A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

22/08/2016 18:03

Capital ostenta lojas modernas, mas centrão está ultrapassado, diz consultor

Anny Malagolini
Rua 14 de Julho, principal endereço do varejo na Capital (Foto: Marcos Ermínio)Rua 14 de Julho, principal endereço do varejo na Capital (Foto: Marcos Ermínio)

Ainda há quem sustente que Campo Grande é uma Capital com cara de interior, mas para o consultor de negócios Claudio Forner (ex-conselheiro de Roberto Justus no reality show Aprendiz 5), a cidade ostenta lojas muito modernas em algumas regiões, que ele compara às do comércio da Rua Oscar Freire, uma das mais luxuosas de São Paulo. Um ponto de otimismo para o setor varejista da Capital, que tem sofrido com a crise econômica.

Veja Mais
MS vai receber missão técnica do Chile em frigoríficos de carne bovina
Gol lança ofertas semanais de passagens aéreas

Especialista no varejo moderno, Claudio Forner, que está na Capital, avaliou a situação do setor em Campo Grande, que vem apresentando queda mês a mês. E para levantar o comércio local, a primeira recomendação dele é a modernização, o que tem acontecido na Avenida Afonso Pena, por exemplo. Mas segundo ele, a rua 14 de Julho é principal exemplo de que o cenário está ultrapassado.

“Ali se encontra os dois lados. Há lojas revitalizadas, modernas, de padrão nacional e internacional. E tem loja que parou no século passado. Tem varejo na Afonso Pena que se tirar daqui e colocar na Oscar Freire, não precisa mudar nada. Compete com cidade com mais de 3 milhões de habitantes”, garantiu”.

Prédios modernos, mas que acabam sendo 'pulverizados' pelo contraste, de acordo com Claúdio, é recorrente na Capital sul-mato-grossense. “Uma casa pinta ao lado de uma casa não pintada, é assim que parece”, comparou. Mas além da vitrine, iluminação, e todo visual, o especialista disse que é preciso que o comerciante faça uma pergunta: “O que está esperando daquele ponto?".

E aconselhou: “Não é só uma questão física, mas também de tecnologia. Do dado, da informação de como se ler o cliente. Quem faz isso está crescendo absurdamente, e não obstante a crise. E quem não está fazendo isso, está perdendo muito e jura que é por causa da crise, mas não. Quem não tem se modernizado está ficando para trás”, avisou.

 

 

Claudio Forner, ex-conselheiro de Roberto Justus no Aprendiz 5 O Sócio. (Foto: Reprodução/Facebook)Claudio Forner, ex-conselheiro de Roberto Justus no Aprendiz 5 O Sócio. (Foto: Reprodução/Facebook)

Segundo ele, a mudança tem que começar na postura do empreendedor, o que vai muito além das vitrines. “Mentalidade tem que ser outra, senão, ele mesmo vai ser substituído. Tem que viajar, se preparar, colher ideias”.

Ele também acrescentou que o comportamento do cliente mudou, assim como o cenário comercial com a entrada de redes nacionais, o que poderia estar implicando na queda do setor na Capital. “O empreendedor não se preparou para a chegada da concorrência, achou que estaria escondido, mas agora ele tem. E se o negócio não estiver satisfazendo o cliente, com outra opção, ele certamente vai migrar. Ele não tem fidelidade. O perfil do comprador mudou”. E concluiu: “Estar em sintonia com o varejo moderno nada mais é resgatar a essência pelo o a ele abriu o próprio negócio, que um dia já foi bom”.

Projeto - Para mudar a situação, a prefeitura da Capital tentar emplacar o projeto “Reviva o Centro”, de revitalização da área central, que está no papel há anos. Entre 2011 e 2012, a administração da época impôs aos comerciantes a retirada de fachadas, letreiros, luminosos, toldos e marquises para um novo padrão, mas ainda parece estar distante do ideal. Enquanto isso, a informação é de o município espera o empréstimo de US$ 56 milhões do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), para então dar início a reforma da área central.

MS vai receber missão técnica do Chile em frigoríficos de carne bovina
Inspeções federais de outros país no Brasil pode abrir novos mercados para exportação. Chile, Cuba e Bolívia já tem data marcada para suas missões e ...
Gol lança ofertas semanais de passagens aéreas
Para atrair novos passageiros e fidelizar seus clientes, as companhias aéreas garantem preços e condições de pagamento especiais. Cada empresa define...
Mais de 6 mil consumidores saíram da lista de inadimplentes em agosto
Em agosto, 6.144 contribuintes de Campo Grande saíram do cadastro de inadimplentes. O número é 38,5% maior que o de julho, quando 4,4 mil pessoas rec...
Prefeitos vão a Brasília para cobrar liberação de R$ 13 mi em recursos
O repasse do FEX (Fundo de Auxílio aos Estados e Municípios Exportadores) ainda não foi feito em 2016 pelo Governo Federal e as prefeituras de Mato G...



O padrão central caiu pela qualidade dos lojistas: não afeitos à modernidade. Também a depredação pelo então prefeito Nelson Trad Filho, depenando as fachadas das lojas. O projeto Reviva Centro dificilmente entrará em prática, pela incapacidade da administração pública, tacanha, sem iniciativa e criatividade. Esses quase R$ 150 milhões evaporarão.
 
Cleider de Souza Costa em 22/08/2016 20:03:23
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions