A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

31/05/2016 12:12

Nível de desemprego cresce e fecha primeiro trimestre do ano em 7,8% em MS

Renata Volpe Haddad
Em Campo Grande, número de desempregados registrou 7,4%, aumento de 42% em comparação com o último trimestre de 2015. (Foto: Pedro Peralta)Em Campo Grande, número de desempregados registrou 7,4%, aumento de 42% em comparação com o último trimestre de 2015. (Foto: Pedro Peralta)

O desemprego em Mato Grosso do Sul ficou em 7,8% no primeiro trimestre deste ano, aumento de 32% em relação ao trimestre passado e 27% em comparação com o mesmo período de 2015. A PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) foi publicada nesta terça-feira (31) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Veja Mais
Diante do desemprego, entrega de frutas em domicílio vira novo negócio
Apesar de desemprego alto, rede de fast food não consegue preencher vagas

No trimestre anterior, de outubro a dezembro de 2015, a taxa de desocupação tinha ficado em 5,9%. Em janeiro, fevereiro e março do ano passado, a taxa de pessoas desempregadas era de 6,1%.

O nível de pessoas empregadas também caiu no trimestre, passando de 61,3% de outubro a dezembro de 2015, para 59,7% de janeiro a março deste ano.

Em relação ao número de pessoas empregadas no setor privado sem carteira assinada, caiu de 152 mil para 137 mil no trimestre deste ano. Em contrapartida, os números de empregados no setor público cresceu 7%, passando de 170 mil trabalhadores para 183 mil.

Capital – Em Campo Grande, o desemprego registrado no primeiro trimestre deste ano é de 7,4%, aumento de 42% em comparação com outubro, novembro e dezembro do ano passado, quando o nível de desocupação era de 5,2%.

Cristiane está há dois anos desempregada e diz que o que atrapalha na hora de ser contratada, são as indicações. (Foto: Pedro Peralta)Cristiane está há dois anos desempregada e diz que o que atrapalha na hora de ser contratada, são as indicações. (Foto: Pedro Peralta)

Há dois anos desempregada, Cristiane Cariaga Reinoso, 28, diz que a dificuldade em conseguir emprego está na indicação. "Eu sempre vou até a Funsat, Funtrab, sempre mando currículos e procuro emprego para ser recepcionista, balconista, mas não consigo nada. Vejo que muitas pessoas que estão empregadas conseguiram por indicação. Enquanto eu não consigo nada, vou me virando do jeito que dá e fazendo cursos para acrescentar no currículo".

Jenipher Roberta Soares, 22, procura emprego há dois meses para auxiliar de sala. "Não tem como competir com uma pessoa que é indicada. Quando se conhece o dono fica mais fácil e tira a vaga de quem tem um bom currículo e experiência", afirma.

Segundo Luciele Alexandre Silva Martins, 19, a maioria das empresas exigem experiência. "Eu procuro vaga para auxiliar administrativo e tenho experiência como aprendiz. Quero me especializar fazendo cursos, mas preciso do emprego para pagar por isso", alega.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions