A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

16/12/2015 07:37

“Terra de Antônio João” é erro histórico no brasão do município

Para historiadores, vinculação do tenente morto na Guerra do Paraguai com a cidade de Dourados ocorreu primeiro pela confusão com o local da sua morte, a Colônia Militar dos Dourados

Helio de Freitas, de Dourados
“Terra de Antônio João” é erro histórico no brasão do município
Busto de Antônio João, na praça que leva seu nome; morte ocorreu antes do surgimento do povoado (Foto: Eliel Oliveira)Busto de Antônio João, na praça que leva seu nome; morte ocorreu antes do surgimento do povoado (Foto: Eliel Oliveira)
Brasão com a frase “Terra de Antonio João” (Foto: Reprodução)Brasão com a frase “Terra de Antonio João” (Foto: Reprodução)

A frase “Terra de Antônio João”, que faz parte do brasão oficial do município de Dourados, é um erro histórico, segundo os estudiosos da história da segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul, que no dia 20 de dezembro comemora 80 anos de emancipação.

Veja Mais
Chamada de Portal do Mercosul, 2ª cidade de MS comemora oito décadas
Após duas décadas de abandono, prédio do Clube Social será concluído

Para alguns historiadores, que defendem inclusive a mudança do brasão para a retirada da frase, o tenente Antônio João Ribeiro nunca pisou nas terras onde mais tarde surgiria o povoado e depois a cidade de Dourados. Nascido em Poconé (MT) em 24 de novembro de 1823, morreu no dia 29 de dezembro de 1864, então comandante da Colônia Militar dos Dourados, na região do município de Antônio João, a quase 200 km de Dourados.

“A frase ‘Terra de Antônio João’ existente no brasão do município de Dourados é fruto de inserir um personagem da história do Brasil como partícipe da construção do município de Dourados. A vinculação que se fez ao longo do tempo do Tenente Antônio João com a cidade de Dourados tem por primeiro a confusão do nome do local onde faleceu – Colônia Militar dos Dourados situada na nascente do Rio Dourados – com o município de Dourados e por segundo pelo fato de que autoridades á época da elaboração da Lei que criou o brasão, imbuídos da vontade de criar um herói, inseriram o nome do militar como cidadão douradense”, diz trecho da dissertação de conclusão do curso de história de Rozemar Mattos Souza e Karen Fernanda Gewher Cassol.

“A finalidade do nosso artigo foi mostrar que Dourados e o Tenente Antonio João não têm nenhuma vinculação histórica, que ele nunca esteve em solo douradense e provocar um debate com a sociedade para que seja feita a devida correção no brasão douradense, retirando a frase ‘Terra de Antônio João’”, afirmou Rozemar, que é de família de pioneiros e autor do livro "Dourados: Seus pioneiros, sua história", lançado em 2003.

Confusão de nomes – Conforme o estudo de Rozemar Mattos, a frase “Terra de Antônio João”, inserida na ostentação do Brasão do município de Dourados em 1970 por força de lei, constitui-se em mais um episódio de vinculação da figura do herói com a cidade de Dourados.

“A figura do tenente Antônio João Ribeiro vem sendo ao longo do tempo vinculada à história da cidade de Dourados, motivado pelo fato de o tenente ter tombado ao lado da nascente do Rio Dourados, na Colônia Militar dos Dourados, efetivando assim uma confusão de dados”, afirma Rozemar.

Erro antigo – Segundo o estudo, a confusão entre a cidade de Dourados, nascente do Rio Dourados e a Colônia Militar dos Dourados vem de muito tempo, extrapolando as conversas informais sobre a história da região e passando a figurar em livros, um deles, “Fronteiras Guaranis”.

No capítulo XII, ao tratar do município de Dourados, o autor José de Melo e Silva escreveu: [...] A origem de seu nome e sua história assentam em fatos de muita profundeza, cívica e moral. Em seu solo o intrépido alferes Antonio João ofereceu-se em holocausto à pátria invadida pelo estrangeiro em guerra. Com ele tombaram também, imolados ao mesmo sentimento de defesa do território nacional, seus inolvidáveis companheiros. E como o palco desta cena de heroísmo foram às cabeceiras do Dourados, vem daí o nome imortal dessa terra cheia de esperança”.

Conforme o historiador douradense, o texto foi escrito em 1939, após visita do autor ao então nascente município de Dourados, e de início afirma que o local de tombamento de Antonio João foi o hoje município de Dourados e nas linhas finais coloca que a cena de morte do tenente foi à cabeceira do Dourados, surgindo daí o nome da cidade de Dourados.

“O autor não esclarece se cabeceiras do Dourados é somente a nascente do rio Dourados ou se está se referindo à Colônia Militar dos Dourados. A afirmativa de que Antonio João tenha tombado em solo do município de Dourados não encontra respaldo legal, vez que em 1864 o atual município de Dourados não era povoado e tampouco existia denominação legal referindo-se a esta região”, afirma Rozemar Mattos.

A região onde foi instalada a Colônia Militar dos Dourados em 1861 pertencia ao município de Miranda, com o nome inicial de Vila de Miranda, criada em 30 de maio de 1857. A colônia foi criada pelo Decreto nº 1754, de 26 de Abril de 1856. Antônio João foi designado para comandar o Destacamento Militar da Colônia dos Dourados em 17 de fevereiro de 1862.

Antonio João Ribeiro nasceu em 24 de novembro de 1825, na Vila de Poconé, Província de Mato Grosso. Era filho de Manoel Ribeiro de Brito e Rita de Campos Maciel.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions