A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 29 de Setembro de 2016

29/08/2014 13:24

Investimentos têm queda de 5,3% no segundo trimestre

Vinícius Lisboa

O desempenho dos investimentos teve peso na queda da economia brasileira no segundo semestre deste ano, informou hoje (20) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na comparação com os primeiros três meses do ano anterior, a Formação Bruta de Capital Fixo, total investido, caiu 5,3%.

Veja Mais
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
MS vai receber missão técnica do Chile em frigoríficos de carne bovina

Quando relacionados ao resultado do mesmo período do ano passado, os investimentos tiveram retração de 11,2%, o pior resultado desde o primeiro trimestre de 2009. Em números absolutos, foram investidos R$ 209,8 bilhões.

No primeiro semestre deste ano, a Formação Bruta de Capital Fixo acumula queda de 6,8% e, em 12 meses, comparados aos 12 meses anteriores, registra recuo de 0,7%. A gerente da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca de La Rocque, disse que houve queda entre os principais componentes dos investimentos, a indústria de construção e a de máquinas e equipamentos: "Os insumos consumidos pela construção caíram, e também houve queda do emprego no setor."

Na indústria da construção civil, houve queda de 8,7% na comparação com o ano passado, a pior variação desde o primeiro trimestre de 2002. Quando considerados os três primeiros meses do ano, houve recuo de 2,9%.

Já a indústria de transformação caiu 5,5%, na comparação com o segundo trimestre de 2013, e 2,4% ante o primeiro deste ano. Além de pesar nos investimentos, o desempenho puxou a queda do setor industrial, que chegou a -1,5% na comparação com janeiro, fevereiro e março de 2014, e a -3,4% na relação com o ano passado. As importações de máquinas e equipamentos também recuaram, assim como os automotivos.

Entre as razões para o mau desempenho, estão a Copa do Mundo, de 12 de junho a 13 de julho, período em que muitas cidades decretaram feriados, e os resultados da indústria automotiva, que, segundo o IBGE, vem sendo prejudicada pela queda nas exportações para a Argentina e a Venezuela e pela baixa renovação da frota.

Outros fatores que pesam sobre o setor neste ano são a volta do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) e o aumento da taxa básica de juros (Selic). "A Selic influencia porque bens de capital e de consumo duráveis dependem de financiamento e crédito", disse Rebeca. No segundo trimestre do ano passado, a Selic estava em 7,5% e, neste ano, encontra-se em 10,9%.

Os resultados baixaram a taxa de investimento para 16,5% do PIB (Produto Interno Bruto), soma de todos os bens e serviços produzidos no país), a mais baixa desde 2006.

Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas, sendo que 13% não terão condições de pagar suas contas. O índice medido pelo IPF/MS (Instituto de Pesqu...
MS vai receber missão técnica do Chile em frigoríficos de carne bovina
Inspeções federais de outros país no Brasil pode abrir novos mercados para exportação. Chile, Cuba e Bolívia já tem data marcada para suas missões e ...
Gol lança ofertas semanais de passagens aéreas
Para atrair novos passageiros e fidelizar seus clientes, as companhias aéreas garantem preços e condições de pagamento especiais. Cada empresa define...
Mais de 6 mil consumidores saíram da lista de inadimplentes em agosto
Em agosto, 6.144 contribuintes de Campo Grande saíram do cadastro de inadimplentes. O número é 38,5% maior que o de julho, quando 4,4 mil pessoas rec...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions