A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

22/09/2016 20:16

Justiça do Trabalho derruba liminar e bancários seguem em greve no MS

Nyelder Rodrigues
Greve não tem previsão de término em todo o Brasil (Foto: Divulgação)Greve não tem previsão de término em todo o Brasil (Foto: Divulgação)

A Justiça do Trabalho derrubou na tarde desta quinta-feira (22) a liminar que determinava a volta do expediente de 30% do efetivo dos bancários que trabalham em unidades conveniadas ao poder público. A primeira decisão foi concedida na sexta-feira (16) atendendo a pedido da seccional sul-mato-grossense da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Veja Mais
Greve dos bancários completa 17 dias sem previsão para terminar em MS
No 15º dia de greve, bancários realizam protesto em Campo Grande

Na época, a Ordem alegou que, com as agências fechadas, os advogados não poderiam cumprir mandados de pagamento e liberação de valores que estão em contas judiciais. Porém, a decisão foi contestada judicialmente pela Seeb-CG (Sindicato dos Bancários de Campo Grande e Região).

Hoje, o desembargador Federal do Trabalho, João de Deus Gomes de Souza, deu ganho ao sindicato, cassando a liminar anterior. "Não há prova contundente de que a greve tenha se desencadeado de forma abusiva, encontrando-se dentro dos limites estabelecidos pela legislação que regulamenta o movimento paredista", frisa o magistrado.

Ainda de acordo com a decisão, a OAB não detém legitimidade para propor tal ação e, por isso, a medida de obrigar o retorno de expediente em 30% foi tomada em desacordo com a Constituição e legislação.

"Sempre agimos dentro do que determina a lei da greve. No entanto, entramos com essa ação porque não podemos aceitar que um direito garantido pela constituição fosse violado", comenta o presidente do Seeb-CG, Edvaldo Barros.

17º dia de greve - A greve dos bancários em todo o país completou o 17º dia nesta quinta-feira (22) sem previsão de término, já que ainda não há uma nova data para que funcionários e patrões se reúnam para negociar. Os bancários pedem reajuste de 14,78%, enquanto os bancos oferecem apenas 7% - valor abaixo da inflação, de 9,78%.

Hoje, das 160 unidades bancárias existências em Campo Grande e cidades da região, englobadas pelo Seeb-CG, 144 permaneceram sem atendimento, o que representa 90% de adesão à paralisação.

Na próxima segunda-feira (26), quando a greve completa 21 dias, o Comando Nacional dos Bancários se reúne em São Paulo, onde ocorrem as negociações com os patrões, para avaliar as paralisações e mobilização desta greve, já considera a maior da história da categoria. Eles vão definir os próximos passos da paralisação.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions