas. Dois casos escabrosos onde se confunde dignidade com presunção de inocência com endereços certos e exclusivos.

A PROPÓSITO A condenação (10 anos, 4 meses, 5 dias) recente daquele secretário corrupto em Chapadão do Sul mostra a eficiência da justiça local em dar a curto prazo uma resposta satisfatória que era tão aguardada pela comunidade.

A PROXIMIDADE e a agilidade na apuração dos fatos, ampliando a investigação ou impedindo a destruição de provas (em Chapadão ), é o modelo ideal, mas temido pelos ‘medalhões’ que usam do cargo e mandato como escudo imoral.

COMPARANDO: Se a decisão de Chapadão inibe pretensos candidatos a ‘ratoagem’ , o foro privilegiado colocou os mensaleiros em posição elevada aos demais cidadãos, negando o princípio do público e da igualdade entre as pessoas.

PREVISÃO Se o congresso atual é pior que o anterior, a próxima legislatura deverá ser desastrosa. Anote: 18% dos eleitores pretendem votar em branco ou anular o voto. Essa inércia, somada aos eleitores ‘bolsistas’ dará vitória a situação.

MOTIVAÇÃO Essa apatia do eleitorado consciente ajuda o Governo. Os 15 milhões de famílias do Bolsa Família, garantem minimamente 30 milhões de votos motivados pelos benefícios, decisivos nestas eleições. Essa matemática é simples.

EFEITO CASCATA O nível dos congressistas é apenas a extensão do que se vê nas câmaras e assembleias. Vereadores e deputados medíocres sonhando com a ascensão ( maiores poderes e vantagens) que podem desaguar no pálido Congresso.

‘SAUDADES’ Esse Congresso não é nem sombra dos tempos de Montoro, Brossard, Ulysses e outros. Quem diria! Até o Simon foi contaminado sob risco de manchar sua biografia . Ora! Ao perder a coragem e indignação deveria ter ficado em casa.

UTOPIA Platão sugeria que os políticos não necessitavam possuir absolutamente nada, além da vocação prazerosa de servir de forma útil. Pelo visto essa filosofia era puritana demais para nossos padrões optantes da aética ‘lei da vantagem’.

SUCESSÃO -1 Mais dúvidas do que certeza se esse caso da Petrobras pode derrubar o favoritismo de Dilma. A expectativa fica por conta do ‘fator Copa’ e da inflação que corroeu o poder de compra. Mas como não estamos na Ucrânia...

SUCESSÃO-2 Quem será quem no time de André? Nos corredores do poder ouve-se hipóteses diferentes e até conflitantes. Os políticos da chamada base governista tem reclamado desta indefinição que abre espaço para a oposição.

SIMONE Mais uma semana de prontidão. Impressiona sua naturalidade na aceitação da missão que lhe for atribuída por André. Seu potencial ultrapassa a questão partidária pelo currículo, DNA político, e boa penetração no eleitorado feminino.

REINALDO Disputa o Senado ao lado de Delcídio apesar da posição do PSDB no caso Petrobras ou ainda concorre ao Governo como terceira via? Tenho ouvido relatos e hipóteses interessantes que serão definidas até esse fatal dia 5.

NELSINHO Um tanto quanto tímido para a condição de ex-prefeito da capital, mesmo após o ‘desastre Bernal’. Precisa arrebanhar os partidos aliados ao PMDB e recuperar o espaço no interior do Estado, por onde Delcídio caminha há tempos.

DELCÍDIO A pessoalidade substitui o velho discurso do PT para atrair eleitores e lideranças de outros partidos. Caminha em faixa própria com acenos e afagos de quem planeja um governo de coalizão, sem o temido ranço partidário (PT).

LONDRES Revendo a aposentadoria por conta dos pedidos de companheiros? Paulo Correia acha ele imprescindível na AL, mas há chances dele ser suplente de senador, candidato a vice governador ou mesmo chefe da Casa Civil.

DUAS GUERRAS Neste pleito teremos a campanha tradicional e na internet com o facebook, twitter e instagram. Os partidos se preparando com equipes em treinamento inclusive para fisgar principalmente o jovem eleitor antenado.

VANTAGENS O frequentador das mídias sociais é o tipo do eleitor livre de qualquer compromisso de ordem partidária. O seu voto não fruto de barganha e ele acaba até influenciando pessoas da família e do seu círculo de relacionamento.

PERGUNTO: Quantos jovens votarão pela primeira vez neste ano? Quantos deles precisarão estar motivados para não votar em branco ou anular o voto? Os políticos espertos já detectaram esse importante filão de votos a custo zero.

VOTO CARO Os candidatos querem fugir dele. No interior principalmente ainda existe uma faixa de eleitores viciados em fazer do voto um bom negócio. O pior: são infiéis, fazem essa promessa de venda para vários compradores.

O castigo dos bons que desprezam a política é ser governados pelos maus”. (Platão)

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



PRIVILEGIOS - Ladrão é ladrão em qualquer situação; o que acontece é que os espertos há muitos anos procuram a qualquer custo obter um passaporte para a impunidade, e, o meio mais fácil é adquirir um mandato de representação popular; existem políticos lá pelas bandas do planalto com vários processos em andamento mas que nunca serão julgados, vão morrer sem nunca terem sido presos. É por isso que gastam fortunas em uma campanha eleitoral, dinheiro que suas remunerações em todo o mandato não serão recuperados; a hipocrisia da imprensa também ajuda esses delinquentes de colarinho branco, pois continuam tratando os ladrões do dinheiro do povo por excelência. Se os tratassem por ladrões, que é o termo apropriado, talvez a justiça fosse mais célere.
 
benedito rodrigues da costa em 29/03/2014 03:54:20
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions