A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016

26/02/2016 09:02

Com compra de fertilizantes, Bungue pode movimentar 300 mil t em MS

Caroline Maldonado
Na fronteira com o Paraguai, porto foi reativado em outubro de 2015, após mais de uma década fechado (Foto: Divulgação/Semade)Na fronteira com o Paraguai, porto foi reativado em outubro de 2015, após mais de uma década fechado (Foto: Divulgação/Semade)

Os fertilizantes que a Bunge pretende importar, por meio do porto de Porto Murtinho, virão da Argentina e o negócio pode movimentar até 300 mil toneladas, por ano, na expectativa da APPM (Agência Portuária de Porto Murtinho). A importação começa em março em um esquema de logística casada, no qual o país vizinho vai comprar soja da companhia, que é a terceira maior exportadora do Brasil e a primeira no agronegócio.

Veja Mais
Bunge aumenta processamento de soja e vai importar por porto de MS
Após cinco anos, porto será reativado para desafogar logística do estado

Instalada no Núcleo Industrial de Dourados, a indústria concentrará o maior volume de produtos transportados pelo porto, que, após mais de uma década fechado, foi reaberto em outubro do ano passado, a fim de desafogar logística do Estado. Após ampliação, o grupo vai aumentar em 30% a capacidade de esmagamento de soja na unidade, alcançando 700 mil toneladas, por ano. 

Segundo o diretor da APPM (Agência Portuária de Porto Murtinho), Michel Chaim, de início, serão importadas quatro mil toneladas de fertilizantes pelo porto, que fica na fronteira com o Paraguai. 

“A Bunge está buscando uma alternativa de logística. É um volume experimental, que dá expectativa de ampliação para 300 mil toneladas, por ano. A empresa é uma das maiores do mundo. Os mercados que vão trazer fertilizante vão levar soja. Além da Argentina, eles vão utilizar a hidrovia para negócios com qualquer parte do mundo”, detalhou o Chaim.

A assessoria da Bungue não confirmou as informações e nem detalhou o plano de importação pelo porto. No entanto, em audiência com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), no início deste mês, o vice-presidente da companhia, o ex-ministro Martus Tavares, comentou que recebeu do Governo do Estado o pedido para avaliar também a possibilidade de exportação pelo terminal hidroviário.

Conforme o diretor da APPM, atualmente o porto de Porto Murtinho exporta soja e açúcar. A maior parte dos produtos que passam pelo terminal vão para o Uruguai, para onde são exportadas 60 mil toneladas de açúcar, por ano.

Além da Bunge, outras indústrias estão buscando operar pela hidrovia. “O porto é a porta de entrada do país. Outras empresas como a ADM também pensam em usar o terminal”, comentou Chaim. A ADM trabalha com alimentos, bebidas e forragem animal para mercados em todo o mundo.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions