A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 01 de Outubro de 2016

30/11/2015 11:11

Governo estima perda de R$ 125 mi com redução da alíquota do diesel

Priscilla Peres e Leonardo Rocha
Reinaldo ressaltou hoje que a redução do imposto foi uma forma de incentivar o setor. (Foto: Fernando Antunes)Reinaldo ressaltou hoje que a redução do imposto foi uma forma de incentivar o setor. (Foto: Fernando Antunes)
No início de julho, postos aderiram a queda do imposto e reduziram o preço. (Foto: Fernando Antunes)No início de julho, postos aderiram a queda do imposto e reduziram o preço. (Foto: Fernando Antunes)

A redução da alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) do diesel de 17% para 12% custou R$ 125 milhões ao governo do Estado. O montante corresponde ao que deixará de ser arrecadado em seis meses da vigência da lei, de julho a dezembro de 2015.

Veja Mais
Sinpetro pede que governo adie por seis meses redução do ICMS do diesel
Levantamento mostra queda no consumo do diesel mesmo com redução do ICMS

Durante entrevista coletiva nesta manhã, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) disse que a decisão de reduzir o imposto "foi uma forma de favorecer o setor agropecuário, comércio e indústria, assim como incentivar o aumento do consumo do diesel".

A previsão é que o Estado deixe de arrecadar R$ 125 milhões até o fim do ano. A lei que reduziu o imposto foi aprovada em junho, atendendo a um pedido de empresários e produtores que alegavam a forte concorrência com os estados vizinhos.

Porém, para que não houvesse queda na arrecadação o consumo de diesel no Estado teria que crescer 40% e o preço cair em R$ 0,15. Na época, o governo previa perder entre R$ 4 milhões e R$ 7 milhões caso o consumo não aumentasse.

Apesar do acompanhamento feito ao longo dos meses, algumas situações como o início da cobrança do pedágio na BR-163, frustou as expectativas, já que aumentou o preço do frete e caminhoneiros começaram a adotar caminhos alternativos a Mato Grosso do Sul.

Em reunião na semana passada, representantes do Sinpetro (Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis) pediram ao governo do Estado a continuidade do ICMS reduzido do óleo diesel por mais seis meses. Eles se comprometeram a reunir os setores e pedir maior apoio a lei.

Porém o titular da Sefaz (Secretaria de Fazenda), Marcio Monteiros disse que com o atual momento econômico, com a perda de receita pelo Estado, “a manutenção dos 12% se torna difícil, pois não houve o aumento do consumo, conforme era esperado”. No entanto, garantiu que nada está ainda definido e que as conversações com o setor produtivo serão mantidas para que se chegue a uma decisão que atenda a necessidade de todos, inclusive do governo e do consumidor.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions