A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

18/02/2014 14:37

“Delícias” da terra entram em incubadora para virar negócio

Aline dos Santos
Pão de jatobá vai migrar de assentamentos para a cidade. (Foto: Marcos Ermínio)Pão de jatobá vai migrar de assentamentos para a cidade. (Foto: Marcos Ermínio)

Pão de jatobá, brigadeiro de bocaiuva, produtos apícolas, mandioca, conservas, biscoitos regionais. As delícias produzidas na zona rural de Campo Grande vão chegar à cidade e virar negócio.

Veja Mais
Gastos caem até 80% para empresas nas incubadoras de Campo Grande
Edital de processos seletivos para Incubadora Tecnológica segue aberto

“Já produzíamos nos assentamentos, mas queremos fazer algo diferente do que está no mercado”, conta Rosa Maria da Silva, da Broto Frutos. Ela e mulheres dos assentamentos Estrela e Três Barras resolveram aproveitar o frutos do Cerrado para dar sabor regional a salgados e doces.

Nesta terça-feira, na Incubadora Municipal Norman Edward Hanson, no bairro Santa Emília, os responsáveis por seis empreendimentos firmaram parceria com a Prefeitura. Rosa Maria já fez curso de higiene e manipulação de alimentos e, agora, espera as aulas de informática e gerenciamento.

Por 30 meses, a Broto Frutos terá uma sala na incubadora. O desejo é ver os produtos em alguma rede de supermercados. “Vamos aprender a gerenciar, lidar com as burocracias, ir para o mercado com competitividade”, diz Rosa Maria.

“A incubadora é uma galinha que choca, cuida dos pintinhos e só solta quando estiverem prontos, sabendo se alimentar e caminharem com as próprias pernas”, compara Ivo Buzato, representante da Uniderp/Anhanguera, parceira na iniciativa voltada aos microempreendedores.

Diretor-presidente da Funsat (Fundação Social do Trabalho), Aldo Euripedes Donizete, afirmou que para 2014 será ofertado R$ 1,2 milhão em microcrédito. “No ano passado, foram quase R$ 700 mil. Em 2012, foram R$ 130 mil”.

 

Desejo de Rosa é ver produtos em supermercados. (Foto: Marcos Ermínio)Desejo de Rosa é ver produtos em supermercados. (Foto: Marcos Ermínio)

De acordo com a titular da Sedesc (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Turismo e do Agronegócio), Dharleng Campos de Oliveira, o poder público oferece estrutura, salas equipadas, capacitação, treinamento e acompanhamento. Por mês, o projeto “incubado” paga R$ 120.

Conforme a secretária, seis representantes de empresas assinaram a parceria hoje, mas, ao todo, são dez que ingressam na encubadora.

O sistema de incubação funciona de três formas: pré-incubação, quando o empreendimento recebe apoio para elaboração do plano de negócio, por um período de até três meses; incubação residente, quando o empreendimento ou empresa fica instalado em uma sala da incubadora por um período de até 30 meses; e incubação à distância, quando a empresa fica instalada em prédio próprio, mas recebe assessoria por até 30 meses.




Parabén as empreendedoras e a Sedesc pelo apoio e incentivo. Que voces empresárias, tenham como princípio e código de honra, manter a qualidade dos produtos que irão produzir e dos serviços que irão prestar. Sejam sempre honestas e dignas. O Sucesso será garantido.
 
Elza Souza em 19/02/2014 11:16:33
Sensacional! :)
 
Alexandra Rocha em 18/02/2014 15:06:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions