A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 24 de Setembro de 2016

24/11/2014 15:54

Apesar de incomum, protesto da dívida ativa tem base legal em lei

Priscilla Peres
Secretário diz que procedimento é lento, mas dentro da lei. (Foto: Marcelo Calazans)Secretário diz que procedimento é lento, mas dentro da lei. (Foto: Marcelo Calazans)

A prefeitura de Campo Grande buscou respaldo em uma lei aprovada em 2012 para aumentar a arrecadação e conseguir arcar com os gastos mensais, por meio do protesto em cartório de empresas inscritas na dívida ativa. A lei federal 9.492/97 torna legal a execução da dívida apesar de o recurso ser pouco utilizado pelo poder público.

Veja Mais
Greve dos bancários chega ao 19º dia com 144 agências sem atendimento
FCO amplia acesso para empresas que faturam até R$ 16 milhões por ano

Na semana passada, a prefeitura publicou o decreto n.° 12.494 em que permite que seja feita a cobrança extrajudicial das dívidas, como forma de contribuir para "o controle e a eficiência da arrecadação dos créditos de natureza tributária e não tributária".

De acordo com o advogado André Borges, antes de 2012 havia muita discussão em torno do tema que julgavam a ação como um exagero do poder pública, porém em 2012 houve uma pacificação e a lei nº 12.767, acrescentou o parágrafo único no artigo 1° da lei nº 9.492 /1997, em que inclui os títulos sujeitos a protesto as certidões de dívida ativa da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios e das respectivas autarquias e fundações públicas.

"É uma novidade protestar essas dívidas, em 25 anos de profissão eu nunca vi o poder público tomar essa atitude. Mas ela não é inconstitucional, está totalmente dentro da lei", explica o advogado André Borges. Ele lembra que a operação de protesto em cartório é eficiente e gera pouco ou nenhum custo a quem executa.

De acordo com o secretário de Receita, Ricardo Vieira Dias, o método é o mais fácil de recebimento, pois a cobrança extrajudicial não tem custo para a prefeitura e benefícios para o cartório que o faz. O que evidencia que o prefeito Gilmar Olarte (PP) tem adotado medidas para aumentar a receita do município e sair da crise em que está.

Após a publicação do decreto que autoriza a cobrança, agora a prefeitura faz estudos para levantar a quantia de empresários com débitos econômicos e em breve irá publicar o convênio com cartórios. "É um processo lento, estamos cumprindo etapa por etapa", diz o secretário de Receita.

FCO amplia acesso para empresas que faturam até R$ 16 milhões por ano
Foi aprovado nesta semana pelo Ceif (Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis) do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste) ...
Dólar comercial fecha a semana em queda e cotado a R$ 3,24
Após duas altas seguidas do dólar comercial durante a semana, a moeda norte-americana fechou nesta sexta-feira (23) cotado a R$ 3,247 na venda e com ...
Desemprego desacelara, e MS cria mais 1.077 vagas de trabalho em agosto
Mato Grosso do Sul abriu 1.077 empregos formais a mais no mês de agosto -equivalentes ao acréscimo de 0,21% -, em relação ao estoque de assalariados ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions