A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016

12/08/2014 15:04

Cliente ganha R$15 mil de indenização por receber carro diferente do que comprou

Marta Ferreira

Uma concessionária de Campo Grande foi condenada pela Justiça a pagar de R$ 15.000,00 em indenização por danos morais a uma cliente, por ter entregue um veículo diferente do que foi comprado. Os nomes não foram divulgados pelo Tribunal de Justiça.

Segundo o processo, a cliente adquiriu carro na concessionária pelo valor de R$ 35.240,00 à vista, com diversos itens e acessórios. O pagamento, conforme o processo, ocorreu no dia 27 de abril de 2012 e a entrega foi prometida para o dia seguinte, mas o carro só foi entregue no dia 8 de maio de 2012 e, “apenas semelhante ao escolhido”.

Veja Mais
Bancários completam 21 dias em greve sem previsão para voltar ao trabalho
Paralisação dos bancários completa 20 dias sem previsão de término

A autora da ação argumentou à Justiça que pediu a devolução do dinheiro, mas a resposta foi negativa e a empresa alegou que houve um erro do fabricante. Foi pedido um prazo para a instalação dos itens que faltavam e, novamente, passado esse período, o problema continuou, pois não foram colocados todos os acessórios solicitados.

De acordo com a cliente, os demais itens foram instalados mais tarde, porém, em razão da má qualidade, o carro apresentou problemas que não foram solucionados tanto pela concessionária quanto pela fábrica, até que se obrigou a vender o veículo e adquirir outro.

A concessionária alegou que não houve ato ilícito, uma vez que a cliente aceitou receber o carro. Sustentou, ainda, ainda que a autora da ação não pagou pelos itens adicionais que alega ter direito.

No primeiro grau, a fábrica de automóveis argumentou que não é parte legítima para figurar na ação e, quanto ao motivo principal argumentou que a autora não teria escolhido os itens supostamente faltantes e que concordou em receber o veículo como veio de fábrica.

O pedido da fabricante foi acatado. O entendimento do juiz César de Oliveira Jr foi de que a encomenda do veículo foi feita pela concessionária, de modo que não é razoável que a fábrica tenha que ser responsabilizada, pois apenas encaminhou a compra nos termos do pedido elaborado.

A decisão – Ao analisar o pedido da cliente, o juiz entendeu que, “no presente caso, ocorreu a publicidade enganosa, porquanto, de qualquer modo, a ré induziu em erro o consumidor a respeito das características e propriedades do produto, já que a autora aceitou ter comprado um produto e foi entregue outro”.

Para o magistrado, que a concessionária não tem razão ao dizer que compradora aceitou o carro da forma que recebeu, pois indicaria concordância com o produto, o que de fato não ocorreu, já que ela solicitou a devolução do dinheiro quando verificou que o carro era diferente e não foi atendida pela concessionária.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions