A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 24 de Setembro de 2016

19/01/2015 14:46

"Porto pode voltar a operar amanhã", diz empresário ao governador

Liana Feitosa e Luciana Brazil
De acordo com Chaim, ação judicial afastou investidores do porto. (Foto: Marcelo Calazans)De acordo com Chaim, ação judicial afastou investidores do porto. (Foto: Marcelo Calazans)

"É possível fazer o porto fluvial de Porto Murtinho voltar a funcionar amanhã", garante o empresário Michel Chaim, presidente do grupo responsável pela zona portuária do município que fica a 431 km de Campo Grande. A afirmação foi feita após reunião com o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), na manhã desta segunda-feira (19).

Veja Mais
Com capacidade para 500 mil t, governo estuda reativar porto de MS
Greve dos bancários chega ao 19º dia com 144 agências sem atendimento

Dos 100 hectares de área total, 4% pertence ao Estado e, o restante, pertence ao grupo que administra o porto. Segundo Chaim, atualmente o local conta com 20 funcionários, que trabalham apenas para manter o local aberto, mas as operações estão suspensas. A ação civil pública, que desde 2004 questiona concessões de licitação, afastou os investidores e criou um ambiente de insegurança entre os empresários.

O porto está aparelhado para o serviço o poderia voltar a operar amanhã, garantiu Chaim. "Não há nada que o impeça de funcionar", garante Chaim, que representa a companhia Cinco & Bacia, do setor de transporte fluvial. Ele classificou a conversa com Azambuja, que durou cerca de duas horas, de "muito positiva".

Desafios - De acordo com Chaim, a ação judicial causou um ambiente negativo, afastando os investidores. Por isso, apesar de o local estar em perfeito estado para desempenhar atividades, foram gerados entraves no negócio.

Um dos obstáculos, além da questão judicial que causou um ambiente negativo, classificado como "insegurança política" por Chaim, o regime especial devido à Lei Kandir também gera dificuldades.

Isso porque, para que o empresário exporte com isenção de ICMS (Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação), ele precisa comercializar, no Estado, a mesma quantidade que exporta.

No entanto, a reativação do porto traria vários benefícios econômicos ao Estado. Só para manter o local pronto para o funcionamento, o grupo Cinco & Bacia gasta U$ 35 mil por mês, mesmo o porto não sendo usado.

Economia - Atualmente, uma carga de 1 tonelada custa R$ 200 para ser levada de Porto Murtinho até o porto de Paranaguá. De Paranaguá, a carga ainda é encaminhada para a Argentina.

Se o porto estivesse em uso, o preço ao investidor seria de R$ 100 para levar 1 tonelada e iria direto para a Argentina ou para o Uruguai, sem precisar passar por Paranaguá, aumentando a margem de lucro do empresário local.

"O rio é uma estrada que quanto mais se usa, melhor fica", explica Chaim. Com o aumento do escoamento via transporte fluvial, o fluxo de veículos nas estradas diminui, reduzindo o número de acidentes e preservando a malha asfáltica.

Ainda segundo Chaim, para que isso seja possível, o governador se dispôs a fazer o melhor pela logística e a, também, prestigiar os investidores, dando segurança política.

Volume - O porto tem a capacidade de escoar 500 mil toneladas por ano de grãos. Nos primeiros cinco anos de funcionamento movimentou 400 mil toneladas de produtos diversos, como cimento, açúcar, soja e fertilizantes. Entretanto, para o empresário, o local pode atender até 2 milhões de toneladas por ano, o que seria possível caso existissem cilos de armazenamento de produtos.

"Existem grupos interessados na utilização do porto, grupos que já sinalizaram interesse em utilizar o porto. Inclusive, um grupo chinês do setor agrícola, que trabalha com milho, sinalizou que pretende escoar 80% de sua produção pelo porto", finaliza Chaim.

FCO amplia acesso para empresas que faturam até R$ 16 milhões por ano
Foi aprovado nesta semana pelo Ceif (Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis) do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste) ...
Dólar comercial fecha a semana em queda e cotado a R$ 3,24
Após duas altas seguidas do dólar comercial durante a semana, a moeda norte-americana fechou nesta sexta-feira (23) cotado a R$ 3,247 na venda e com ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions