A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

17/06/2016 07:11

Primeiro frigorífico de abate de jacaré de MS tem investimento de R$ 30 mi

Renata Volpe Haddad
A obra deve ficar pronta no início do ano que vem e o frigorífico está localizado às margens da BR-262, distante aproximadamente 35 quilômetros da área urbana de Corumbá. (Foto: Anderson Gallo/ Diário Corumbaense)A obra deve ficar pronta no início do ano que vem e o frigorífico está localizado às margens da BR-262, distante aproximadamente 35 quilômetros da área urbana de Corumbá. (Foto: Anderson Gallo/ Diário Corumbaense)

Com investimento de R$ 30 milhões e capacidade de abate de 4,2 toneladas de carne de jacaré por dia, a Caimasul (Caimans do Sul do Pantanal Importação e Exportação) lançou oficialmente a construção do primeiro frigorífico de abates de jacarés do Mato Grosso do Sul ontem (16) em Corumbá, distante 419 km de Campo Grande.

Veja Mais
Governo libera 12 licenças ambientais para instalação de novas empresas
Imasul libera 2.517 licenças ambientais e investimento chega a R$ 1 bilhão

A obra deve ficar pronta no início do ano que vem e o frigorífico está localizado às margens da BR-262, distante aproximadamente 35 quilômetros da área urbana de Corumbá. O frigorífico instalado tem previsão de geração direta de 40 postos de trabalho.

Segundo informações do site Diário Corumbaense, com licença de instalação e operação liberada pelo Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), o frigorífico é construído em uma área de 150 hectares e vai trabalhar com 10 mil matrizes em cativeiro e 250 mil jacarés em confinamento, com média aproximada de 100 mil animais abatidos por ano.

Conforme o presidente da Caimasul, Raul Amaral, o planejamento da empresa prevê a conclusão da obra e consequente entrada em operação logo no começo de 2017. A tecnologia usada para o trabalho de abate é de ponta.

"Em janeiro devemos inaugurá-lo completamente. É o único frigorífico no mundo de abate de jacaré com essa tecnologia, será inteiramente automatizado. Da mesma forma que se abate frangos e porcos, serão abatidos os jacarés. As nórias (ganchos) para transporte da carcaça do animal serão todas automáticas. O frigorífico inteiro é uma câmara fria de 15 graus”.

Frigorífico de jacaré vai gerar 40 empregos diretos. (Foto: Anderson Gallo/ Diário Corumbaense)Frigorífico de jacaré vai gerar 40 empregos diretos. (Foto: Anderson Gallo/ Diário Corumbaense)

Com capacidade máxima de operação, prevista para até o final do ano que vem, a produção alcançará cerca 10 mil quilos de carne de jacaré por mês, com 11 tipos diferentes de cortes.

A tecnologia empregada permitirá reaproveitamento total do animal. Couro, a cabeça e as vísceras serão transformados em ração para os répteis dos cativeiros. Esse alimento vai ser produzido na fábrica de ração instalada dentro da própria empresa.

A produção do frigorífico tem destino certo e vai abastecer mercados internos e estrangeiros. A carne de jacaré será totalmente voltada para consumo doméstico. Ainda conforme Amaral, no mercado da carne, o frigorífico está focando o Brasil, principalmente Corumbá, Bonito e Campo Grande. "Outros mercados fortes são Minas Gerais e São Paulo. Acreditamos que a carne ficará no mercado brasileiro”, avaliou.

Já o couro deve ser, em sua maioria, exportado. “A pele, o nosso jacaré do Pantanal, o caiman yacare, é usado muito para sapato. No Brasil há fabricantes de calçados que utilizam essa pele. Contudo, nosso foco é o mercado internacional. São grandes compradores no México e no sul dos Estados Unidos, justamente para sapatos e botas. Há mercado fortíssimo na Ásia, que é para bolsas e carteiras. A pele tem foco internacional, carne nacional”, destacou Amaral.

O frigorífico é construído em uma área de 150 hectares e vai trabalhar com 10 mil matrizes em cativeiro e 250 mil jacarés em confinamento, com média aproximada de 100 mil animais abatidos por ano. (Foto: Anderson Gallo/ Diário Corumbaense)O frigorífico é construído em uma área de 150 hectares e vai trabalhar com 10 mil matrizes em cativeiro e 250 mil jacarés em confinamento, com média aproximada de 100 mil animais abatidos por ano. (Foto: Anderson Gallo/ Diário Corumbaense)

De acordo com o prefeito de Corumbá, Paulo Duarte, o apoio do Poder Público municipal foi determinante para que o projeto saísse do papel e ganhasse forma. “Há dois anos, a prefeitura passou a ter efetivamente a primeira Lei de Incentivo Fiscal, aprovada pela Câmara Municipal e que possibilitou também que esse investimento estivesse acontecendo em Corumbá”.

Duarte comentou ainda que no momento de crise econômica, a prefeitura tem buscado atrair investimentos. "Gerar emprego, gerar renda e movimentar a economia da cidade é o que queremos. Quem leva a cidade para o crescimento, para o desenvolvimento, é o setor privado. A Prefeitura tem que ser parceira, tem que estar junto e fomentar esse tipo de coisa”, finalizou.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions