A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

08/11/2016 14:50

Crise no setor de transporte fechou 200 empresas de MS em três anos

Priscilla Peres
Em 2015, setor fez uma greve longa pedindo melhorias para a categoria. (Foto: Arquivo Campo Grande News)Em 2015, setor fez uma greve longa pedindo melhorias para a categoria. (Foto: Arquivo Campo Grande News)

Nos últimos três anos, cerca de 200 empresas de transporte de cargas fecharam as portas em Mato Grosso do Sul. O número é alto e expõem uma crise no setor, que afeta não só os empresários e seus funcionários, mas toda a população. "Se o transporte de cargas está em baixo é porque a economia não vai bem", afirma o presidente do Setlog/MS (Sindicato das empresas de transporte de cargas), Cláudio Cavol.

Veja Mais
Receita Federal libera consulta ao último lote de restituições do IR 2016
Depois do boom, momento é propício para quem quer comprar imóveis

Nem o próprio presidente do sindicato conseguiu se livrar da crise econômica. Sua empresa, a Três Américas Transportes, uma das maiores do Estado, está há mais de um ano em recuperação judicial. Com dívidas milionárias e que englobam fornecedores, bancos e funcionários, a empresa teve a recuperação concedida no fim do mês passado.

No documento enviado à Justiça, a empresa alega que o cenário formado em volta do setor de transporte nos últimos anos foi "massacrante" para os empresários. No processo que tramita na Vara de Falências de Campo Grande, que há quase dez anos o governo federal liberou crédito por meio do BNDES para compra de caminhões, com boas condições de pagamento.

Diante da situação, muitas empresas fizeram dívidas, o que resultou no aumento da frota e queda no preço, criando uma grande crise. A criação da lei de controle de jornada de motoristas e aumento nos preços do combustível, pedágio e carga tributária, contribuíram para a situação atual.

Claudio Cavol não quis comentar sobre a situação de sua empresa, alegando que o assunto é antigo e tem pouca importância para o mercado. Porém, como presidente do sindicato, admitiu que o setor enfrenta problemas e busca soluções para reduzir os gastos, como a flexibilização da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).

"A questão trabalhista onera o empresário", afirma Cavol, que foi hoje à Brasília para defender uma nova legislação de contrato de empresário. Para ele a questão não é tirar direitos, mas contratar trabalhadores sem o que ele chama de burocracia imposta pela CLT, principalmente pelos altos custos.

Trabalho - O problema do setor, que gera 10 mil empregos diretos e 30 mil indiretos no Estado, com as leis trabalhistas são alarmantes. Dados do TRT-MS (Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso do Sul), mostram que no ano passado, o setor de transporte foi responsável por 6% do total de ações trabalhistas em MS.

Só no ano passado, das 35.690 ações trabalhistas 2.080 foram contra empresas de transporte. Isso significa média de 173 ações/mês, ou ainda 8 ações contra a categoria por dia útil.

Para o sindicato, a flexibilização da CLT pode resolver esse problema. Ao mesmo tempo em que tira a responsabilidade do funcionário da empresa, Claudio Cavol afirma que aumentaria as contratações. "O empresário não contrata atualmente, por que não pode lidar com o custo".

O assunto será tema de palestra hoje, em Campo Grande, com o Juiz Federal do Trabalho Marlos Melek. O evento acontece no auditório da OAB, na avenida Mato Grosso, 4700, a partir das 19h.

Receita Federal libera consulta ao último lote de restituições do IR 2016
A Receita Federal abriu nesta quinta-feira (8) consulta ao sétimo e último lote de restituições do Imposto de Renda 2016. A previsão é que os valores...
Quase 900 empresas renegociam dívida de clientes até o dia 21
Consumidores campo-grandenses que têm dívidas com empresas, podem renegociar com condições especiais até o próximo dia 21. Quase 900 lojas participam...
Prefeituras de MS recebem R$ 56 milhões hoje do 1% do fundo de participação
Mato Grosso do Sul recebe hoje R$ 56 milhões, referente a 1% do FPM (Fundo de Participação dos Municípios). O montante será depositado nas contas das...



Quero registrar minha decepção com o nosso Governador que esqueceu de suas promessas de campanha onde enfatizava que iria desonerar todos os setores produtivos da alta carga tributária, no tocante as empresas de transporte os combustíveis tem um impacto expressivo, e o imposto do nosso Estado é alarmante. Os compromissos de campanha devem ser cobrados pelos contribuintes, pois a maioria se esquecem daquilo que foi o atrativo para eleger seu representante. Para o novo Prefeito tomarei um novo procedimento, já salvei no computador o seu plano de governo e serei critico ferrenho caso o mesmo desvie de suas promessas, chega de politicagem queremos seriedade na administração pública.
 
jose luiz de brito em 09/11/2016 08:17:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions