A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

16/09/2015 09:21

Em julho, vendas no comércio varejista crescem 2,5% no Estado

Caroline Maldonado
Móveis e eletrodomésticos tiveram o maior impacto negativo nas vendas, em função de aumento de juros, no país (Foto: Marcos Ermínio)Móveis e eletrodomésticos tiveram o maior impacto negativo nas vendas, em função de aumento de juros, no país (Foto: Marcos Ermínio)

O volume de vendas do varejo aumentou 2,1% em julho, na comparação com o mesmo mês do ano passado, em Mato Grosso do Sul, conforme pesquisa do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgada nesta quarta-feira (16). O Estado está em quinto lugar na lista dos que apresentam resultado positivo.

Veja Mais
Depois de queda nas vendas, comércio apresenta recuperação em junho
Volume de vendas no comércio varejista cai 2,5% em maio no Estado

Com isso, já são dois meses de recuperação nas vendas, segundo a PMC (Pesquisa Mensal de Comércio). Em maio, o varejo registrou queda de 2,5% e em junho o crescimento foi de 1,4%. 

Quando os dados incluem veículos e materiais de construção, o cenário muda e o índice de variação de volume de vendas do comércio varejista ampliado apresenta retração de 3,5%. O percentual é inferior ao registrado em maio, cuja queda foi de 8,6%.

A receita nominal no comércio varejista ampliado, que abrange os dois itens, teve alta de 5% no mês de julho. Crescimento menos expressivo, na comparação com o registrado em junho, de 5,8%. Em maio, o resultado havia sido negativo, quando a pesquisa constatou queda de 1%.

Brasil – No país, em julho, o varejo registrou queda de 1,0% no volume de vendas, com relação ao mês anterior, enquanto a variação da receita nominal foi de 0,1%. Já o varejo ampliado, que inclui as atividades de veículos, motos, partes e peças e de material de construção, registrou crescimento sobre o mês anterior, tanto para as vendas (0,6%) quanto para a receita nominal (1,1%).

Segundo o IBGE, 20 das 27 unidades da federação, apresentaram variações negativas no volume de vendas, de junho para julho. Conforme a pesquisa, móveis e eletrodomésticos tiveram o maior impacto negativo na formação da taxa, com retração de 12,8% nas vendas. De acordo com os pesquisadores, esse grupo de itens está relacionado as vendas a crédito, por isso é afetado pelo aumento dos custos de financiamento. Segundo o Banco Central, a taxa de juros passou de 32,3% ao ano, em julho de 2014, para 44,2%, em julho deste ano.

Vendas de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo, tiveram queda de 2,1%, em julho. Esta atividade teve o desempenho influenciado pela redução de 3,5% da massa salarial real habitual das pessoas ocupadas, registrada na PME (Pesquisa Mensal de Emprego).

Além disso, o segmento teve influência do comportamento dos preços do grupo alimentação no domicílio (10,5%), que cresceu acima do índice geral (9,6%), no período de 12 meses, segundo a pesquisa que calcula a inflação no país.

O grupo de tecidos, vestuário e calçados, que apresentou queda de 8,1% no volume de vendas. Combustíveis e lubrificantes tiveram variação de -3,6%. Entre os que apresentam resultado positivo estão o grupo de artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos e de perfumaria (1,6%) e outros artigos de uso pessoal e doméstico (0,3%).




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions