A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

21/08/2015 17:22

Demissão surpreende e MS bate recorde ao fechar 2.068 vagas

Renata Volpe Haddad
Indústria de transformação demitiu 1.877 funcionários em julho deste ano. (Foto: Portal 3Lagoas/Divulgação)Indústria de transformação demitiu 1.877 funcionários em julho deste ano. (Foto: Portal 3Lagoas/Divulgação)

Mato Grosso do Sul apresentou o pior desempenho em geração de emprego desde 2003 e 2.068 vagas com carteira assinada foram fechadas em julho deste ano. Isso representa redução de 0,40% em relação ao estoque de assalariados em junho, segundo o Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgado hoje.

Veja Mais
Brasil deve perder 1 milhão de postos de trabalho em 2015, prevê estudo
Com onda de demissões na indústria, saldo de empregos é o pior desde 2006

A indústria de transformação foi o setor que mais demitiu, desligando 1.877 funcionários. Já o setor de serviços, deligou 372 trabalhadores no mês passado, seguido do comércio com 292 demissões e construção civil, que demitiu 189 pessoas.

Nos últimos 12 meses, o Estado perdeu 8.497 vagas de trabalho, declínio de 1,61% no nível de emprego, conforme o Caged. Em julho, o setor que mais contratou foi o agropecuário, com 665 contratações, administração pública e extrativa mineral, que gerou apenas duas vagas cada segmento.

Dos municípios, Campo Grande foi o que mais demitiu, registrando 1.060 vagas eliminadas, seguido de Paranaíba, com 453. Dourados registrou 381 empregos a menos e Três Lagoas, 244.

Trabalhador do ramo da construção civil, não imaginava que seria demitido. (Foto: Fernando Antunes)Trabalhador do ramo da construção civil, não imaginava que seria demitido. (Foto: Fernando Antunes)
Yasmin procura emprego há seis meses em Campo Grande em vários setores, mas até agora sem sucesso. (Foto: Fernando Antunes)Yasmin procura emprego há seis meses em Campo Grande em vários setores, mas até agora sem sucesso. (Foto: Fernando Antunes)

O trabalhador do ramo da construção civil, Tomaz Riquelme, 48, não esperava ser demitido do emprego. Ele foi dispensado em julho, após sete meses de carteira assinada. "Foi uma surpresa, agora vou acionar o seguro desemprego e ver outro segmento", afirma.

Há seis meses em Campo Grande, a jovem Yasmin Moreno Picorelli da Silva, 20, procura emprego desde que chegou na Capital, mas até agora, sem sucesso. "Procurei em todas as áreas, como administração pública, comércio, setor de serviços, mas até agora não consegui nada", informa.

 

Brasil deve perder 1 milhão de postos de trabalho em 2015, prevê estudo
Com 345 mil postos formais de trabalho extintos nos seis primeiros meses do ano, a economia brasileira deve acelerar a diminuição de empregos no segu...
Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Cotado a R$ 3,256 na venda, após dois dias seguidos de baixa, o dólar comercial fechou esta quinta-feira (29) com alta de 1,05%. Com isso, a moeda no...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions