A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

07/10/2015 19:08

Inflação oficial chega a 7,64% no ano e se aproxima de 10% nos últimos 12 meses

Agência Brasil

A inflação oficial do país, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), fechou o mês de setembro com alta de 0,54%, resultado 0,32 ponto percentual superior à taxa de 0,22%, registrada em agosto, informou, hoje (7), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A variação de setembro elevou a taxa acumulada no ano (janeiro-setembro) para 7,64%. Já a taxa anualizada (acumulada nos últimos 12 meses) ficou em 9,49%.
O IPCA de 7,64% acumulado no ano supera a taxa de 4,61%, de igual período de 2014. Com isso, a inflação oficial, medida pelo IPCA, constitui o mais elevado índice para o período janeiro/setembro, desde 2003, quando a alta acumulada havia sido de 8,05%. Já a taxa de 9,49%, acumulada nos últimos 12 meses, ficou um pouco abaixo dos 9,53% dos 12 meses imediatamente anteriores. Em setembro de 2014, o IPCA registrou 0,57%.

Veja Mais
Bancários entram no 25º dia de greve sem previsão de retorno ao trabalho
Com maior carga tributária do mundo, remédios consomem renda dos idosos

Segundo os técnicos do IBGE, a taxa de setembro foi influenciada por importantes itens de despesas das famílias. O botijão de gás, com peso de 1,07% no IPCA, liderou oranking das principais contribuições. O gás liquefeito de petróleo para uso residencial ficou 12,98% mais caro nos pontos de distribuição ao consumidor, percentual inferior ao reajuste de 15% autorizado pela Petrobras nas refinarias, com vigência a partir do dia primeiro de setembro.
Habitação

Influenciado pelo aumento do gás de cozinha, o item habitação - entre os grupos que compõem o IPCA - foi o que mais subiu em setembro, na comparação com agosto: 1,30%. Outra despesa que contribuiu para pressionar o grupo habitação foi o item água e esgoto, que aumentou 1,48%.
Também subiram os índices dos seguintes grupos: educação (0,82%), despesas pessoais (0,75%), saúde e cuidados pessoais (0,62%) e artigos de residência (0,37%). Houve queda em transportes (-0,27%) e alimentação e bebidas (0,01%).

Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Cotado a R$ 3,256 na venda, após dois dias seguidos de baixa, o dólar comercial fechou esta quinta-feira (29) com alta de 1,05%. Com isso, a moeda no...
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas, sendo que 13% não terão condições de pagar suas contas. O índice medido pelo IPF/MS (Instituto de Pesqu...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions