A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

26/03/2015 10:50

Deputados e comerciantes fazem parceria para reduzir custos

Caroline Maldonado
Comerciantes querem conhecer e opinar em todos os projetos que impactam no setor, antes que sejam aprovados na Assembleia Legislativa (Foto: Caroline Maldonado)Comerciantes querem conhecer e opinar em todos os projetos que impactam no setor, antes que sejam aprovados na Assembleia Legislativa (Foto: Caroline Maldonado)

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Júnior Mochi (PMDB), se reuniu hoje (26) com empresários para discutir um termo de cooperação. Os comerciantes querem conhecer e opinar em todos os projetos que impactam o setor, antes que sejam aprovados. Durante a reunião, na sede da ACICG (Associação Comercial e Industrial de Campo Grande), os empresários aproveitaram para pedir mais segurança e medidas que diminuam os custos com impostos, entre outros.

Veja Mais
Comércio da fronteira fecha as portas para protestar contra redução de cota
Empresário de MS está mais confiante no comércio, revela pesquisa

Segundo o presidente da entidade, João Carlos Polidoro, há uma preocupação com aprovação de novos projetos que podem prejudicar a classe. “Queremos analisar, antecipadamente, o que está tramitando na Assembleia que interfere no trabalho do empresariado. Estamos confiantes que daqui para frente vamos conseguir isso, a partir dessa visita histórica, pois é a primeira vez que um presidente a da Câmara vem aqui para essa discussão”, comentou.

O ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços) é um dos fatores que mais dificultam a atuação dos empresários, segundo Roberto Oshiro. No entanto, os representantes não fizeram uma solicitação específica de redução do tributo. “Quando a gente está em crise, busca diminuir o gasto, já o governo aumenta o imposto ou as taxas. Acho que essa disposição é importante para buscar harmonia. Não é só pedir para acabar com o ICMS. Concordo que temos que olhar o lado do governo, mas temos que ter mais eficiência na aplicação dos recursos públicos”, opinou. Para Roberto, uma solução seria pensar estratégias para aumentar as bases de arrecadação, o que ele chamou de política tributária mais arrojada.

Mochi disse que a Assembleia fará o possível para implementar melhorias para o comércio, em especial na redução dos custos de modo geral para tornar o Estado mais competitivo. “O comércio é o setor que mais arrecada, é o mais expressivo do ponto de vista econômico. A gente não consegue mudar tudo da noite para o dia, mas vamos trabalhar para isso. Precisamos avançar no modelo político para que os segmentos se sintam representados e os parlamentares também se sintam representando a população”, disse.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Júnior Mochi (PMDB), disse que os parlamentares farão o possível para implementar melhorias para o comércio, em especial na redução dos custos de modo geral para tornar o Estado mais competitivo (Foto: Caroline Maldonado)O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Júnior Mochi (PMDB), disse que os parlamentares farão o possível para implementar melhorias para o comércio, em especial na redução dos custos de modo geral para tornar o Estado mais competitivo (Foto: Caroline Maldonado)

O presidente do Conselho Comunitário de Segurança do Centro, Adelaido Espinosa Vila, aproveitou para lembrar que a segurança é uma das grandes preocupações dos comerciantes. “Por mais que contratemos segurança privada, a segurança pública é um problema que não temos como resolver. Nós avaliamos o orçamento e vimos que tem previsão de colocar em exercícxio mais mil policiais e isso não aconteceu”, destacou.

Em resposta, o deputado lembrou que o Governado Reinaldo Azambuja (PSDB) anunciou ontem (25) que autorizou um estudo para convocar remanescentes tanto da polícia militar como civil e disse que isso terá que ser discutido, de modo a exigir mais atuação do Governo Federal. “A segurança sempre é debatida de maneira pontual. Falta uma discussão mais ampla. Se não forem definidas fontes de financiamento pela União não vamos avançar”, criticou, ao citar a violência na região de fronteira do Estado, que interfere a atuação dos comerciantes.

Segundo Mocchi, 50% dos internos do sistema prisional de Mato Grosso do Sul estão presos por crimes de competência da Justiça Federal. “Não é responsabilidade do Estado, mas é o Estado que está mantendo”, disse o deputado, lembrando ainda que há vários outros fatores que precisam ser revistos para facilitar o trabalho do setor comercial e industrial, como a redução do preço do óleo diesel.

Empresário de MS está mais confiante no comércio, revela pesquisa
O Índice de Confiança do Empresário do Comércio de Campo Grande teve leve alta em fevereiro, mas continua bem abaixo do mesmo período ano passado. Há...
Índice de Confiança do Comércio fecha janeiro no menor nível da série
Confirmando tendência que já vinha se delineando desde o final do ano passado, o Índice de Confiança do Comércio iniciou o ano registrando em janeiro...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions