A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 30 de Setembro de 2016

20/05/2015 16:20

Receita sobe 18% e prefeitura fecha bimestre com R$ 650 milhões em caixa

Priscilla Peres
Prefeito atribui crise econômica a queda na arrecadação. (Foto: Marcos Ermínio)Prefeito atribui crise econômica a queda na arrecadação. (Foto: Marcos Ermínio)

A receita primária da prefeitura de Campo Grande teve crescimento de 18% no primeiro bimestre de 2015, quando comparado ao mesmo período de 2014, passando de R$ 545 milhões para R$ 644 milhões. A administração municipal terminou os dois primeiros meses do ano com superavit de R$ 650 milhões.

Veja Mais
Prefeitura faz panfleto para convencer servidor de crise nas finanças
Olarte enumera quedas na arrecadação e diz que cortes são necessários

O demonstrativo de receitas de janeiro e fevereiro de 2015 foram publicados hoje no Diário Oficial do município. Os números relativo a receita mostram que, só de IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) a arrecadação subiu 11%, passando de R$ 218 milhões para R$ 243 milhões.

Ainda conforme a publicação no Diário Oficial, em consequência do valor da folha de pagamento que dobrou de 2014 para 2015, a arrecadação do IRPF (Imposto de Renda Retido na Fonte) cresceu 112%, passando de R$ 11.900 milhões para R$ 25.252 milhões.

O relatório ainda apresenta números de despesas durante o primeiro bimestre e revela que houve crescimento  no gasto com a folha de pagamento, que passou de R$ 107 milhões para R$ 204 milhões, variação de 90%.

A prefeitura terminou o primeiro bimestre do ano com superávit de R$ 368 milhões, resultado de despesas de R$ 298 milhões descontadas de R$ 667 milhões de receitas. Os números ainda mostram que a administração terminou dezembro de 2014 com R$ 399 milhões em caixa e no fim de fevereiro de 2015 esse valor passou para R$ 650 milhões.

Deficit - Apesar dos números divulgados hoje serem bons, ainda em fevereiro a equipe financeira da prefeitura disse em Audiência Pública, que ao longo do ano teria que afotar ajustes e medidas de contenção para evitar um deficit projetado em mais de R$ 339 milhões ao final de 2015.

Para isso, precisaria cortar 20,84% nos gastos com pessoal, 13,69% nas despesas de custeio e 20,15% nos investimentos que a Seplanfic (Secretaria de Planejamento e Finanças) da Prefeitura de Campo Grande espera chegar a dezembro de 2015 contabilizando deficit em torno de apenas R$ 37 milhões, uma situação considerada “administrável” pelo titular da pasta, André Scaff.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions