A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

21/02/2014 11:35

André diz que estados irão “reverter” decisão sobre vendas pela internet

Leonardo Rocha
Governador diz que estados vão reverter decisão sobre vendas na internet, já que em casos semelhantes obtiveram vitória (Foto: Marcos Ermínio)Governador diz que estados vão reverter decisão sobre vendas na internet, já que em casos semelhantes obtiveram vitória (Foto: Marcos Ermínio)

O governador André Puccinelli (PMDB) afirmou hoje (21), durante vistoria de obras de habitação na Capital, que os estados irão “reverter” a decisão no ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Luiz Fux, que derrubou a autorização para cobrança de ICMS nas vendas pela internet no “destino”.

Veja Mais
MS tem prejuízo de R$ 265 milhões com liminar sobre venda pela internet
Governo impõe nova regra à Caixa, mas financiamentos com FGTS continuam

“Todas estas brigas na justiça, são embates entre São Paulo e os demais estados do país, já que eles querem ficar com 100% do ICMS nas vendas pela internet, por estarem na origem, mas acredito que vamos conseguir reverter esta decisão”, afirmou ele.

André lembrou que em outro caso semelhante, envolvendo compra de casos que eram feitos direto da fábrica, em São Paulo, houve a mesma indefinição, porém foi resolvido que a cobrança de ICMS seria 50% da origem (local da fábrica) e 50% do destino (estados).

O ministro Luiz Fux decidiu em liminar que nas vendas pela internet será cobrado o imposto 100% apenas na origem e não dividido em (50 a 50) como é feito hoje em dia. A decisão (judicial) derruba a autorização dos estados que estava descrita no protocolo 21 do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária).

Caso não haja “reversão” nesta situação, o estado de Mato Grosso do Sul pode perder R$ 265 milhões em 2014. O secretário estadual de Fazenda, Jader Julianelli, afirmou que já passou o caso para PGE (Procuradoria Geral do Estado) que vai analisar se esta liminar incide em nossa legislação estadual.

Decisão – Esta liminar concedida por Fux irá seguir para o plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) onde será apreciada por todos os ministros do Tribunal, que irão resolver se mantém ou derrubam a proposta.

Esta decisão do ministro do STF seguiu os argumentos da Confederação Nacional do Comércio (CNC), que havia ingressado com uma ação direta de inconstitucionalidade contra esta prática.

O argumento utilizado é que deve se analisar se os estados podem diante de um “cenário desfavorável”, instituir regras de cobranças de ICMS.

O protocolo 21 do Confaz foi assinado por 17 estados, além do Distrito Federal, que tinham como argumento os prejuízos no e-commerce pelo número reduzido de indústrias que usam a internet para a comercialização de produtos.




Vamos traduzir.

Vc compra algo pela internet por um preço bom e barato e daí o GOVERNO DO SEU ESTADO quer TRIBUTAR VC, porque vc ta´FERRANDO A ECONOMIA DO ESTADO.

E aí o que vocês acham desse "PREJUÍZO QUE VOCÊ CONSUMIDOR" está causando a esse estado que não tem dinheiro pra nada?

SÓ PODE SER PIADA NÉ. SE compra fora do Brasil querem tributar se compra fora do estado querem ICMS.
 
Cyro chan em 21/02/2014 12:18:56
sobre esse assunto o estado a que se destina o produto não deve ficar com nada, pois nada fez para que o consumidor adquirisse o produto no estado em que mora, dizem isso por não oferecer condição ao consumidor de compra onde mora, e criam esse impasse sem nexo para morder o dinheiro alheio.
 
Rosana Assis em 21/02/2014 12:11:09
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions