A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016


  • Ampla Visão
  • Ampla Visão

    com Manoel Afonso


19/06/2015 15:23

Simone – o nome do PMDB na capital?

Manoel Afonso

ATACAR! A guerra eleitoral – felizmente para nós da mídia – já começou com uma antecipação jamais vista. Na capital e nas principais cidades do Estado o assunto supera o desempenho da nossa seleção na Copa América. É o prato do dia e do ano.

Veja Mais
Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
Pizzas, os políticos não abrem mão delas

PESQUISAS Conversei com o Lauredi Sandim (IPEMS) e ele observou: elas geram expectativas, produzem informações, projetam cenários e possibilidades mas não tem o poder de prever o futuro, ainda que auxiliem a definir seus rumos.

E MAIS... “Parte do eleitorado vota pelas informações do cenário eleitoral e conversas com amigos e parentes. Outra parte vota no candidato mais bem colocado ou contra o postulante mais rejeitado. O candidato sempre vale mais que a ideologia”.

CAPITAL Com base nas pesquisas que Lauredi efetuou para ‘consumo interno’ de partidos e grupos, dos nomes colocados, Marquinhos é o favorito ( 36%) e com menor rejeição. Ainda pelos números, o PT sangra, estagnado na faixa dos 10%.

BASTIDORES Com a saída de Fábio, Marcos e Nelson Trad, o PMDB começará a trabalhar com outros nomes. A cúpula vem agindo com a discrição máxima e na lista dos portadores de musculatura política Simone é aquele de maior destaque.

VEJAMOS:Tem tradição e bom trânsito no PMDB, ex-deputada estadual, tem mais 8 anos no Senado, experiência positiva como administradora de Três Lagoas e ainda foi vice governadora no último mandato de Puccinelli. Um currículo notável.

AS ELEIÇÕES se diferenciam, mas lembro: no pleito ao senado Simone obteve na capital 209.557 votos ( 52,68%), contra 120.474 votos (29,13%) de Bernal, 58.852 votos (14,23%) de Ayache e 22.179 votos (5,36%) de Antonio João.

SIMONE daria tempero novo no quadro. Mulher com vivência na órbita política sem desgastes pelo cargo de vice-governadora e pelo fato de não ter sido vítima da fadiga eleitoral que pode ter contaminado várias lideranças do PMDB.

O EXERCÍCIO da especulação é natural no jornalismo político. Outros nomes de peso podem aparecer em outros partidos inclusive, mas no PMDB Simone daria sequência ao núcleo ‘wilsista’ – sem risco de ficar sem mandato no senado.

ACEITAR ou não o projeto dependeria do desempenho de seu nome nas pesquisas e das garantias oferecidas pelo grupo liderado por André. A tendência é que Simone recuse inicialmente, mas com chances de ceder. Afinal, Simone é política nata.

A JANELA Tirada a tramela pela Câmara Federal, Marcos Trad viabilizará sua candidatura por outro partido. O PSD é o mais provável. Vale lembrar: essa mudança não terá efeito sobre o cálculo do tempo de TV e do Fundo Partidário.

MUDANÇAS de peso. Nesta última quinta feira o ex-prefeito de Corumbá, Ruiter de Oliveira desfilou-se do PT e deve ir para o PSDB. Em Dourados o ex-deputado Marçal Filho, deixa o PMDB rumo ao PSDB, que sai fortalecido do episódio.
RUITER era o 1º suplente do PT na Assembleia Legislativa, tendo obtido 18.502 votos., dos quais 12.995 em Corumbá ( 26,70% dos 48.666 votos válidos). No seu manifesto de despedida disse: “não é bom se sentir um estranho no ninho”.

MARÇAL Em 2014 obteve 14.809 votos (14,33%) em Dourados numa eleição de 103.360 votos válidos. Só perdeu para Geraldo Resende com 28.337 votos (27,42%). É possível que 2016 , num outro cenário, ele tenha a chance da revanche.

EMBLEMÁTICAS as situações idênticas de Ruiter e Marçal levando-se em conta os seus perfis e a importância eleitoral das duas cidades em nosso contexto. É inegável que o desempenho deles no pleito de 2014 não deixa de ser um bom indicativo.

INSISTO: As eleições majoritárias municipais tem ingredientes muito diferentes das proporcionais. O eleitor vê os candidatos com outros olhos, levando em consideração vários aspectos na avaliação deles e mesmo na comparação entre todos eles.

NA TELINHA No último programa nacional do PR, suas lideranças exageram no auto-elogio. A ironia: o senador Blairo Maggi está deixando o PR dizendo que não dá para ficar num partido presidido por um ex-presidiário - Valdemar Costa Neto.

INTOCÁVEL Não será fácil tomar de assalto a fortaleza do PTB no MS. É que o Roberto Jefferson trata Ivan Louzada como irmão. Um dado revela essa fraternidade: dos 90 integrantes do diretório nacional do PTB, 30 são de MS. É mole?

A PROPÓSITO O médico Ricardo Ayache vem se articulando para viabilizar a candidatura a prefeito da capital, sem ficar refém do PT, estigmatizado nas pesquisas. Tenho ouvido muito trololó a respeito, mas até aqui ele não saiu do lugar.

CANDIDATA Nesta altura do campeonato é impossível tirar coelho da cartola. Reinaldo sabe disso. Seria correr riscos sem necessidade. O fato de Rose não aparecer com destaque nas pesquisas não o preocupa. Ela é o nome tucano da vez.

VIGILÂNCIA Para Zé Teixeira e Barbozinha, não só Governo deve ficar de olho nos preços do óleo diesel. O consumidor deverá exigir o repasse nos preços pela redução da alíquota do ICMS. Um teste de 6 meses cumprindo promessa de campanha.

RUY CASTRO : “... no tempo em que o PT vendia adesivos e camisetas, seus líderes vinham da fabrica. Hoje vem das estatais e bancos. A caracu com ovo, tomada com a barriga no balcão, foi substituída pelo Romané-Conti em caves climatizadas...”

Onde fica a esquerda? Vire a direita, dobre a direita e siga a direita até o fim.

Corporativismo político sem limites, segue a avacalhação
DESAFIO Se o presidente Michel Temer (PMDB) não vetar, caso o Senado aprove o projeto bizarro da Câmara, o país irá culpá-lo e perderá o apoio das ru...
Pizzas, os políticos não abrem mão delas
NÁUFRAGO Culpando a TV Globo e o juiz federal Sergio Moro, o ex-deputado Antonio Carlos Biffi (PT) tentou no saguão da Assembleia Legislativa justifi...
Invasores das escolas, a nova aposta do PT
LUZ AMARELA Os casos do Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro, com as finanças em colapso, estão sendo considerados pelo governador de Mato Grosso do Su...
Junior Mochi, ponto de equilíbrio na Assembleia
NOSTRADAMUS Não tenho seu dom, mas prevejo: o país de 2018 será outro. As delações premiadas da Odebrecht e Andrade Gutierrez cairão como meteorito n...



A nossa capital já respira política há algum tempo, a sucessão municipal tem provocado reuniões e mais reuniões, os nomes mais cotados dentro dos partidos políticos já chegaram aos ouvidos do eleitorado, como observador eu diria que nunca um mandato de prefeito passou tão rápido, e também, foi o mais tumultuado. A troca de partidos por parte dos postulantes sinaliza suas ambições pelo cargo. Logo a seguir, vem os dois municípios com maior potencial eleitoral: Dourados e Corumbá, onde duas lideranças deixaram seus partidos, e, aguardam sinal verde para nova filiação com a consequente candidatura. Tudo vai depender das articulações a serem desenvolvidas; Marçal Filho em dourados e Ruiter Cunha em Corumbá, são lideranças de peso e tem tudo para decidir. Benê.
 
benedito rodrigues da costa em 20/06/2015 09:50:55
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions