A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

06/11/2014 09:45

Reajuste acumulado de energia atingirá 17,6% em 2014, prevê Banco Central

Daniel Lima, da Agência Brasil

O Copom (Comitê de Política Monetária) do BC (Banco Central) estima reajuste acumulado de 17,6% nos preços da energia elétrica para 2014. A indicação está na ata da última reunião do Comitê divulgada hoje (6) ocorrida na semana que passou. Na ocasião, o BC elevou a taxa básica de juros (Selic) de 11% ao ano para 11,25% contrariando as previsões da maioria dos analistas e investidores do mercado financeiro, que apostavam na manutenção da taxa.

Veja Mais
Bancários entram no 25º dia de greve sem previsão de retorno ao trabalho
Com maior carga tributária do mundo, remédios consomem renda dos idosos

De forma geral, para o conjunto de preços administrados por contrato e monitorados, o BC informou que para 2014 a variação projetada é 5,3%, ante 5,0% considerados na reunião do Copom de setembro. Segundo os técnicos do BC, entre outros fatores, além dos preços da energia elétrica, foram consideradas nas projeções as variações ocorridas, até setembro, nos preços da gasolina (0,1%) e do gás de bujão (2,8%), bem como hipóteses de redução de 6,4% nas tarifas de telefonia fixa.

“Os itens para os quais [surgiram] mais informações foram projetados individualmente e, para os demais, as projeções se baseiam em modelos de determinação endógena de preços administrados, que consideram, entre outras variáveis, componentes sazonais, inflação de preços livres e inflação medida pelo Índice Geral de Preços (IGP)”, registra a ata.

Com base nesses modelos, os Banco Central projeta para o conjunto dos preços administrados por contratos e monitorados, variação de 6,0% em 2015 e de 4,9% em 2016, mesmos valores considerados na reunião do Comitê de setembro.

Após duas quedas seguidas, dólar tem alta de 1,05% e fecha a R$ 3,25
Cotado a R$ 3,256 na venda, após dois dias seguidos de baixa, o dólar comercial fechou esta quinta-feira (29) com alta de 1,05%. Com isso, a moeda no...
Índice sobe 6% e Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas
Campo Grande tem 177 mil pessoas endividadas, sendo que 13% não terão condições de pagar suas contas. O índice medido pelo IPF/MS (Instituto de Pesqu...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions