A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Setembro de 2016

24/06/2016 08:53

Em um ano, alimentação durante período escolar está até 42% mais cara

Mariana Castelar
A maioria dos pais variam cardápios de filhos na hora do lanche com produtos saudáveis (Foto: Direto das Ruas)A maioria dos pais variam cardápios de filhos na hora do lanche com produtos saudáveis (Foto: Direto das Ruas)

Com um gasto mensal que pode chegar a R$ 400 na alimentação de um filho durante o período escolar, pais contam que está ficando cada vez mais caro comprar alimentos para colocar nas lancheiras dos pequenos ou a quantia dada para o filho almoçar entre uma atividade ou outra do colégio. Do ano passado pra cá, o reajuste chegou até 42%, e afim de tentar evitar que este custo fique ainda maior, alguns optam por pesquisar em estabelecimentos o melhor preço de lanches ou encontrar locais baratos para que seus filhos almocem.

Veja Mais
Inflação sobe 0,73% em maio com energia e alimentação mais caros
Prefeitura reajuste e amplia bolsa-alimentação concedido a servidores

Por ficar na escola em período integral todos os dias da semana, Lúcia dos Santos, mãe de uma adolescente de 17 anos que não quis ser identificada, conta que todos os dias a filha gasta R$20 para almoçar, valor 42% acima do que gastava ano passado. " Ano passado o custo do almoço era de R$14. No fim do mês, meu custo chega a R$ 400", lamenta. 

Na tentativa de economizar, a empresária, fez uma pesquisa em diversos restaurantes próximos à escola da filha para encontrar o melhor preço. “Não há qualquer possibilidade dela se alimentar de salgado todos os dias, então, para almoçar minimamente bem com um custo que eu conseguisse pagar fizemos esta pesquisa”, explica Lúcia.

Já a aquiteta Kelly Cury e o advogado Ygreville Garcia afirmam gastar aproximadamente R$ 300 só com os alimentos que colocam na lancheira do filho Enzo. “Variamos o cardápio para que ele não enjoe e todos os dias coloco um suco, uma fruta e alguma coisa salgada”, conta a mãe.

Ela conta que optar em colocar produtos saudáveis e que isso encarece ainda mais a lista. “Envio pão integral com frios, e às vezes faço bolo também para que ele tenha um lanche nutritivo”.

Com uma mensalidade de R$1.070 para o filho ficar na escola das 13h30 até às 18h15, o jornalista Ângelo Smaniotto, conta que a janta de do Benjamin, de 2 anos é paga a parte da mensalidade escolar e o reajuste deste ano chegou a 32,94%.  “Pago, em média R$230 por mês, no ano passado este valor era de aproximadamente R$ 173.”, diz.

Para evitar um gasto diário de R$60 em média, a empresária Eliane Moreira, mãe da Vitória, de 17 anos e do Vitor, de 15, conta que prefere que os filhos almocem em casa. “Tenho certeza que cada um não gastaria menos de R$ 30 em um almoço e em casa faço comida para a família inteira, então fica melhor desta forma”, conta.

Além do seu trabalho ser caminho da escola, a empresária acredita que a rotina fica menos cansativa. “Eles tem duas horas de intervalo, por isso prefiro buscá-los para que possam descansar um pouco”, relata a Eliane.

Prefeitura reajuste e amplia bolsa-alimentação concedido a servidores
O valor da bolsa-alimentação dos servidores da prefeitura de Campo Grande foi reajustado para R$ 230 e ampliado para beneficiar mais 3.932 funcionári...
Apesar da alimentação cara, inflação desacelera e fecha março em 0,74%
A inflação de Campo Grande somou 0,74% em março. O índice é menor que os 0,87% registrados em fevereiro deste ano e bem inferior aos 1,25% do mesmo p...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions