A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Setembro de 2016

18/12/2015 08:27

Produtos de limpeza sobem até 53% e consumidor usa técnica de economia

Mariana Rodrigues
No mês de dezembro deste ano os produtos de limpeza ficaram até 53% mais caros se comparado ao mesmo período do ano passado. (Fernando Antunes)No mês de dezembro deste ano os produtos de limpeza ficaram até 53% mais caros se comparado ao mesmo período do ano passado. (Fernando Antunes)

Em dezembro deste ano os produtos de limpeza ficaram até 53% mais caros se comparado ao mesmo período do ano passado. Esse encarecimento tem levado o consumidor a pesquisar mais e usar métodos para economizar, como o uso da caderneta, anotando tudo o que compra e fazendo um balanço dos gastos mensais. Outros preferem peregrinar de mercado em mercado, em busca de preços melhores, e no final ver em qual compensa mais.

Veja Mais
Para economizar, supermercados poupam até na decoração natalina
Por vendas maiores, supermercados sorteiam carro e flexionam horário

De acordo com levantamento do IPC/CG (Índice de Preço ao Consumidor de Campo Grande), divulgado pela Uniderp Anhanguera, a água sanitária da marca Brilhante de um litro foi o item que mais encareceu, registrando alta de 53,19%. Em dezembro do ano passado ela custava R$3,54 e neste ano passou a custar R$5,42. O sabão em pó Omo Progress de 1kg saltou de R$ 8,12 para R$ 10,99, isso representa um aumento de 35,34%.

Vera Calobrise Romero,anota tudo o que compra no supermercado para fazer um balanço mês a mês. (Fernando Antunes)Vera Calobrise Romero,anota tudo o que compra no supermercado para fazer um balanço mês a mês. (Fernando Antunes)

Vera Calobrise Romero, 67 anos, é uma dessas consumidoras que anota tudo o que compra no supermercado para fazer um balanço mês a mês. Com esse controle financeiro ela vem notando que os preços estão cada vez maiores, principalmente os produtos de limpeza. "Está tudo caro, não tem nada barato", lamenta. Ela não contabilizou o quanto os produtos ficaram mais caros, nem quanto o total de cada mês de sua caderneta já subiu, mas ela sobe que os preços estão bem diferentes do início do ano. "Todo mês eu anoto e vejo a diferença e olho nas outras páginas o que eu já comprei e a diferença é enorme".

Com os preços subindo, Vera comenta que passou a comprar produtos que vai consumir no mês. "Antigamente eu fazia uma compra para o mês, agora isso acabou, vou comprando o que é necessário, guardo um pouco de dinheiro para não me enfiar no cartão de crédito e quando falta vou ao mercado e compro, mas as vezes deixo passar de um mês para o outro", explica ela, que devido ao valor absurdo dos produtos ela, as vezes, deixa de comprar alguns produtos durante o mês.

Outra que também notou o aumento dos preços foi Maria do Socorro Nunes Figueiredo, 36 anos. Ela trabalha com serviços gerais em um prédio que fica próximo a um supermercado e a forma que ela encontrou para economizar é dividir as suas compras entre o comércio perto do seu serviço e o que fica perto de sua casa. "No supermercado próximo ao meu serviço eu compro os produtos de limpeza que estão mais baratos e no que fica perto da minha casa eu compro o restante".

Maria do Socorro Nunes Figueiredo,  pesquisa bastante antes de comprar. (Fernando Antunes)Maria do Socorro Nunes Figueiredo, pesquisa bastante antes de comprar. (Fernando Antunes)
Joel Pereira da Silva, diz não notar a aumento dos preços. (Fernando Antunes)Joel Pereira da Silva, diz não notar a aumento dos preços. (Fernando Antunes)

Maria faz compras para o mês, pois para ela é melhor, já que na sua casa moram muitas pessoas. Ela reclama dos preços que tem encontrado nos supermercados e afirma que não é vantajoso comprar em atacados. "Realmente todos os produtos estão caros, desde amaciante até sabão em pó, mas eu ainda prefiro comprar em mercados, porque os atacados ficam longes para mim e o que eu vou gastar com transporte não compensa, pois nos outros supermercados eles entregam", diz.

Mas há consumidores que ainda não notaram a diferença nos preços dos produtos, é o caso de Joel Pereira da Silva, 55 anos, assistente operacional, ele faz compras todo o mês, mas não considera que os preços estejam tão fora do normal."Não senti muita diferença nos preços, para mim ainda está normal".

Outros preços - Outros produtos que apresentaram alta foram: O sabão em barra Minuano Glicerinado Neutro com cinco unidades passou de R$5,15 para R$7,09 (37,58%), o Alvejante sem cloro Brilhante Utile (750ml), subiu de R$ 6,49 para R$ 8,49 (30,77%). O inseticida aerosol Raid Ação Total (300ml) custava R$7,74 no ano passado e subiu para R$9,55 (23,32%).

A vassoura de Nylon Nova Condor subiu de R$9,99 para R$12,89 (29,03%), outro item que apresentou alta foi o amaciante de roupas Fofo (2l), que custava R$8,49 e agora custa R$10,19, um aumento de 20,02%. Entre os itens que registraram queda, estão o álcool líquido Zulu com -11,31% e o desinfetante Pinho Sol (500ml) que passou de R$ 3,84 para R$3,46 (-10,03%).




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions