A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

20/04/2016 09:30

OAB/MS diz que limitação de internet banda larga fixa é prática abusiva

Renata Volpe Haddad

A OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil) de Mato Grosso do Sul considera prática abusiva a intenção das operadoras de telefonia de querer limitar a internet de banda larga fixa e critica a medida da Anatel (Agência de Nacional de Telecomunicações) de impor regras para implantar novo modelo de prestação de serviços.

Veja Mais
Após polêmica, medida suspende redução da velocidade da internet
Refrigerante de erva mate e palestra foram novidades em feira de negócios

Para a OAB, o acesso à internet tanto nas relações interpessoais ou no âmbito profissional se tornou tão indispensável quanto algumas atividades básicas do cotidiano.

De acordo com nota divulgada pela ordem, os advogados que utilizam a internet como ferramenta de trabalho para agilizar o trâmite processual também estão indignados com a resolução da Anatel que pode atrapalhar o peticionamento eletrônico.

Conforme o presidente da OAB/MS, Mansour Karmouche, não há como concordar sob hipótese alguma que as operadoras reduzam o uso dos pacotes já contratados.

“A Ordem dos Advogados do Brasil de Mato Grosso do Sul é totalmente contra ao que as operadoras e a Anatel estão tentando fazer ao limitar a internet fixa para o usuário. Não podemos concordar com isso, lembrando que o consumidor paga, e caro, pelas falhas apresentadas na prestação do serviço”, afirma.

Para o presidente da Comissão de Defesa dos Direitos do Consumidor, Nikollas Pellat, a decisão é uma prática abusiva das operadoras, inclusive prevista no artigo 39, incisos I e II do Código de Defesa do Consumidor.

“É inadmissível condicionar o fornecimento de um serviço ou limitar um serviço, sendo que a empresa pode atender essa demanda. Vamos nos reunir e tomar as medidas judiciais cabíveis em prol da defesa da sociedade e do consumidor”, alega.

Pellat explica que os direitos do consumidor devem ser respeitados de acordo com o que foi definido em contrato. “Se o consumidor estiver inadimplente, a operadora está no direito dela de não fornecer o serviço até que ele regularize sua situação perante a empresa. Caso contrário, a operadora não pode restringir o serviço que o consumidor contratou mediante contrato prévio", informa completando que inclusive a alteração unilateral de qualquer cláusula contratual de forma imprevista, é abusiva.

A ideia de regulamentar o uso da internet no Brasil foi aprovada pelo Congresso Nacional em abril de 2014, denominado Marco Civil da Internet e sancionada pela Lei 12.965.

Medida - A medida da Anatel, publicada nesta segunda-feira (18) no Diário Oficial da União, recomenda que as operadoras não limitem a internet e nem façam cobranças excedentes no uso da banda larga fixa.

Porém, caso as prestadoras de serviços queiram restringir o pacote, é preciso que cumpram alguns requisitos exigindo que os consumidores sejam informados e possam consultar o consumo da internet. Se as operadoras descumprirem a medida, serão punidas com multa diária de R$ 150 mil, até o limite de R$ 10 milhões.

Após polêmica, medida suspende redução da velocidade da internet
A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) publicou medida cautelar nesta segunda-feira (18) em que recomenda que as operadoras não limitem a in...
Em queda de 0,5%, dólar comercial fecha cotado a R$ 3,23 nesta terça-feira
Cotado a R$ 3,231 na venda, o dólar comercial fechou a terça-feira (27) em queda de 0,5%. Na véspera, a moeda havia terminado o dia praticamente está...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions