A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016

28/08/2014 10:05

Ano atípico faz venda de cimento diminuir e preços também têm redução

Luciana Brazil
O principal item para realização de obras, cimento, vive queda nos preços com baixa na construção civil. (Foto: Marcelo Victor)O principal item para realização de obras, cimento, vive queda nos preços com baixa na construção civil. (Foto: Marcelo Victor)

Além da Copa do Mundo, realizada em junho no Brasil, a situação econômica do país e a proximidade com as eleições fizeram a construção civil em Campo Grande enfrentar um cenário atípico neste ano. No segundo semestre, quando as vendas de insumos deveriam estar aquecidas, o setor vive queda na comercialização de produtos. O cimento, item essencial para as obras, sofreu com o recuo das vendas. Com pouca procura, os preços caíram. Um saco de 60 quilos ficou entre R$ 0,50 e R$ 1,00 mais barato, diferença que, em uma obra têm impacto e que, segundo os comerciantes, para eles têm mais ainda.

Veja Mais
Bancários completam 21 dias em greve sem previsão para voltar ao trabalho
Paralisação dos bancários completa 20 dias sem previsão de término

"O cimento é o item entre os materiais de construção que menos dá lucro. Então, uma pequena diminuição para o cliente é bem significativa para o comércio", disse o gerente da loja Alvorada, Roson Zitei. Lá, o saco de cimento era vendido a R$ 24,90 até julho. Com o fim do Mundial de Futebol, o preço caiu para R$ 24,50.

Segundo ele, a queda nas vendas foi generalizada e refletiu em todos os materiais. O desaquecimento é fruto da economia do país, acredita o gerente. “No mês da Copa as vendas caíram, mas em julho ainda vendemos. Neste mês de agosto a queda foi muito grande aqui na cidade. As pessoas não querem investir em função da economia do país, ainda mais agora, perto da eleição, querem ver como vai ficar a situação”, opinou ele.

 

Em outra loja, o Depósito Real, um saco de cimento com 50 quilos era vendido por R$ 27,00. Conforme o proprietário da loja, Henrique Telji Costa, logo depois da Copa do Mundo, com a baixa nas vendas, o mesmo saco passou a ser comercializado a R$ 26,00, R$ 1,00 a menos. "Pode ser pouco para o cliente, mas para nós é muito dinheiro. O cimento é como o cigarro para o boteco, não dá lucro nenhum e sem ele não vendemos o resto", disse Henrique.

De acordo com o presidente do Sintracom (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias, da Construção, do Mobiliário de Campo Grande), José Abelha, em julho, depois do Mundial de Futebol, o mercado de construções ainda refletia bons negócios, mas o setor já demonstrava que os meses seguintes não seriam fáceis. Com a chegada das eleições, a situação não deve ser diferente, acredita ele. “Geralmente em setembro, próximo do fim do ano, as reformas e construções aumentam e o setor fica aquecido, mas desta vez será diferente e já está sendo”, explicou ele.

Abelha disse ainda que no fim do ano o setor contrata, aproximadamente, 10% a mais de trabalhadores para a construção na Capital por causa do aquecimento do setor. No entanto, ele lembra que esse ano o enredo será outro. Muitos empreendimentos, segundo ele, já foram entregues antes da Copa e fez a venda de insumos cair desde então, já que as construções se limitaram àquelas que estavam prontas.

A organização não governamental, Cimento. Org, divulgou no mês passado em seu site que, com o recuo da construção civil, as cimenteiras deverão diminuir o ritmo de produção. Por ano, são produzidas 86 milhões de toneladas de cimento no país. O setor esperava expansão de 35 milhões de toneladas para este ano, mas já começa a rever as estimativas de crescimento.

Apesar da situação atual, novas fábricas e unidades de cimenteiras começaram a surgir, fruto ainda da bonança do mercado. Mas, segundo a organização Cimento. Org, ao chegarem na hora errada, essas unidades devem pressionar os preços para baixo, já que a oferta subiu e a demanda não. Ainda conforme a entidade, a construção civil é responsável por 75% do cimento consumido no país.

Pesquisa divulgada pelo site da revista Exame, mostra que as vendas do varejo de material de construção cresceram 22% em julho, em comparação com junho, o que confirma a melhora signifivicativa aós a Copa do Mundo. No entanto, em relação ao mesmo período de 2013, o crescimento representou apenas 5%.

As vendas apresentaram retração de 3,5% no acumulado do ano, ainda de acordo com o levantamento. "Junho foi o pior mês dos últimos anos para o nosso setor, mas foi só a Copa do Mundo acabar para o mercado começar a reagir", disse o presidente da Anamaco (Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção), Cláudio Conz para a reportagem da Exame.

Pelo restante do país, conforme a Exame, alguns lojistas acreditavam no melhor desempenho das vendas em agosto, no entanto, isso não aconteceu em Campo Grande.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions