A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

20/09/2015 11:15

Empresários que antes revelavam fotos hoje agradecem à tecnologia

Mariana Rodrigues
As lojas de fotografias começaram a implantar brindes para atrair os clientes e não perder as vendas. (Foto: Vanessa Tamires)As lojas de fotografias começaram a implantar brindes para atrair os clientes e não perder as vendas. (Foto: Vanessa Tamires)

Ir na loja, comprar um filme em rolo, colocar na câmera analógica, tirar fotos com cuidado, economizar nas poses, tirar o filme, levar à loja, deixar para revelar, buscar depois de dias e só então ver o resultado. Em tempos de celular com câmera, WhatsApp e Instagram, quem ainda consegue imaginar ter que fazer todo esse processo para ver sua foto? E as empresas que prestavam esse serviço? São muitas as perguntas de um passado nem tão distante.

Veja Mais
Bancários entram no 25º dia de greve sem previsão de retorno ao trabalho
Com maior carga tributária do mundo, remédios consomem renda dos idosos

A chegada da tecnologia trouxe também muitas facilidades para o dia a dia, no caso do comércio agregou a facilidade dos cartões de crédito e débito. A famosa foto 3x4 hoje não precisa ser revelada com espera de uma hora, hoje se usa uma câmera digital e no computador a foto é recortada e adequada ao tamanho exigido. O processo, demora menos de 20 minutos.

Os empresários confessam que sofreram com a chegada da tecnologia e o fim dos filmes de rolos, mas muitas sobrevivem até hoje. Para isso foi necessário mudar o foco para chamar a atenção do cliente e agregar novos serviços para obter lucros.

É o caso de Horácio Pereira do Vale, proprietário da Center Foto, localizada na rua Sete de Setembro, há 30 anos no comércio, ele presenciou a transição dos rolos de filmes para as fotos digitais. Questionado sobre a mudança, ele comemora e afirma que ficou muito melhor, claro que ele teve que colocar serviços extras na loja, como xerox, brindes e as fotos para documento que antigamente não tinha.

"As vendas aumentaram em cerca de 40%. Hoje as pessoas procuram revelar mais as fotos digitais pois não confiam em deixar salvas em pendrives ou nos computadores pois pode pegar vírus e a pessoa perde tudo, o papel fotográfico não pega vírus, não existe mídia segura", afirma.

Ele explica que antigamente era preciso entrar pelo menos três pessoas a cada uma hora na loja com dois filmes em mãos para se fazer, pelo menos, mil revelações por dia, e atualmente, só uma pessoa entra com essa quantidade de fotos para serem reveladas. "A revelação aumenta cada dia, mas também notamos a procura por álbuns de fotografia, quadros e fotos para documentos", comenta.

Horácio Pereira do Vale, proprietário da Center comemora e afirma que ficou muito melhor. (Foto: Vanessa Tamires)Horácio Pereira do Vale, proprietário da Center comemora e afirma que ficou muito melhor. (Foto: Vanessa Tamires)
Nilson Carvalho, da Color Zoom, comemora as vendas. (Foto: Vanessa Tamires)Nilson Carvalho, da Color Zoom, comemora as vendas. (Foto: Vanessa Tamires)

Outro que comemora as vendas é Nilson Carvalho, da Color Zoom, localizada na rua 15 de Novembro. A loja possui 25 anos, e Nilson conta que no começo as vendas chegaram a cair, mas depois com a qualidade melhor, o número de fotos aumentou, e com medo de perder os registros, as pessoas acabam revelando. A revelação de fotos em tamanho normal depende da quantidade de fotos que cada cliente levar, mas varia de R$ 0,59 a R$ 1,63.

Trazendo a cultura de São Paulo para cá, ele agregou ao local a ótica, onde é possível encontrar óculos de solares e de grau e atender aos dois públicos. "As óticas cresceram e também é uma forma de chamar o cliente para dentro da loja, já que parcelamos os óculos em até dez vezes", afirma ele.

Ele conta que as revelações de fotos aumentaram, pois o número de clicks hoje é ilimitado. "Em um casamento, por exemplo, o fotógrafo precisava levar uns 10 filmes por casamento, hoje aumentou em até seis vezes o número de fotos tiradas nesses eventos", conta.

Além da qualidade das fotos, as facilidades atualmente são maiores. (Foto: Vanessa Tamires)Além da qualidade das fotos, as facilidades atualmente são maiores. (Foto: Vanessa Tamires)

Na Clan Color, localizada na rua 14 de Julho, a gerente Laura Cristina acredita que a chegada da era digital abriu um leque de novas possibilidades. Na loja, a revelação de fotos é o carro chefe, mas há outros serviços como foto presentes, brindes personalizados, fotos para documentos e filmes fotográficos, pois ainda há pessoas que procuram filmes para máquinas analógicas e também trouxe para dentro da loja a ótica. "Hoje nós revelamos cerca de 30 mil fotos por mês, tem clientes que revelam de 500 a 3 mil fotos de uma vez, percebemos que aumentou muito as revelações", afirma.

Além da qualidade, ela comenta que as facilidades também são maiores. "Antes a pessoa ia tirar fotos para documento e tinha que esperar para ficar pronta, hoje sai na hora, além disso podemos editar a foto para que ela fique ao gosto do cliente, ou seja, as pessoas não precisam mais reclamar que a foto do documento ficou feia".

Implantar ótica foi uma opção que veio de São Paulo. (Foto: Vanessa Tamires)Implantar ótica foi uma opção que veio de São Paulo. (Foto: Vanessa Tamires)

Empreendedorismo- Segundo a analista técnica do Sebrae, Lucielli Gomes, o modelo de negócio do empresário não pode ficar estático, ele precisa se reinventar , principalmente com a chegada de novas tecnologias, mas é preciso avaliar como o cliente reagir com essa mudança. "A inciativa desses empresários do ramo de fotografia é legal, hoje é preciso ter noção do modelo de negócio, mas não pode ficar amarrado só à ele. A partir do momento que tem essa ameaça da tecnologia, é preciso analisar as oportunidades, e foi o que esses empresários fizeram", diz.

Ela argumenta ainda que é importante o empresário sempre que possível estar em seu estabelecimento comercial e criar mecanismos para se aproximar dos seus funcionários e clientes. O Sebrae oferece consultoria, atendimento com especislista treinamento e palestras para empresários interessados em reinventar o próprio negócio.

Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Cotado a R$ 3,256 na venda, após dois dias seguidos de baixa, o dólar comercial fechou esta quinta-feira (29) com alta de 1,05%. Com isso, a moeda no...
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas, sendo que 13% não terão condições de pagar suas contas. O índice medido pelo IPF/MS (Instituto de Pesqu...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions