A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 25 de Setembro de 2016

05/10/2015 12:27

Prefeitura pede que empresas de fora priorizem pessoal especializado

Foco de segunda parte da gestão de Alcides Bernal é geração de emprego e renda, segundo titular da Sedesc

Caroline Maldonado
Prefeitura quer ampliar oportunidades de emprego para quem está saindo das universidades, segundo secretária de Desenvolvimento, Dharleng Campos (Foto: Caroline Maldonado)Prefeitura quer ampliar oportunidades de emprego para quem está saindo das universidades, segundo secretária de Desenvolvimento, Dharleng Campos (Foto: Caroline Maldonado)

A segunda parte da gestão do Prefeito Alcides Bernal (PP) deve priorizar projetos que gerem emprego e renda para os campo-grandenses. Para garantir isso, a administração pede que as empresas interessadas em receber incentivos para se instalar na Capital, contratem pessoal da cidade, não apenas na área operacional, mas também no setor estratégico.

Veja Mais
Bernal assina convênios com empresas para cuidar de espaços públicos
Ministério da Pesca e Agraer querem fomentar a piscicultura no Estado

A ideia é ampliar as oportunidades para quem está saindo dos cursos de graduação ou especialização das universidades do município, segundo a titular da Sedesc (Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Turismo, Ciência e Tecnologia e Agronegócio), Dharleng Campos de Oliveira.

As empresas de fora recebem incentivos por meio do Prodes (Programa de Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Grande) e quase sempre contratam pessoal daqui para suas novas unidades, mas trazem gente de outros Estados para as equipes de gerência e direção.

“Quantos profissionais temos aqui que estão saindo da universidade e não têm um campo de mercado para trabalhar. Estamos conversando com os empresários que ao se instalarem em Campo Grande, que sejam realmente contemplados os funcionários da Capital”.

A estratégia faz parte do plano de governo do prefeito, que tem foco, sobretudo, no emprego e renda, segundo a secretária. Ela explica que para isso serão retomados projetos e até mesmo trabalho de superintendência que ficaram parados, durante a gestão do prefeito afastado Gilmar Olarte (PP), agora preso e investigado por formação de quadrilha e corrupção, suspeito de participar de plano para cassação de Bernal, ocorrida em março de 2014. Antes de assumir a prefeitura, Olarte era vice-prefeito e sua gestão durou um ano e cinco meses.

Outras metas – Na área da agricultura, mais uma vez a secretária enfatiza que o objetivo é gerar renda. Em entrevista ao Campo Grande News, Dharleng disse que está sendo retomado o trabalho da Superintendência da Pesca e da Aquicultura, com objetivo de estimular a piscicultura no município e levar a carne à merenda das escolas da rede pública.

Titular da Sedesc, Dharleng disse que geração de emprego e renda é prioridade em segunda fase da gestão do prefeito Alcides Bernal (Foto: Caroline Maldonado)Titular da Sedesc, Dharleng disse que geração de emprego e renda é prioridade em segunda fase da gestão do prefeito Alcides Bernal (Foto: Caroline Maldonado)

“Uma conquista da gestão prefeito Bernal foi a aprovação do SIM (Selo de Inspeção Municipal), mas isso ficou parado e agora queremos retomar incentivando a produção de peixe nos assentamentos”, comentou a secretária.

Para estimular o turismo na cidade, a secretaria conta que faz reuniões com instituições para que coloquem a Capital no roteiro de seus eventos. “Queremos trazer congressos, como exemplo da área médica, agricultura e pecuária para a cidade. Também vamos atrás de eventos como a Stock Car, que ocorreu no mês passado, pois além de gerar renda, isso traz alegria para os campo-grandenses”.

Sobre os projetos que estão parados, Dharleng disse que todos estão passando por uma revisão para que sejam retomados os que vão beneficiar a população. “Estamos acompanhando para verificar a viabilidade e se está tudo dentro do que se espera em relação a lei, alguns projetos dependem de solicitações de outras secretarias e estão passando por uma rápida revisão”, detalhou a secretária.

Um dos projetos parados na Capital é a Cidade do Ônibus, prevista para sair do papel a partir de 2016. O objetivo é concentrar em um só lugar todas as empresas de transporte rodoviário da cidade e retirar das áreas centrais cerca de 600 ônibus, que cruzam a cidade para ir até suas garagens.

Após aprovação da Câmara Municipal, a prefeitura divulgou os incentivos fiscais destinados à nove empresas, em julho deste ano, quando Natal Baglioni estava a frente da Sedesc. Na época, ele disse que as empresas deveriam elaborar o projeto de construção e encaminhar à Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano), junto com o pedido de licença ambiental para que a obra fosse liberada. Segundo Dharleng, este é um dos projetos que estão sendo avaliados para que sejam retomados, caso seja viável. 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions