A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 01 de Outubro de 2016

18/12/2015 12:26

Fiems estima crescimento de 11,5% no PIB industrial do Estado em 2016

Mariana Rodrigues
Sérgio Longen, presidente da Fiems, divulgou hoje o balanço do ano e a projeção para 2016. (Foto: Fernando Antunes)Sérgio Longen, presidente da Fiems, divulgou hoje o balanço do ano e a projeção para 2016. (Foto: Fernando Antunes)

O PIB (Produto Interno Bruto) do setor industrial de Mato Grosso do Sul cresceu 11,5% em 2015 com relação a 2014, passando de R$ 14,8 bilhões para R$ 16,5 bilhões, conforme dados divulgados pela Fiems (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul). O valor da produção também apresentou crescimento saltando de R$ 35,7 bilhões para R$ 39,5 bilhões, isso representa 11% de crescimento.

Veja Mais
Município de MS tem PIB per capita de R$ 254 mil; quinto maior do país
Apesar da crise, indústrias de papel e celulose crescem 2,72% em 2015

De acordo com o balanço fornecido pela Fiems, é possível observar que o PIB industrial vem evoluindo desde 2007, quando registrava R$ 4 bilhões. Segundo o presidente da Fiems Sérgio Longen, poucos estados brasileiros apresentam esse desempenho no setor. "Temos acompanhado bastante esses números que acabam dando direcionamento não só na nossa equipe de trabalho, mas para o setor industrial, que inclusive, tem alimentado os projetos que o Estado tem demandado a nível federal", conta. A projeção é que no próximo ano o PIB chegue a R$ 18,4 bi.

Serão investidos em Mato Grosso do Sul, um total de R$ 37,385 bilhões até 2020. Oito indústrias já estão em obras de instalação ou ampliação e outras oito não tiveram as obras iniciadas, o que contribuiu para que 2015 não fosse um ano tão ruim. A maioria dessas empresas estão instaladas em Três Lagoas, que deve elevar os números do Estado. "O setor de celulose e papel tem se fortalecido, o grande polo de papel e celulose está em Três Lagoas", destacou Longen.

O salário médio dos trabalhadores da indústria apresentou retração, passando de 134.683 mil trabalhadores no ano passado, para 126.500 mil neste ano, isso representa uma queda de 6%, e se deve as contenções de gastos ocasionando algumas demissões. Em contrapartida, o salário médio do trabalhador passou dos R$1.814,07 em 2014, para R$1.931,98 neste ano, subindo 6,4%.

A soma de todos os salários pagos aos industriários de 2007 até agora, cresceu em média 13,8% ao ano. No período, foi proporcionada variação total de 220%. Em valores, a massa salarial saiu de R$ 916,2 milhões para mais de R$ 2,93 bilhões.

Mesmo com números, que segundo Longen não são tão bons para o setor, ele se mostrou otimista para o próximo ano. "Esperamos chegar em 2016 também com os números positivos, é um desafio para todos nós e MS lidera o cenário de investimento do setor privado e industrial. Apesar dos números de 2015 não serem muito favoráveis comparando MS com os outros Estado estamos bem à frente".

Exportações - As exportações também apresentaram queda, devido a desaceleração da economia, conforme o balanço, a projeção para 2015 era de US$3,70 bilhões, mas só foram alcançados US$ 2,78 bilhões, mas Longen se mostrou otimista para 2016, e acredita que deve alcançar a marca de US$ 3.025. "Apesar de ter grandes indústrias instaladas em Mato Grosso do Sul, não foi atingido o planejado. Em 2016 devemos romper a casa dos 3 milhões (de dólares) novamente.

De 2007 a 2015, a receita obtida com a exportação de produtos industriais de Mato Grosso do Sul cresceu , em média 14,4%. Isso proporcionou no período, variação total de 236%. Em valores, a receita de exportação saiu de US$827 milhões para mais de US$ 2,77 bilhões.

Ao final do evento, Sérgio Longen lançou o projeto de Combate a Dengue que tem parceria com a Delegacia de Polícia Civil e tem como objetivo conscientizar a população. A meta é alcançar 150 mil residências, 600 mil pessoas e 3.600 empresas que receberam orientação de como evitar o mosquito transmissor da doença.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions