A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

19/11/2015 12:42

Pesca esportiva leva 52 mil ao Pantanal e movimenta R$ 101 mi

Caroline Maldonado
Pesca esportiva garante emprego e renda para 990 moradores de Corumbá (Foto: Divulgação/Prefeitura)Pesca esportiva garante emprego e renda para 990 moradores de Corumbá (Foto: Divulgação/Prefeitura)

As empresas que trabalham com pesca esportiva receberam 52.045 turistas, que movimentaram R$ 101 milhões, na última temporada, em Corumbá, a 419 quilômetros de Campo Grande. Os dados são do Observatório de Turismo do Pantanal, da Fundação de Turismo.

Veja Mais
Entidades se reúnem para analisar o turismo histórico no Estado
Corumbá sedia a partir de amanhã Encontro de Turismo Brasil-Bolívia

O segmento registrou crescimento de 1,92% nos últimos dois anos. Segundo a prefeitura da cidade, a atividade movimenta a economia durante nove meses e garante emprego e renda para 990 moradores.

A temporada vai de março a outubro, quando é permitida a realização da pesca esportiva nos rios da região da bacia pantaneira. Nesse tempo, aumentam as vagas de emprego para os que trabalham como guias de pesca e prestadores de serviços aos visitantes nas pousadas, hotéis e nos cruzeiros fluviais, comerciais e de esporte, recreio e lazer.

Durante a piracema, entre janeiro e dezembro, a pesca é proibida. A partir de fevereiro, é permitido o pesque e solte, quando os pescadores fisgam o peixe, medem, pesam, tiram fotos, retiram o anzol e devolvem ao seu habitat.

De acordo com análise do Observatório do Turismo, os cruzeiros fluviais comerciais e de esporte, recreio e lazer puxaram o crescimento da atividade de pesca no município. Entre os praticantes brasileiros, os mais assíduos são os paulistas, além dos visitantes do Paraná e Minas Gerais. Nos últimos dois anos chamou a atenção o aumento do público feminino, que cresceu 8,4%.

Os pescadores que optam anualmente pelos polos turísticos rurais, por sua vez, demonstraram maior sensibilidade a instabilidade econômica nacional e alguns adiaram a sua viagem de pesca. Com isso, houve retração de 12% no número desse perfil de turista. A pesquisa não inclui os turistas que utilizam as chamadas segunda residência, também conhecidas na região como “ranchos”, que frequentemente recebem amigos e parentes de outras localidades.

Conforme informações de operadoras que trabalham com viagens para os destinos de pesca no Pantanal de Corumbá com cruzeiros fluviais, os pacotes variam de R$ 3,5 mil a R$ 4,8 mil, com hospedagem de turistas que costumam ficar de três a sete dias. Nas pousadas rurais, o preço médio praticado varia em torno de R$ 1.425,00, com permanência média de três dias.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions