A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016

12/05/2014 08:16

Preço do pão francês varia 50% na Capital e sindicato tenta aproximar valores

Bruno Chaves
Aposentada acredita que o pãozinho é indispensável e que preço não é avaliado (Foto: Marcelo Victor)Aposentada acredita que o pãozinho é indispensável e que preço não é avaliado (Foto: Marcelo Victor)
Produto custa de R$ 7 a R$ 14 nas diversas padarias da cidade (Foto: Marcelo Victor)Produto custa de R$ 7 a R$ 14 nas diversas padarias da cidade (Foto: Marcelo Victor)

Estimativa do Sindepan/MS (Sindicato das Indústrias de Panificação e Confeitaria de Mato Grosso do Sul) aponta que o quilo do pão francês, em Campo Grande, tem variação de 50%. O produto mais consumido pelo brasileiro no café da manhã custa de R$ 7,00 a R$ 14,00 nas padarias e supermercados da Capital.

Veja Mais
Bancos repetem proposta de reajuste de 7% e negociação prossegue
Após segunda queda consecutiva, dólar fecha cotado a R$ 3,22

Para diminuir essa diferença, o presidente do sindicato, Raul Alves Barbosa, quer reunir empresários e representantes do setor para que um preço próximo do padrão seja estabelecido.

“Hoje, encontramos o quilo valendo R$ 7, R$ 8 e R$ 9, nos locais mais baratos, e R$ 12, R$ 13 e R$ 14, nos locais mais caros. Então, vamos fazer uma reunião para que o preço fique perto um do outro”, disse.

Analisando a oferta da matéria prima do pão, a farinha de trigo, Raul avalia que o custo do pãozinho se manterá estável até meados de julho e agosto. Após esse período, o produto poderá sofrer reajuste.

Por ser indispensável para muitos, o pão francês sempre entra na lista do orçamento doméstico sem discussão de valor. “Eu não fico sem. E não presto atenção nessas diferenças de preço. Então sempre compro”, disse a aposentada Nídia Alves, 84 anos.

O ajudante geral Antônio Teixeira, 50, costuma reparar nos valores ofertados pelas diversas gôndolas. “Sempre vejo preços diferentes e acabo comprando onde tem, mas sei que aqui no Centro é mais caro e nos bairros mais barato”, comentou.

Bancos repetem proposta de reajuste de 7% e negociação prossegue
A Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) e o Comando Nacional dos Bancários retomaram a 9ª rodada de negociações nesta quarta-feira (28) em São Paul...
Após segunda queda consecutiva, dólar fecha cotado a R$ 3,22
O dólar comercial inverteu o movimento no final da tarde, após operar em alta durante quase toda a sessão. A moeda norte-americana fechou esta quarta...
Endividamento das famílias cresce e atinge 58,2%, mostra pesquisa
O endividamento das famílias brasileiras aumentou 0,2 ponto percentual de agosto para setembro deste ano, atingindo 58,2%. Apesar do ligeiro crescime...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions