A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016

29/04/2014 12:57

Em Paranaíba e Ponta Porã presente para as mães pode custar mais de R$ 200

Luciana Brazil
Ao lado da filha, a doméstica Sandra garante que a mãe vai ganhar presente. (Fotos: Marcelo Victor)Ao lado da filha, a doméstica Sandra garante que a mãe vai ganhar presente. (Fotos: Marcelo Victor)
Regiane diz que compra pela internet pode ser resultado da distância com as grandes lojas. Regiane diz que compra pela internet pode ser resultado da distância com as grandes lojas.

Em Campo Grande, o Dia das Mães deve movimentar RR$ 56 milhões, segundo a pesquisa divulgada hoje (29) pela Fecomércio (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul). Dourados e Três Lagoas aparecem com expectativa de R$ 11 e R$ 10 milhões, respectivamente. Os consumidores de Paranaíba e Ponta Porã se destacam no valor do presente que pretendem dar, chegando a R$ 229 e R$ 200, em cada um dos municípios. Os dados mostram que em 2013 esse preço era de R$ 157 e R$ 105.

Veja Mais
Dia das Mães deve movimentar R$ 230 milhões no comércio de MS
Refrigerante de erva mate e palestra foram novidades em feira de negócios

De acordo com a economista da Fecomércio, Regina Dedé Oliveira, no interior do Estado esse número oscila com frequência. Já na Capital, os valores tendem a ser mais constante.

“Em Campo Grande o consumidor é sempre mais cauteloso”, afirmou Regiane.

Ponta Porã tem apresentado algumas particularidades, segundo Regiane, o que tem aumentado a renda da população. “As barraquinhas que ficavam na rua, em frente às lojas no Paraguai, estão sendo retiradas. Isso gera trabalho e todo trabalho gera renda e isso gera consumo”.

A pesquisa, realizada entre os dias 14 e 19 de abril, ouviu 2006 consumidores economicamente ativos, em 13 cidades - Campo Grande, Aquidauana, Anastácio, Chapadão do Sul, Corumbá, Dourados, Ladário, Naviraí, Paranaíba, São Gabriel do Oeste e Três Lagoas.

Conforme a Fecomércio, na Capital, os entrevistados pretendem gastar, neste ano, R$ 160 com o presente. Em 2013, quando o setor sofria retração, o valor médio era R$ 125, e em 2012 era de R$131.

Tanto na Capital, quanto no interior do Estado, as pessoas ainda preferem as lojas do centro para comprar. A taxa chega a 36,8% entre os consumidores de Campo Grande.

Já em Corumbá e Ladário, esse percentual é de 52,5%, e em Dourados de 53,3%.

De acordo com a Federação, apenas a Capital e a cidade de Dourados têm os principais shoppings na segunda posição.

Sobre as compras na internet, em Campo Grande apenas 1,8% vai utilizar a tecnologia para presentear.

Já no interior esse número é maior. Em Dourados, 6,5% vão comprar o presente pela internet. A economista explica que a distância das grandes lojas contribua para esse cenário.

Nas ruas- A doméstica Sandra Cristina, 41 anos, quer gastar até R$100 para comprar uma roupa para a mãe. “Ela merece o melhor. Se é um presente tem que ser pra ela usar e não alguma coisa para casa”, brinca.

Organizado, o funcionário público de Rio Negro, Joílson Canhete, 54 anos, já comprou o presente da mãe e as esposa. “Eu comprei um creme e um perfume do Boticário. Acredito que quem já gastou com a Páscoa, vai segurar um pouco para se adequar, mas não foi o meu caso”, disse.

Ele conta que gastou R$ 80 no presente da mãe e R$150 no presente da esposa. “Gastei o que estava previsto. O da minha esposa eu trouxe de Ponta Porã”, conta.

 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions