A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

23/12/2015 20:38

Governo federal reduz recursos do FCO e eleva taxas de juros para 2016

Antonio Marques

O governo federal anunciou duas medidas nas últimas semanas que atingem diretamente os empreendedores que desejavam recorrer ao FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste) para se instalarem em Mato Grosso do Sul. A primeira ação da União foi o corte de 14% no montante disponível no Fundo para o ano de 2016. Nessa terça-feira, 22, houve a elevação das taxas de juros para o Fundo, na modalidade empresarial, que entra em vigor no dia 1º de janeiro.

Veja Mais
FCO disponibiliza quase R$ 25 mi para construção de aviários em municípios de MS
Agronegócio é setor que tem mais solicitação para recursos do FCO

Mato Grosso do Sul, que neste ano teve disponível R$ 1,386 bilhão e aprovou 100% deste montante em empreendimentos rurais e empresariais, terá R$ 1,190 bilhão em 2016 – sendo que mais da metade deste valor já estaria comprometido em cartas-consulta aprovadas pelo Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo FCO.

A segunda medida da União, que interfere no FCO e na atração de investimentos para o Estado foi anunciada ontem, 22. O Governo Federal, por meio de uma resolução publicada pelo CMN (Conselho Monetário Nacional), elevou as taxas de juros para o Fundo, na modalidade empresarial. A nova tabela já entra em vigor no dia 1º de janeiro.

Conforme o titular da Semade (Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico), Jaime Verruck, com média de aumento na faixa dos 40% para as diferentes modalidades, as novas taxas de juros preocupam o governo do Estado e podem inibir o próprio papel constitucional do Fundo: fomentar o desenvolvimento regional através do financiamento a patamares mais justos e acessíveis de custo.

“Já estávamos preocupados com a redução de recursos do governo federal para o FCO em 2016. Os governadores dos estados do Centro-Oeste solicitaram crédito suplementar à União para uma série de empreendimentos, principalmente pequenos negócios, que correspondem a 84% do total. Agora a situação é ainda pior. Existe uma preocupação fiscal evidente, mas nenhuma do ponto de vista das atividades econômicas, que é, na teoria, o papel do financiamento”, avalia Jaime Verruck.

De acordo com o titular da Semade, esta é a primeira vez que as taxas de juros do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste sofrem elevação substancial. O Estado, porém, levará ao Governo Federal e ao CMN os prejuízos que ambas as medidas podem causar ao setor produtivo. “Vamos fazer as mesmas gestões, já que esta é uma resolução que pode ser modificada”, afirma Verruck.

Este é o segundo aumento de juros do FCO autorizado pelo Conselho Monetário Nacional este ano. Em junho o Governo federal publicou a tabela de reajuste para investimentos no setor rural. Na ocasião o presidente do Conselho Estadual do FCO e titular da Semade alertou sobre o “impacto significativo de desestímulo aos investimentos causado pelo aumento dos encargos financeiros”.

 

Governo federal reduz recursos do FCO e eleva taxas de juros para 2016

Novas taxas – Para investimentos em Bens de Capital, inclusive com giro associado, foram reajustadas as duas faixas. A primeira, para micro, pequenas e pequeno-média empresas, a taxa passa de 8,24% ao ano para 14,12%. Com bônus de adimplência o valor fica ligeiramente mais baixo: de 7%, passou para 12%.

As grandes empresas contarão com uma taxa ainda mais alta: de 11,18% ao ano, pagarão no ano que vem 15,29%. O bônus de adimplência passa dos atuais 9,50% para 12,99% no ano que vem.

Os financiamentos para Capital de Giro Dissociado também sofreram reajustes. Micro, pequenas e pequeno-médias empresas, que até este ano pagavam taxa de 12, 94% de juros ao ano (10,99% com bônus de adimplência), pagarão a partir de 1º de janeiro 18,20% e 15,47%, respectivamente. As médias e grandes empresas pagarão 20,24% de juros (17,20% com bônus).

Os demais investimentos, inclusive Ciência e Inovação, ambos com giro associado, permanecem os mesmo tanto para micro, pequenas e médias empresas (8,24% ao ano, com bônus de adimplência a taxa é de 7%) como para os grandes empreendimentos: 11,18%, passando para 9,5% com o bônus.

Com informações da Semade.

Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Cotado a R$ 3,256 na venda, após dois dias seguidos de baixa, o dólar comercial fechou esta quinta-feira (29) com alta de 1,05%. Com isso, a moeda no...
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas, sendo que 13% não terão condições de pagar suas contas. O índice medido pelo IPF/MS (Instituto de Pesqu...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions