A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

07/03/2014 18:40

Com alta de preços da alface e tomate, fazer feira fica até 14% mais caro

Zana Zaidan e Mariana Lopes
Vilão do ano passado, preço do tomate voltou a subir em fevereiro (Foto: Cleber Gellio)Vilão do ano passado, preço do tomate voltou a subir em fevereiro (Foto: Cleber Gellio)

O campo-grandense começou o ano pagando mais caro por frutas e verduras nos supermercados. Em fevereiro, laranja, alface e tomate foram os responsáveis pelo encarecimento da cesta básica, conforme pesquisa divulgada hoje (7) pela Semac (Secretaria Estadual de Planejamento).

Segundo a análise, as chuvas de verão e quedas na produtividade prejudicaram a safra dos produtos de hortifruti, o que ocasionou o reajuste. 

A laranja foi o produto que registrou maior alta em fevereiro. Com valorização de 14,93%, hoje o consumidor paga, em média, R$ 22,08 por 12 quilos (quantidade levantada pela pesquisa) da fruta nos supermercados na Capital. Os preços apresentam tendência de alta desde o mês passado - em janeiro, a laranja também foi o produto com maior variação da cesta básica. 

O tomate, que, com o preço nas alturas sumiu do cardápio de muita gente em 2013, voltou a ficar mais caro em fevereiro, depois de uma redução expressiva em janeiro. A quantidade de 4,9 quilos foi vendida, em média, por R$ 14,75, valor 9,10% maior que no mês anterior. 

A gerente do supermercado Ki Frutas, na Vila Glória, confirma que o tomate passou por reajuste momentâneo no final de fevereiro. Erika Roseane explica que o preço final para o consumidor se manteve na casa dos R$ 7,50 o quilo por uma semana. "Em seguida, baixou cerca de R$ 1, e passou para R$ 6,50", acrescenta.

A estudante Gisele Ribeiro, 33 anos, por outro lado, lembra ter pago no máximo R$ 5, e afirma que o preço chegou a assustar somente o ano passado, quando chegou a comprar tomate por R$ 9. "Varia muito de mercado para mercado e conforme a época do ano. Mas caro mesmo, foi o preço do ano passado", opina. 

Apesar de o custo nas gôndolas não chegar perto do pico de 2013, a dona de casa Marly Oshiro, 39 anos, mantém as estratégias praticadas pelo consumidor para driblar o reajuste. "Está compensando mais comprar em feira do que no supermercado, é sempre mais barato. Também substituí o tomate normal pelo cereja, compro por R$ 3 reais a bandeja e dura uma semana", conta. 

Veja Mais
Governo impõe nova regra à Caixa, mas financiamentos com FGTS continuam
Pequena central hidrelétrica de MS receberá R$ 140 mi em investimentos

Cesta básica - Além da laranja e do tomate, alface (2,10%), feijão (1,37%), macarrão (0,49%) e carne (0,30%) ficaram mais caros. Registraram queda de preços batata (4,15%), açúcar (3,18%), banana (2,37%), leite (0,43%) e óleo (0,36%). Margarina, pão francês, sal e arroz mantiveram os preços inalterados nas gôndolas. 

Para adquirir a cesta em fevereiro, o consumidor gastou R$ 293,76, alta de 1,6% em relação à janeiro. O acumulado nos últimos 12 meses assinala variação de 0,78%, e, nos últimos seis meses, de 4,60%. 

A Semac pesquisa semanalmente o preço de 15 produtos 26 estabelecimentos (inclusive dois supermercados, um açougue, uma panificadora e duas peixarias) em seis regiões de Campo Grande. 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions