A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016

13/08/2014 11:02

Cotação do trigo e crise na Argentina pressionam preço do pão francês

Luciana Brazil
Pão francês pode ficar mais caro se farinha continuar a subir. (Fotos: Marcos Ermínio)Pão francês pode ficar mais caro se farinha continuar a subir. (Fotos: Marcos Ermínio)

O pão francês já está mais caro em alguns estabelecimentos de Campo Grande, em razão da alta do preço do trigo, nos últimos meses. Parte dos comerciantes na Capital ainda não repassou o acréscimo ao consumidor. Mas até quando o valor do quilo ficará estável nesses locais dependerá do comportamento da economia e, em especial, da Argentina, país de onde o Brasil mais importa a farinha, segundo o presidente do Sindepan (Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria do Estado de Mato Grosso do Sul), Marcelo Barbosa. A baixa qualidade da matéria-prima nacional obriga os estabelecimentos a recorrerem ao produto importado.

Veja Mais
Governo veta uso do FGTS para financiamento do Minha Casa, Minha Vida
Com menor preço médio do país, litro da gasolina é vendido por R$ 3,09

A cotação do dólar, as exportações da Argentina, além da economia brasileira, influenciam no preço da farinha importada. No entanto, é difícil afirmar se o valor permanecerá em alta, já que o mercado pode mudar, como avaliou Marcelo. “O preço da farinha vem subindo, mas pode ser que volte ao que estava e o preço do pão não subirá. Depende da economia”.

Antes, a saca da farinha de 50 quilos era adquirida por R$ 99,00 ou R$100,00. Na compra em grande escala a mesma saca saía por até R$ 90,00. Hoje, com os preços mais salgados, a mesma quantidade custa entre R$ 110,00 e R$ 115,00. “Se for comprar uma farinha importada, mas de baixa qualidade, onde eles misturam com a farinha importada o produto nacional, dá para comprar uma saca por até R$ 105,00”, explicou o presidente do Sidepan. É possível fazer até 1.100 pães com uma saca de 50 quilos.

Para manter os clientes e, consequentemente os lucros, parte dos estabelecimentos não repassou o ajuste da farinha ao consumidor. “Cada um (comércio) vai apertando a margem, segurando ao máximo, para não afastar os clientes, até mesmo por causa da concorrência. os comerciantes tentam segurar até onde dá”.

Mas em alguns lugares o reajuste já foi feito, como na conveniência Pão e Tal, na Euclides da Cunha. O quilo do pão, vendido a R$ 11,90, agora custa R$ 12,90, acréscimo de R$ 1,00.

Farinha deixa o pão mais caro em alguns locais de Campo Grande.Farinha deixa o pão mais caro em alguns locais de Campo Grande.

Na padaria e conveniência Giocondo, a estratégia foi subir o preço dos salgados e manter o do pão. Lá, o quilo do pãozinho é vendido por R$ 7,99. Segundo a caixa Adriana Araújo, 35 anos, o último aumento foi de R$ 1,00, saindo de R$ 6,99 para R$ 7,99. “Não teve como não aumentar. Deixamos o pão e subimos o preço do salgado”, explicou ela.

Uma opção para os consumidores são os supermercados, onde o quilo do pão é mais barato do que nas padarias. “Lá, além de comprar em grande quantidade, otimizando o preço da saca da farinha, eles ganham também em outros produtos e assim, o pão fica mais barato”, disse o representante comercial Angelo Ribeiro, 62 anos.

No Comper Jardim dos Estados o quilo do francês está sendo vendido a R$ 7,69, o mais barato encontrado pela reportagem do Campo Grande News.

"Além da farinha, a manteiga também subiu. Tudo está mais caro, mas aqui ainda não repassamos esse preço aos clientes", disse o proprietário da padaria Dico, na Avenida Mato Grosso.

O pão francês está diariamente na mesa do brasileiros e para a enfermeira Gisele Nantes, 37 anos, é impossível ficar sem. "Todo dia de manhã, além de comer o pão, gosto do ritual de ir bem cedinho na padaria para comprar. O pão francês é muito bom", disse.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions