A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016

11/08/2015 17:43

Dólar sobe e aproxima-se de R$ 3,50 após desvalorização na China

Wellton Máximo, da Agência Brasil

Depois de ter caído nas duas últimas sessões, a moeda norte-americana teve forte alta nesta terça-feira (11). O dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 3,498, com alta de R$ 0,055 (1,59%).

Veja Mais
Com menor preço médio do país, litro da gasolina é vendido por R$ 3,09
Bancários completam 21 dias em greve sem previsão para voltar ao trabalho

Pela manhã, a cotação operou próximo da estabilidade, mas disparou a partir das 10h. Na máxima do dia, por volta das 12h40, o dólar chegou a ser vendido a R$ 3,512. A divisa acumula alta de 2,13% em agosto e de 31,6% em 2015.

A cotação foi influenciada pelo cenário externo. O Banco Central da China anunciou hoje a desvalorização do yuan em quase 2% em relação ao dólar norte-americano, com o objetivo de reforçar a segunda maior economia mundial e estimular as exportações.

A desvalorização da moeda chinesa, a maior desde as reformas do sistema monetário em 2005, surge numa altura em que a economia do país se encontra em forte desaceleração. O objetivo é estimular as exportações, uma vez que a produção nacional fica mais barata.

Segundo economistas, a desvalorização poderá levar a uma reação dos Estados Unidos, que têm argumentado que o yuan está subvalorizado e pressionando as demais moedas asiáticas.

Desde que a equipe econômica anunciou, há três semanas, a redução para 0,15% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país) da meta de superávit primário (economia para pagar os juros da dívida pública), o dólar passou a subir. Segundo economistas ouvidos pela Agência Brasil , a possibilidade de o país perder o grau de investimento das agências de classificação de risco tem pressionado o câmbio.

A decisão da Moody's, que rebaixou hoje a nota da dívida soberana brasileira, não interferiu na cotação do dólar, porque foi divulgada após o fechamento do mercado. Apesar da redução, o país está uma nota acima do grau de investimento, que é a capacidade de um país não dar calote na dívida pública.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions