A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016

25/06/2015 09:48

Estado abate 118 mil cabeças de gado a menos em 2015, segundo IBGE

Liana Feitosa
Queda no número de abate se deve à falta de bois no Estado, acredita representante de entidade. (Foto: Claudio Vaz/Divulgação)Queda no número de abate se deve à falta de bois no Estado, acredita representante de entidade. (Foto: Claudio Vaz/Divulgação)

Houve abate de 118.023 cabeças de gado a menos no 1º trimestre de 2015 no Estado, em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo levantamento do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). De acordo com os dados, a maior queda foi registrada em Mato Grosso (-13,4%), seguido de Mato Grosso do Sul (-11,3%).

Veja Mais
Falta boi para abate e 26 frigoríficos do país já fecharam; 14 deles em MS
Falta de boi para abate pode fechar mais dois frigoríficos no Estado

Número positivo - Apesar da redução no número de cabeças abatidas, o estado sul-mato-grossense continua em segundo lugar no ranking nacional do abate de bovinos, em terceiro lugar está São Paulo.

Em relação aos números gerais, no país foram abatidas 7,732 milhões de cabeças de bovinos nos primeiros três meses de 2015, índice 7,7% menor que o registrado no primeiro trimestre de 2014 (8,373 milhões de cabeças) e 9,3% inferior ao registrado nos três últimos meses do ano passado.

Em Mato Grosso do Sul, demissões dominam o setor de frigoríficos. No começo do mês de junho deste ano, o Campo Grande News noticiou que o Estado calcula cerca de 1,5 mil demissões no setor de carne bovina no Estado.

Além disso, desde o começo do ano, 14 unidades fecharam as portas ou deram férias coletivas para os trabalhadores. Além dessas, outras três unidades frigoríficas em Iguatemi, Eldorado e Corumbá preveem férias coletivas.

Falta boi - Para o presidente da Assocarnes (Associação de Matadouros, Frigoríficos e Distribuidores de Carnes de Mato Grosso do Sul), João Alberto Dias, o setor enfrenta essas dificuldades principalmente devido à falta de animais para abate.

“O grande problema é que muitos animais criados aqui saem vivos para outros Estados e não são abatidos pelos frigoríficos de MS”, explicou Dias ao Campo Grande News recentemente.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions