A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

22/05/2015 13:42

Dilma veta aumento do crédito consignado e mantém sigilo das operações do BNDES

Daniel Lima e Pedro Peduzzi, da Agência Brasil

A presidenta Dilma Rousseff sancionou, com vetos, a Lei 13.126 que autoriza o Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) receber do Tesouro Nacional R$ 30 bilhões. A medida foi aprovada pelo Congresso Nacional em abril. Um dos vetos mantém o sigilo das operações de crédito do banco, defendida pelo Senado Federal. Os vetos foram publicados hoje (22) no Diário Oficial da União .

Veja Mais
Após dois dias, negociação 'trava' e greve dos bancários continua
Bancos repetem proposta de reajuste de 7% e negociação prossegue

Para a presidenta, a divulgação ampla e irrestrita das informações das operações de apoio financeiro do BNDES feriria sigilos bancários, empresariais e prejudicaria a competitividade das empresas brasileiras no mercado global de bens e serviços, uma vez que “evidenciaria aspectos privativos e confidenciais da política de preços praticada pelos exportadores brasileiros em seus negócios internacionais.”

De acordo com a justificativa pelo veto, o BNDES já divulga em transparência diversas informações a respeito de suas operações, tais como clientes, projetos e, no caso de operações internas, os valores contratados em cada empréstimo. Além disso, aponta “vício de inconstitucionalidade formal” no texto, “pois o sigilo das operações de instituições financeiras é matéria de lei complementar.”

Dilma vetou ainda o aumento do crédito consignado, que passaria de 30% para 40% da renda do trabalhador. A presidenta entendeu que “sem a introdução de contrapartidas que ampliassem a proteção ao tomador do empréstimo, a medida proposta poderia acarretar um comprometimento da renda das famílias para além do desejável e de maneira incompatível com os princípios da atividade econômica”. A presidenta reforça sua posição ao justificar que “a proposta levaria, ainda, à elevação do endividamento e poderia resultar na ampliação da inadimplência, prejudicando as próprias famílias e dificultando o esforço atual de controle da inflação”.

Outros vetos são relativos ao refinanciamento de dívidas de mutuários com renda anual acima de R$ 2,4 milhões no segmento de transporte rodoviário de carga, sem subvenção de juros pela União por ampliar “consideravelmente o escopo de refinanciamento ao incluir empresas de todos os portes, o que traria impactos financeiros negativos” para o banco de fomento.

Bancos repetem proposta de reajuste de 7% e negociação prossegue
A Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) e o Comando Nacional dos Bancários retomaram a 9ª rodada de negociações nesta quarta-feira (28) em São Paul...
Após segunda queda consecutiva, dólar fecha cotado a R$ 3,22
O dólar comercial inverteu o movimento no final da tarde, após operar em alta durante quase toda a sessão. A moeda norte-americana fechou esta quarta...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions