A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

20/03/2014 10:52

Após ficar parada por 2 anos, indústria vai produzir 1,1 milhão de tablets

Edivaldo Bitencourt e Kleber Clajus
Prefeito, secretários e empresários lançam fábrica de tablets na Capital (Foto: Cleber Gellio)Prefeito, secretários e empresários lançam fábrica de tablets na Capital (Foto: Cleber Gellio)

A primeira indústria do grupo educacional Uninter em Campo Grande deverá gerar até 450 empregos diretos e produzir 1,1 milhão de tablets por ano. A expectativa é que a obra da empresa, que ficou parada por dois anos e “mofou” na gestão de um ano e dois meses de Alcides Bernal (PP), fique pronta em oito meses e tenha investimento de R$ 150 milhões.

Veja Mais
Gilmar anuncia fábrica de tablet de R$ 150 milhões para a Capital
Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25

Durante o relançamento da fábrica de tablets, no Pólo Empresarial Oeste, na saída para Aquidauana, o diretor executivo do Grupo Uninter, Edmilson Picler, contou que os dirigentes vieram em cinco ocasiões a Campo Grande para falar com o prefeito, mas não foram recebidos em nenhuma ocasião por Bernal.

Eles precisavam da formalização da doação do terreno, um dos incentivos previstos para a atração de indústrias pelo município, para garantir o financiamento de R$ 56 milhões do FCO (Fundo Constitucional do Centro-Oeste) e iniciar as obras. No entanto, o prefeito cassado não recebeu o grupo nem liberou o terreno.

Uma semana após a posse do prefeito Gilmar Olarte (PP), o processo deu prosseguimento na Sedesc (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico) e a Câmara Municipal vota hoje a doação do terreno.

Planta da nova indústria foi apresentado nesta quinta-feira (Foto: Cleber Gellio)Planta da nova indústria foi apresentado nesta quinta-feira (Foto: Cleber Gellio)
Executivo do Grupo Uninter diz que tentou audiência com Bernal em cinco ocasiões, mas perdeu a viagem (Foto: Cleber Gellio)Executivo do Grupo Uninter diz que tentou audiência com Bernal em cinco ocasiões, mas perdeu a viagem (Foto: Cleber Gellio)

Picler explicou a fábrica deve ser concluída em oito meses. Inicialmente, a indústria vai empregar 300 pessoas, sendo 80% de técnicos. Na plenitude do projeto, serão gerados 450 empregos diretos.

“Estamos contentes em investir e contribuir com a industrialização de Mato Grosso do Sul”, afirmou o executivo do grupo, que também oferece cursos de graduação e pós presenciais e à distância na Capital.

Agora, segundo o titular da Sedesc, Edil Albuquerque, o próximo desafio é qualificar a mão de obra para atender a demanda da nova indústria. Ele acredita que haverá um saldo no desenvolvimento da Capital. O secretário até aposta na criação de um novo nicho na área industrial, que contemplará os setores de tecnologia e mecatrônica.

O prefeito Gilmar Olarte (PP) disse que já determinou a realização de estudos para atrair empresas do setor moveleiro e destravar a Cidade do Ônibus, projeto que terá investimento de aproximadamente R$ 50 milhões. Atualmente, 120 projetos estão em tramitação na Sedesc.

Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Cotado a R$ 3,256 na venda, após dois dias seguidos de baixa, o dólar comercial fechou esta quinta-feira (29) com alta de 1,05%. Com isso, a moeda no...
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas, sendo que 13% não terão condições de pagar suas contas. O índice medido pelo IPF/MS (Instituto de Pesqu...
MS vai receber missão técnica do Chile em frigoríficos de carne bovina
Inspeções federais de outros país no Brasil pode abrir novos mercados para exportação. Chile, Cuba e Bolívia já tem data marcada para suas missões e ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions