A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

09/09/2015 10:40

Governo do Estado quer modificar alíquotas para equilibrar contas

Liana Feitosa e Leonardo Rocha
Para governador Reinaldo Azambuja, há margem para que preço do diesel diminua ainda mais na bomba. (Foto: Simão Nogueira)Para governador Reinaldo Azambuja, há margem para que preço do diesel diminua ainda mais na bomba. (Foto: Simão Nogueira)

Para equilibrar as contas e tentar aumentar a arrecadação de impostos, governo do Estado planeja modificar alíquotas de alguns tributos. A afirmação foi feita pelo gestor estadual, Reinaldo Azambuja (PSDB), na manhã desta quarta-feira (9), no evento de entrega de reforma da escola estadual Flavina Maria da Silva, em Campo Grande.

Veja Mais
Postos repassam queda do ICMS e diesel tem redução de R$ 0,15 em MS
Com diesel mais caro na "região", MS aposta em lei para ter competitividade

"Nós temos que buscar um equilíbrio (nas contas). Nossa equipe da (Secretaria de) Fazenda tem que promover algumas mudanças em alíquotas e supérfluos", afirmou o governador.

A alíquota é um percentual que determina quanto de tributo incidirá sobre o valor de produtos. "Há algumas alíquotas que não afetam tanto a vida do cidadão. A intenção é equacionar as despesas", completou.

O governador ainda falou sobre a perda de arrecadação gerada pela redução da alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre o óleo diesel. Desde o dia 1 de julho deste ano a dedução foi de 17% para 12% em Mato Grosso do Sul.

Para o gestor, apesar da necessidade de aumentar a arrecadação de tributos, o Estado planeja manter a redução. "Sobre o diesel, vamos manter até dezembro e temos a intenção de continuar até 2016. Agora, temos o compromisso do segmento em aumentar o consumo com a redução do preço", avaliou.

"Sabemos que houve uma perda de arrecadação em função disso, mas temos que entender que vivemos em uma economia de retração que também afeta o setor de transportes", analisou.

Apesar disso, Azambuja aponta que há aumento gradativo do consumo de diesel e acredita que ainda há margem para que preço do combustível reduza ainda mais na bomba, ou seja, no preço final ao consumidor.

Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas, sendo que 13% não terão condições de pagar suas contas. O índice medido pelo IPF/MS (Instituto de Pesqu...
MS vai receber missão técnica do Chile em frigoríficos de carne bovina
Inspeções federais de outros país no Brasil pode abrir novos mercados para exportação. Chile, Cuba e Bolívia já tem data marcada para suas missões e ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions